Jornal da Praia

PUB

Joana Pacheco com trabalho tudo se consegue

Sexta, 17 de Janeiro de 2020 em Entrevista 343 visualizações Partilhar

Joana Pacheco com trabalho tudo se consegue

Joana Pacheco, 21 anos de idade, natural de Santa Cruz da Praia da Vitória. Concluiu os seus estudos de música clássica no Conser­vatório Regional de Angra do Heroísmo e, de momento, encontra-se no primeiro ano de licenciatura em canto Jazz, na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo, na cidade do Porto.

 

Como despertou o seu interesse para a música? Pode falar-nos so­bre o seu percurso musical?

O meu interesse na música surge aquando da participação na primeira edição do Festival da Canção Sol Menor, na minha Praia da Vitória em que cantávamos originais, compostos especificamente para aquele con­curso. Éramos acompanhados por uma banda de excelentes músicos. Eu tinha apenas 9 anos de idade, e lembro-me do quão marcante foi aquela experiência. Além disso, cresci a ouvir o meu irmão a estudar guitarra diariamente e isso foi a minha maior estimulação na música.

Pouco depois, entrei na Filarmónica União Praiense onde iniciei os meus estudos musicais e ainda hoje toco saxofone soprano. Tenho um orgulho enorme em ser da Filarmónica da Praia. Sinto imensa falta dos “ensaios da música”. Faziam parte da minha vida, todas as semanas, há mais de 10 anos.

Simultaneamente, inscrevi-me no Conservatório da Praia da Vitória, no instrumento de canto com a profes­sora Alla Lanova.

Fui convidada a fazer parte da Or­questra de Sopros da ilha Terceira, do coro Pactis e do Coro AMIT.

Terminei, em junho de 2019, o 8° grau do Curso de Canto no Conserva­tório Regional de Angra do Heroísmo, com a professora Ana Paula Pereira. No entanto, percebi que não queria prosseguir estudos na área do can­to lírico. Então, tentei estudar em 4 meses o que era preciso para fazer provas de acesso de Jazz.

Felizmente, e devido a muito sacri­fício e disciplina, consegui entrar nas 2 (de 3) universidades a que concorri. De momento, encontro-me no primei­ro ano duma licenciatura em Canto Jazz, com o professor Kiko Pereira, na ESMAE, na cidade do Porto.

 

Além de cantar também com­põe? Quais as suas preferências musicais?

Não me considero com maturidade musical suficiente para criar.

Não me sinto com bagagem sufi­ciente para trazer música nova ao mundo. Fazem-me esta pergunta algumas vezes, e a minha resposta tem sido sempre a mesma: O meu foco é aprender música com a música que já foi feita. Quando sentir que conheço o que já existe, logo verei se a minha criatividade está à altura de acrescentar algo ao tanto que já existe.

Quanto a influências musicais, ul­timamente tenho ouvido mais Rock progressivo, e comecei a ouvir Jazz. Jazz é incrível, e é todo um mundo por descobrir. O nível de dificuldade é mesmo enorme. A quantidade de tra­balho para fazer às vezes consegue ser sufocante. Mas tendo em conta as imensas coisas que já aprendi desde que comecei a estudar no Porto, diria que o caminho de aprendizagem vai ser espetacular!

 

Já atuou nalguns palcos da ilha Terceira, que feedback tem das pessoas que ouvem a Joana Pa­checo?

Já toquei em vários sítios da ilha e em várias situações também. Toco em casamentos, batizados, jantares, festas de freguesia, bares... É muito giro porque isso permite-me cantar vários estilos de música, o que é incrível!

Diria que as pessoas têm gostado do meu trabalho. Sou bastante nova, mas sinto que as pessoas confiam em mim para os seus eventos pois nos meus dois últimos verões não tive um único fim de semana livre. É muito gratificante, e dá-me toda a motiva­ção e mais alguma para continuar a estudar de modo a poder fazer o meu trabalho da melhor forma possível e imaginável. Sou muito perfeccionista e exigente comigo mesma.

 

Sonha ter uma carreira profissio­nal na área da música? Ou a música é um complemento na sua vida?

Gostava de continuar os meus estudos na área da música e, pos­teriormente, dar aulas. A formação é muito importante pois permite-me aprofundar os conhecimentos en­quanto alguém me guia, e orienta. É fácil cometer erros e adotar “maus vícios” quando se aprende um ins­trumento sem qualquer orientação profissional. Daí o ditado: Sozinho vais mais depressa. Acompanhado vais mais longe.

 

Atualmente as redes sociais são os canais mais rápidos na divulga­ção de novos artistas. Como é que a Joana vê a divulgação do seu trabalho junto de quem a segue nos seus canais (Youtube, Instagram ou Facebook)?

Eu acho que vivemos na era das redes sociais, sem dúvida.

É por isso que tento fazer chegar um pouco do meu trabalho através delas. Gravo vídeos com as minhas versões de músicas pop, e publico-as diversas redes sociais.

 

Sendo jovem, qual o conselho que deixa a quem pretende enve­redar por esta área?

Acho que o melhor que se pode dizer às pessoas é para nunca de­sistirem dos seus sonhos e definirem prioridades.

Quando um sonho é grande, não pode haver distração maior que ele.

Eu faço várias diretas a estudar teóricas, enquanto há festas a acon­tecer em todo o lado. Fico na escola a estudar canto às vezes até às 2h da manhã, e as minhas aulas começam às 9h. É preciso fazer sacrifícios por aquilo que se quer.

Se querem concretizar o vosso sonho, seja ele qual for, lutem. Os obstáculos vão ser imensos. Lágri­mas, suor, imprevistos, cansaço, e tanto mais, mas a verdade é que querer a vida de sonho é fácil - todos imploram por um milagre de Deus. O que é difícil é estar disposto aos sacrifícios que isso implica.

Sejamos exigentes connosco, tra­balhemos em nós e para nós.

Os frutos demoram a aparecer, mas creio que quando aparecerem todos nós ficaremos muito satisfeitos.

 

Entrevista: JP/Rui Marques

Fotos: Antero Ávila

Edição impressa