Jornal da Praia

PUB

De férias em São Jorge: o último dia

Sexta, 13 de Março de 2020 em Opinião 149 visualizações Partilhar

De férias em São Jorge: o último dia

Era Segunda-feira da Trindade, planeara para esse dia regressar à Costa Norte e percorrê-la com vagar porque, quando lá fomos parar uns dias antes, depois de visitarmos o Pico da Esperança, ao chegar ao Norte Grande constatei que estava quase sem gasolina e tivemos de continuar para a Ribeira Seca, para abastecer, fazendo numa condução cuidadosa para não ficarmos pelo caminho. Chegados lá, atestámos o depósito e, em vez de voltarmos para trás, seguimos para o Topo.

Logo que me levantei nesse último dia de férias, fui à janela para ver o tempo. O dia estava envergonhado; não chovia, mas o céu estava bastante forrado como, na minha juventude, diziam os velhos homens do Pico. Preparámo-nos, descemos às Velas e fomos, como em todos os dias anteriores, ao Restaurante Açor tomar o pequeno almoço; era uma das últimas oportunidades de comer uma sandes de bom queijo de São Jorge que, na ilha, tem outro sabor. Embora não estivesse combinado, apareceram os nossos amigos Mercês e José António, também eles para tomar o pequeno almoço antes de partirem para o Pico. Disse-lhes que iríamos regressar à Costa Norte para visitarmos a Fajã do Ouvidor e a Caldeira de Santo Cristo; logo nos aconselharam a almoçar no Restaurante do Amílcar, na Fajã do Ouvidor, e telefonaram a saber se estava aberto e se tinha ameijoas; como a resposta foi positiva, reservámos mesa. Despedimo-nos e pusemo-nos a caminho.

O tempo não estava bonito, mas não chovia. Tivemos, contudo, de ir muito devagar porque o nevoeiro era muito e a estrada estava molhada. Logo que começámos a descer para a Fajã do Ouvidor, o nevoeiro desapareceu e tivemos logo uma vista esplêndida. Ao chegar lá abaixo, demos uma volta, tirámos umas fotografias e dirigimo-nos ao restaurante; era meio dia e não havia ninguém. Com o nosso vagar consultámos a ementa, pedimos ao funcionário explicações sobre os pratos e escolhemos umas ameijoas para a entrada e abrótea grelhada; para beber, uma garrafa de “Muralhas”, de Monção.

Sem grandes demoras trouxeram o que tínhamos pedido; estava tudo excelente. Foi, sem dúvida nenhuma, a nossa melhor refeição em restaurantes de São Jorge. A ilha precisa urgentemente de melhorar, e muito, na área da restauração, como mostra a estória que se segue.

Na nossa ida ao Topo, tivemos “um azar dos Távoras” com o restaurante. Nesse dia o tempo estava magnífico. Logo que chegámos ao destino, fomos até à ponta da ilha. Olhámos para a Terceira e parecia que a Serra de Santa Bárbara estava logo ali, à mão de semear. Estivemos um bom bocado a apreciar a paisagem: o farol, o Ilhéu do Topo, o mar, com um azul lindíssimo, em frente a Terceira, parecia que se dessemos um salto caíamos lá e, mais à esquerda, a Graciosa. Estávamos perante um quadro belíssimo que me lembrou aquela passagem de Raul Brandão, nas Ilhas Deconhecidas: “o que as ilhas têm de mais belo e as completa é a ilha que está em frente”.

Demos umas voltas e regressámos ao centro da povoação para almoçar. A hora já estava adiantada, eram quase duas horas da tarde, pelo que entrámos no primeiro restaurante que nos apareceu, perto de um Império do Espírito Santo, com receio de perder muito tempo à procura e sermos recebidos com esta desculpa: já é tarde, já não servimos almoços. Trouxeram-nos o menu que indicava como pratos do dia “filetes de pescada” e “pisa”, nada mais típico da gastronomia jorgense. Pedimos os filetes. Como a empregada informou que tinham vinho da Fajã de São João, pedi uma canequinha. Levantei-me para ir lavar as mãos e, quando cheguei à mesa, minha mulher disse-me que o vinho cheirava a álcool; provei-o, era absolutamente intragável. Pedi cerveja. Os filetes chegaram à mesa chumbados em óleo, parecia que tinham sido fritos na véspera e os tinham aquecido no micro-ondas. Enfim, foi um almoço para o esquecer.

Felizmente o almoço no Amílcar foi muito diferente, a melhor refeição da nossa estadia em São Jorge. Enquanto fomos comendo, o restaurante foi-se enchendo. Quando pedimos a conta, estava praticamente cheio de comensais. Pagámos e pusemo-nos a caminho.

Subimos da fajã para a estrada, onde apanhámos de novo nevoeiro. Passámos o Norte Pequeno e, pouco depois, desviámos para a Fajã dos Cubres. Logo que começámos a descida, o nevoeiro desapareceu.  A nossa ideia era visitar a fajã e, a partir de lá, ir em moto-quatro à Caldeira de Santo Cristo. Chegados lá abaixo, demos uma volta e dirigimo-nos para o sítio de onde partem as moto-quatro. Enquanto esperávamos a chegada do transporte, começou a chover e tivemos de desistir dos planos. Metemo-nos no carro e pusemo-nos a caminho de regresso às Velas. As maravilhosas férias em São Jorge estavam a acabar, havia que preparar as malas para o regresso ao Continente no dia seguinte.

 

Braga, Fevereiro de 2020

José Henrique Silveira de Brito