Jornal da Praia

PUB

O barco e os ratos

Sexta, 13 de Março de 2020 em Opinião 487 visualizações Partilhar

O barco e os ratos

Esta coisa que paira nos ares do mundo, este novo sopro da morte chamado coronavírus, nasce novamente no país com a maior população do planeta e igualmente com a densidade mais expressiva.

Os ditadores do sistema comunista chinês há muito que se vestiram de capitalistas e começaram a copiar, pela negativa, o sistema ocidental de sociedade de consumo. Ou seja: Pediram ajuda aos sistemas democráticos, no desenvolvimento das mais variadas indústrias e comércios. Para tal e mediante o investimento feito no campo da especialização diversificada ao povo chinês, os parceiros democráticos do Ocidente contribuíam desta forma para a paz social entre milhões de seres humanos que precisam do pão de cada dia sobre a mesa. Os poderes comunistas arranjaram assim uma solução para o seu megaproblema social.

Os produtos, fabricados com uma mão-de-obra esclavagista e colossal, começaram a ser exportados para todo o mundo, abrindo o apetite capitalista aos preços que batiam toda e qualquer concorrência. O mundo fechava os olhos à fraca qualidade de muitos desses produtos em prol do ganho substancial que obtinham. Era o apoio do resto do mundo a uma China que assim se transformou no gigante que hoje domina os mercados e compra dívidas de diversos países, incluindo do seu inimigo natural, os EUA.

Com toda esta problemática, a Europa apresentava-se condescendente com os atentados aos direitos humanos praticados na China. As nações Unidas eram igualmente pressionadas a deixar passar e a fechar voluntariamente os olhos às fracas condições dos trabalhadores chineses, bem como aos baixos níveis de higiene praticados na maioria desses produtos, às deploráveis condições de trabalho do povo chinês.

Começou a jorrar dinheiro por todo o lado e todos estavam satisfeitos. As fortunas acumularam e as grandes multinacionais correram para a China, a fim de abrir fábricas e produzir com mão-de-obra quase dada, segundo os padrões ocidentais e ainda por cima sem o incómodo dos sindicatos, que na China são proibidos.

Ao longo dos anos, a prosperidade financeira acabou por compensar e os chineses começaram a viajar aos milhões, fascinados com tudo o que os seus “amados líderes” lhes tinham proporcionado.

O resto do mundo estava igualmente satisfeito e nem pensava nas mortíferas consequências que poderiam advir de tamanha mudança.

Podemos olhar para o exemplo chinês como o futuro próximo do planeta. As consequências nefastas daquilo que ninguém quer falar: a explosão demográfica.

Nas últimas cinco décadas, a população mundial duplicou. Isto quer dizer que dos sete biliões de agora, atingirá os catorze biliões em 2050 ou os 28 biliões antes do fim deste século. O desespero da sobrevivência humana virá à superfície e os responsáveis serão pressionados nas várias soluções empregues. Nem que seja deixar escapar um vírus de vez em quando… ou explorar a vivência humana noutro planeta.

E por falar em virulência, as atenções desviaram-se de Isabel dos Santos. O nosso coronavírus teve essa virtude. Uma imensidão de ratos estão a abandonar o navio dourado da dita senhora, para tentarem escapar às malhas da justiça financeira. Durante anos andaram a “beijar-lhe” as partes íntimas do corpo, a estender a passadeira à sua passagem (dinheiro, a quanto obrigas!) tanto em Angola como no retângulo ibérico. E como a traição faz os melhores inimigos, agora sentem-se “virgens profanadas”, sacrificando de forma conspiratória a Isabel, cujo pecado capital foi o de investir em todos eles milhões e milhões de euros. E todos sabiam de onde provinha tamanha fortuna, considerando o facto irrelevante. Uma estória que se repete.

Há anos atrás, um acidente de avioneta que quase matou João Soares em Angola, era depois fruto de várias acusações na imprensa. Em Angola escrevia-se o seguinte:  

“… no “Jornal de Angola” o escritor angolano António Francisco Adão Cortez (Chicoadão), referiu-se a João Soares, como «um gatuno comprovado das riquezas de Angola». O ministro angolano da Comunicação Social, Hendrick Vaal Neto, que acusou Mário Soares e seu filho João (na altura presidente da Câmara de Lisboa) de «beneficiarem do tráfico de diamantes».”  

Como é (convenientemente) curta a memória em Portugal!

Neste momento, os receios atormentam muitas figuras influentes do retângulo.

O novo pesadelo chama-se Rui Pinto. O miúdo-génio das artes digitais, conhece mais do que devia sobre muitos ratos lusitanos. Antes de lhe dar liberdade, é preciso arrancar-lhe tudo o que sabe e, terá que esquecer tudo. Nem que seja com algumas mezinhas na comida enquanto está legalmente (?) detido há meses sem julgamento…

Francisco Louçã comentava um dia destes:

“…Talvez a maior das ingenuidades seja pensar que o combate ao crime financeiro não vai suscitar vinganças pesadas sobre os denunciantes dos crimes financeiros.”

Rui Pinto revelou-se uma autêntica caixa de pandora para muitos ratos em todos os quadrantes da vida lusitana. É um “alvo a abater” por elementos de crimes de colarinho branco.

E como se tudo isto fosse pouco, temos o futebol. Suspeitas de corrupção entre vários clubes, máquinas de lavar dinheiro, fugas ao fisco, etc.

Mais uma saga para averiguações por parte das forças policiais e de investigação que, por sua vez se queixa da falta de meios para tantos megaprocessos.

José Soares