Jornal da Praia

PUB

A educação positiva

Sexta, 13 de Março de 2020 em Opinião 122 visualizações Partilhar

A educação positiva

A “educação positiva” é um conceito que prolifera nos tempos que correm, tanto por via dos recentes estudos na área, como pelos media, que começam também a dar importância à “positividade” que tem estado associada sobretudo às organizações, escolas e famílias.

Começando pelas organizações, posso dizer que nestas, tais como, os clubes desportivos, as coletividades culturais e as de promoção de cidadania, é valorizada a interação humana positiva. Aqui a educação positiva relaciona-se com a motivação para compreender as causas dos diferentes tipos de interações, distinguindo organizações positivas e negativas, saudáveis e “doentes”.

Estes organismos devem proporcionar um ambiente positivo, desenvolvendo as forças e virtudes dos indivíduos, possibilitando interações positivas, a descoberta de talentos e favorecendo o progresso singular e coletivo.

Ainda nas organizações, as interações humanas ocupam uma posição de destaque (princípio da colaboração/ interação positiva entre todas as pessoas), sendo indicadoras de bem-estar. Assim, ao serem concretizadas as expectativas individuais e ultrapassados os desafios colocados, as pessoas demonstram maior clareza nos objetivos a alcançar, sentem maior controlo sobre as atividades desempenhadas, revelando-se, essas, intrinsecamente gratificantes.

Nas escolas também há educação positiva quando se aposta na prevenção, na flexibilidade curricular, na valorização dos vários ritmos de aprendizagem, na motivação pessoal (e variável), pois as crianças são diferentes e devem sentir-se seguras e confortáveis nos vários domínios de desenvolvimento.

Também se pratica educação positiva quando, nos projetos de escola, no seu regulamento interno e em outros documentos orientadores, se respeitam as diferentes formas de os alunos memorizarem e aprenderem, sejam elas visual, auditiva ou cinestésica. Assim, é importante educar para o conhecimento em várias áreas, desenvolvendo aptidões de bem-estar, educando positivamente para o saber-estar, o saber-fazer e o saber-ser, numa perspetiva holística e sistémica do desenvolvimento humano.

Na minha opinião, uma visão da educação que permite a construção dos pontos fortes das crianças e jovens favorece, de facto, o potencial absoluto dos mesmos, na medida em que o ser humano é considerado no seu todo, valorizando as várias inteligências (múltiplas), as várias fases de desenvolvimento humano (infância, adolescência, adultez e velhice) e incluindo, desde o nascimento, uma cultura baseada no princípio da positividade.

É importante que seja dado enfoque às potencialidades de cada criança/jovem, educando para a construção de competências sociais e emocionais, que, bem trabalhadas, reverterão em sentimentos de maior confiança e eficácia, elevados níveis de autonomia e criatividade, e possibilitarão relações interpessoais positivas e significativas. É igualmente importante educar para a prática do perdão, promovendo sentimentos como a compaixão e a autoconfiança, em oposição ao egocentrismo e à competição.

No que respeita aos sistemas familiares, existe uma parentalidade positiva, que corresponde a uma forma de educação caracterizada por uma comunicação não violenta e assertiva, na qual há partilha de histórias e de emoções, de pais para filhos, e se constroem rotinas e momentos de partilha de amor e de crescimento pessoal. De facto, a educação positiva amplia recursos intelectuais, físicos e sociais, conduzindo à exploração de descobertas. Estas últimas são responsáveis pelo reconhecimento das forças pessoais que, muitas vezes, se encontram oprimidas ou esquecidas pelo quotidiano competitivo, acelerado e robótico.

Por isso, é útil reprogramar a neurolinguística usada, tantas vezes sem reflexão, em modo de “modelo automático”. É chegado o tempo de modificar conceitos como “o azar, o nefasto, o péssimo”, passando a usar outro vocabulário que é um estimulante da ação, sentindo-o, biológica e emocionalmente.

Urge modificar práticas, mudando as teorias que se encontram na raiz subconsciente, procurando reestruturar os pensamentos negativos, e tantas vezes fatalistas (“tudo ou nada”), que condicionam a nossa criatividade, travam as nossas iniciativas e castram as nossas realizações pessoais. Por isso, é importante não esquecer que “o sonho comanda a vida” (António Gedeão) e que, no topo da pirâmide, se encontra o objetivo máximo da nossa existência, o significado que procuramos para dar mais sentido às nossas vidas.

Joana Leal