Jornal da Praia

PUB

Direitos e Deveres, eis a questão!

Quarta, 19 de Fevereiro de 2020 em Editorial 252 visualizações Partilhar

Direitos e Deveres, eis a questão!

Desde há muito que os grupos organizados de cidadãos têm tido uma influência notável na nossa sociedade, e em todas as suas áreas, desde a religião, a solidariedade, o desporto, economia, música, profissões, cultura, etc. É uma prova inequívoca do valor da iniciativa privada e da força da união de cidadãos, que culmina em entidades com personalidade jurídica, com os seus devidos estatutos, tornando-se o “corpo” que representa um grupo de pessoas, e que age na prossecução de determinados objectivos (definidos pelos seus associados e executados pelos órgãos sociais).

Na nossa Praia da Vitória existem várias associações, todas com o seu mérito e valor. Modéstia à parte, e a título de exemplo, a associação “Grupo de Amigos da Praia da Vitória”, proprietária do único Jornal periódico do nosso concelho, foi a impulsionadora e responsável pela criação da “Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Praia da Vitória”, que, com os seus órgãos e corporação muito nos tem honrado com os seus serviços vitais ao concelho e à ilha Terceira. Esse êxito associativo é também do grupo que fundou e dos que hoje compõem a associação. E Sendo as associações um reflexo dos seus associados, os seus sucessos devem orgulhar todos os sócios e os seus familiares mais próximos. Afinal o sucesso de um na família é o sucesso de todos! Mas será sempre assim?...

Como já foi referido as associações regem-se por estatutos e neles estão devidamente inscritos os direitos e deveres dos associados, que divergem consoante os objectivos de cada uma, mas que, de uma forma ou doutra, dão o poder de decisão aos sócios, MAS em troca de um conjunto de deveres. Como diz o povo: Agora é que a porca torce o rabo!

Grande parte das associações sofre de uma dormência dos sócios, sobrevivendo graças aos voluntários que vão compondo os órgãos sociais. Ainda recentemente anunciaram o termo da actividade da Associação de Mordomos das Festas Tradicionais da Ilha Terceira, e todos nós já assistimos ao declínio de grupos desportivos e culturais na Praia da Vitória. Ainda que haja causas externas, como a falta de apoios, escassos fundos ou a proliferação de associações (porventura desproporcional ao nosso tamanho e população), isso não impede que a principal responsabilidade seja dos sócios.

Então, mas os sócios não são as pessoas? Querem ver que a responsabilidade é das pessoas, ou seja, de todos nós? Pois é! Como membros desta comunidade temos de ter a responsabilidade de assumir os nossos compromissos, mesmo que abdicando de tempo pessoal, e muitas vezes prejudicando a qualidade de vida familiar. E não só a direcção, a assembleia geral ou o conselho fiscal! O simples facto de ser sócio de uma associação obriga à participação, pelo menos nas assembleias gerais, onde se devem tomar decisões importantes, e, sublinho, mesmo em detrimento de outros interesses pessoais e familiares.

Lamento informar que, salvo situações inesperadas e de força maior (como doenças ou obrigações profissionais), jogos de futebol, treinos ou chuva não são justificação para faltar às nossas responsabilidades. O associativismo custa? Custa, mas é um contributo essencial à nossa vida social em áreas como o desporto, combate à pobreza, à solidão, aos abusos, à exclusão dos incapacitados, promoção da cultura, entre muitas outras.

Por aqui acreditamos que boa parte do ser bom cidadão, e já agora bom cristão, é dar do nosso tempo em prol dos outros, da comunidade, num dos melhores exemplos de acção social que se pode transmitir aos mais novos. Temos fé que o tempo despendido no associativismo não é perdido, mas sim investido, e que a privação do convívio com os nossos filhos é superado pelo nosso exemplo, pelo ganho para eles em formação humana, pelos futuros sócios que eles serão.

Que Deus nos dê perseverança para continuar e melhorar! E já agora porque não ter também fé de que, com algum altruísmo, ganhamos uns pontinhos com São Pedro, para contrabalançar algum do nosso egoísmo e abuso (é que acabaram as mijinhas mas já vem ai os amigos/amigas, o carnaval…). Jornal da Praia saúda todas associações do concelho, os seus associados, homens e mulheres de coragem que continuam a trabalhar, tantas vezes de forma ignorada e incompreendida, para o progresso e bem de todos. Aquele abraço Praiense!