Jornal da Praia

PUB

Pelo Carnaval até os Canários migram pela Terceira!

Sexta, 13 de Março de 2020 em Editorial 193 visualizações Partilhar

Pelo Carnaval até os Canários migram pela Terceira!

Aparentemente ninguém sabe exactamente quando e como começou o carnaval da Terceira. Os historiadores dizem que o carnaval é importado das tradições pagãs, e que terá vindo já incutido na cultura dos primeiros colonos. Sem aprofundar mais a raiz, importa é realçar que ninguém sabe ao certo como se iniciaram as danças do nosso carnaval. Há, contudo, alguns pontos que se assumem verdadeiros, baseados principalmente em testemunhos que comprovam o facto das danças terem primeiro aparecido à porta das Igrejas, nos Terreiros e nas casas dos Terceirenses (ao invés de palcos), e de inicialmente as danças de espada apenas actuarem de dia e os bailinhos à noite.

Deixando o rigor histórico para os especialistas, o que aqui se pretende é contextualizar que esta é uma festa que nasce com os Terceirenses. Hoje em dia, os seus moldes e variações evoluíram com o povo e sua imaginação. Temos danças de espada, bailinhos, comédias e monólogos (falta algum?). Temos grupos só de homens, só de mulheres e mistos. Temos novos, velhos e crianças. Temos cantores e músicos profissionais (ou quase) e amadores. Temos salões e espectadores. Todos eles investem tempo e dinheiro para preparar e apreciar o nosso carnaval. Há que dar o devido crédito a todos os intervenientes! Sem eles, não desfrutaríamos, nem passaríamos aos nossos filhos, a alegria única do nosso carnaval!

Mas, como tudo na vida, nada é perfeito. Por exemplo este ano houve vários grupos com queixas dos salões fecharem cedo e não terem onde actuar. Por outro lado, já há muito que as pessoas se queixam dos vazios de horas que alguns salões passam, sabendo-se que muitas vezes há salões com duas ou três danças em espera e palcos vizinhos sem ninguém.

Há quem já tenha sugerido algum tipo de organização do carnaval, mais ou menos rígida, consoante a pessoa com que se fala: Criação de horários de abertura e fecho dos salões, horários de actuação, divisão dos salões por zonas, entre outras hipóteses. Quase todos nós temos noção que já no passado houve tentativas de agilizar o movimento das danças com recurso aos radio-amadores, e, hoje em dia, com aplicações de telemóvel ou o simples uso do mesmo.

Entretanto já apareceram subsídios com contrapartidas em que se obrigam as danças e bailinhos a determinado número de aparições e/ou a actuar em determinados palcos. De certo haverá quem concorde e quem discorde, uns dos subsídios, outros dos benefícios, e provavelmente de quem tem o maior benefício – Quem dá ou quem recebe... Noutra vertente, e apesar da critica de que as festas de carnaval tiram gente aos salões, há quem prefira a rua de São João ao salão, há quem goste dos dois e ainda quem apoie ambos.

Como começámos por relembrar, o carnaval Terceirense é isso mesmo, é do Povo Terceirense, nasceu, cresceu e evolui com ele. É uma tradição cultural única, que é de um certo modo alucinante e relaxante, que permite excessos e tempo em família, ambos impagáveis e inapagáveis da nossa memória. Quase todos os Terceirenses têm algum tipo de memória ligada a esta tradição, seja num assalto, baile ou festa de carnaval, quer nos salões e danças.

E sendo esta uma tradição popular, talvez devêssemos deixar o povo decidir naturalmente como melhor se organizar sem mais intervenção do estado. Quanto mais estado mais eventual “politiquice”, e isso, deixem para os assuntos do carnaval. Esta festa sobreviverá de uma ou outra maneira, uns anos melhores outros piores.

Este ano além de grupos de rapazes, grupos d´elas, diversos outros grupos já bem característicos, as sempre bem-vindas danças da diáspora, até tivemos no Ramo Grande um pandeiro de três anos (de idade!), e ainda nos visitou um senhor Canário do norte de Portugal, numa migração que até nas redes sociais ecoou, com grandes elogios à nossa festa e aos Terceirenses. Obrigado! Este Jornal, enquanto agente cultural, não podia deixar de estender o agradecimento a todos os que, de algum modo, contribuem para esta festa, desde os participantes das danças (em todas as suas versões), os dirigentes e colaboradores das instituições que as recebem e o povo que assiste.

Queríamos ainda deixar um especial abraço aos grupos que passam pelos hospitais, lares e afins, levando um cheirinho carnavalesco a quem mais precisa. Jornal da Praia termina esta “dança de caneta” com a felicidade de termos tido saúde para desfrutar o carnaval 2020, e com os votos de que para o ano estejamos todos, com a graça de Deus, a celebrar o próximo. Depois da introdução e do assunto resta-nos a despedida... Aquele abraço Praiense!

Luis Moniz, Diretor-Adjunto