Jornal da Praia

PUB

Catar Livremente

Sexta, 17 de Janeiro de 2020 em Opinião 220 visualizações Partilhar

Catar Livremente

 “Joacine Elysees Katar Ta­vares Moreira, mais conhecida apenas por Joacine Katar Morei­ra (Bissau, 27 de julho de 1982), é uma historiadora, ativista e política luso-guineense. Foi a pri­meira mulher negra a encabeçar uma lista partidária a eleições legislativas em Portugal, aca­bando por ser eleita deputada ao parlamento português pelo partido LIVRE em 2019.” (Wiki­pédia 2019).

As últimas eleições em Por­tugal, rebocaram democratica­mente para o Parlamento em São Bento, uma panóplia de novas virtudes, novas caras, no­vas inexperiências, mudanças que são sempre desejáveis na dinâmica democrática. Trouxe igualmente sangue novo e san­gue quente – por vezes a ferver – a fazer funcionar uma certa pacatez parlamentar. Alguns não saíram e outros optaram por convencer os seus pares a prolongar-lhes no tempo, para que as respetivas pensões melhorem no final de carreira… Combinam-se até sobre o que cada partido, através do seu porta-voz, deve ou não dizer cá p’ra fora diante das câmaras.

O caso do presidente do par­lamento é pragmático. Ferro Rodrigues, figura sombria do Partido Socialista, continua, eleito por maioria de entre os deputados, mas sem a estatu­ra transparente exigida. O seu nome apareceu no caso de pe­dofilia Casa Pia e nunca foi bem explicada a situação, senão pela passagem do tempo que faz var­rer da memória o que aconteceu. A sua inocência foi atropelada por alegada confusão acusatória com outra pessoa. Até pode ser que sim, mas as provas nunca foram claras. Inocente, segundo o sistema criminal em Portugal com leis feitas pelos próprios deputados. Os tribunais, limitam-se a aplicá-las.

“A partir de Janeiro de 2003 e ligados ao mesmo caso, outras detenções: O apresentador de televisão mais mediático Carlos Cruz; um embaixador, Jorge Ritto; um médico, Ferreira Diniz; um ex-provedor da Casa Pia, Manuel Abrantes; um advogado, Hugo Marçal; um deputado do PS, Paulo Pedroso.

O processo fica com 13 argui­dos, alguns em prisão preven­tiva. Entre os 10 acusados por abusos sobre menores estava Herman José. Não chega a ser julgado, tal como Pedroso. O deputado também fica pelo caminho na fase da instrução do processo e até é levado ao colo pelos membros da ‘Ordem do Silêncio’.

As consequências ficaram para a História do partido e do país. As alterações às leis penais chegavam anos depois num governo socialista.”

Mas voltemos ao parlamento, a chamada casa da Democracia. Bonito nome, sem dúvida.

O partido Livre, fundado em 2014, “… distingue-se de outros partidos portugueses pela forma de organização interna. Em par­ticular, o método de seleção dos seus candidatos às eleições a que se apresenta, que segue o formato de primárias abertas e rompe com a tradição de escolha de candidatos por convite de di­reções partidárias. Deste modo, todos os cidadãos eleitores po­dem ser candidatos pelo LIVRE, desde que se revejam nos seus princípios fundadores. Desde a sua criação, o partido procura tomar decisões da forma mais inclusiva.” (wikipédia, 2019).

Foi neste ambiente que Joa­cine Katar Moreira foi eleita e apoiada pelo partido.

Uma vez colocada debaixo da redoma parlamentar, Joacine virou-se contra o partido, não acatando as linhas estratégicas combinadas e até afirmando que “daqui não saio, daqui ninguém me tira”.

E o que fez o Livre? Reuniu e reprimiu a “neguinhá”.

A inexperiência de Joacine fi­cou agravada com a prepotência demonstrada. Pôs o partido a nu, e o país ficou sabendo que afinal… era apenas mais um partido igual a todos. As virtudes apregoadas foram despidas pelas afirmações dos seus re­presentantes, Joacine incluída.

O símbolo do partido é a papoila, flor da qual se extrai o ópio.

“ …O suco, conhecido como anfião no comércio oitocentista português com a China, é uma mistura de alcaloides extraídos da papoula (Papaver somni­ferum), de ação analgésica, narcótica e hipnótica. O ópio é produzido mediante a desidra­tação do suco espesso (látex) contido nos frutos imaturos (cápsulas) da planta. O látex contém aproximadamente 12% de morfina, alcaloide analgésico que é processado quimica­mente para produzir heroína e outros opioides sintéticos de uso medicinal, embora também negociados ilegalmente. O látex contém, ainda, os opiatos codeí­na e tebaína, além de alcaloides não analgésicos, tais como a papaverina e a noscapina.

O uso do ópio mascado, que se espalhou no Oriente, provoca euforia, seguida de um sono onírico; o uso repetido conduz ao hábito, à dependência química e, a seguir, a uma decadência física e intelectual, uma vez que é efetivamente um veneno estupefaciente. Na medicina é utilizado, assim como os al­caloides que contém (morfina e papaverina), como sonífero analgésico.”

Com tal coquetel como símbo­lo partidário, teremos deputados cada vez mais adormecidos com as intervenções arrastadas pela gaguez inflamável desta depu­tada eleita democraticamente pelos métodos do Livre, que agora terá de ‘comê-la’ até ao fim do mandato.

Festas Felizes… que o resto a gente resolve.

José Soares