Jornal da Praia

PUB

“A MENINA QUE SE PICOU NUM CATO” DE DIANA ZIMBRON

Quarta, 16 de Outubro de 2019 em Cultura e Desporto 896 visualizações Partilhar

“A MENINA QUE SE PICOU NUM CATO” DE DIANA ZIMBRON

A escritora terceirense Diana Zimbron lança no próximo dia 02 de novembro, sábado, o seu mais recente projeto literário, um conto infantil escrito em verso, inspirado na cultura e paisagem açoriana com ilustrações do artista holandês Pieter Adriaans intitulado “A Menina que se Picou Num Cato”.

A sessão de lançamento terá lugar pelas 16:00, na Casa da Palhoça – ao lado da casa do guarda, em frente ao Relvão – na cidade de Angra do Heroísmo. Antes, pelas 15:00, abrirá uma exposição de ilustrações de Pieter Adriaans.

Diana Zimbron nasceu em 1984 na freguesia da Conceição, Angra do Heroísmo, mas foi criada na carismática freguesia da Sé. Em tenra idade, começa a ler livros de aventuras. E o que começou por ser uma obrigação imposta pela mãe rapidamente se transforma numa forte paixão. “Não gostava de ler e dava muitos erros ortográficos”, começa por dizer Diana Zimbron, para acrescentar, “por isso, a minha mãe comprou-me livros de aventuras e obrigava-me a ler-lhe um capítulo. Depois era a vez dela ler para mim e assim sucessivamente. Claro que depois de nos embrenharmos numa história queremos saber como ela acaba, e a inicial obrigação depressa se tornou gosto. Passei a devorar vários livros sozinha, por semana”. Esta vontade de devorar livros encontra no serviço de empréstimo da Biblioteca de Angra do Heroísmo um valioso aliada, e assim, por muitos anos, Diana vai saciando a sua sede por livros de aventuras e semeando o bichinho da escrita.

Aos 22 anos, Diana Zimbron licencia-se pela Universidade dos Açores em Educação da Infância, ingressando na carreira de docente. Nesta qualidade, percorre várias ilhas do arquipélago tendo a oportunidade de vivenciar a “açorianidade” de cada uma delas, numa experiência absolutamente agregadora das características peculiares do ser ilhéu.

No conto “A Menina que se Picou Num Cato” a autora inspira-se na sua filha para desenvolver a personagem principal, numa narrativa que pretende ser uma mensagem para esta, mas também, um recuo às carinhosas memórias da sua própria infância, com as belas tardes a brincar no quintal das avós, as suas recomendações e conselhos profundamente enraizados na sabedoria popular, as brincadeiras de rua com os outros miúdos da vizinhança, as “papinhas de terra” para dar às galinhas – quadros próprias da tranquilidade e da segurança das crianças neste pequeno paraíso da natureza – transversal a todas estas ilhas de vulcões, mas que hoje, nesta era fortemente digital, cada vez menos crianças tem oportunidade de experimentar.

“A Menina que se Picou Num Cato” é o segundo livro de Diana Zimbron. O primeiro, foi lançado em 2014 com o título “Temporário, Permanente”. Trata-se de uma romance escrito em várias épocas da sua vida, fruto do apetito pela escrita que desde cedo foi cultivando.

Mas, o que leva uma escritora de romances a escrever histórias infantis? – “A literatura infantil surge como estratégia de motivação dos mais novos para a leitura. Criar um mundo mágico e partilhá-lo é um prazer, assim como o é a perpetuação da nossa cultura. Este conto não aparece, no entanto, de forma a responder a determinados critérios. Formou-se, desenvolveu-se naturalmente na minha imaginação, como sempre acontece”, responde a escritora à nossa interrogação, complementando, “estar embrenhada em educação ajuda nesse processo”.

Em 2016, Diana Zimbron vai residir para a ilha do Pico. Junta-se à associação MiratecArts e participa no Encontro Pedras Negras. Este evento abre novos horizontes e projetos com artistas regionais, nacionais e internacionais, ressuscitando a ambição de continuar a publicar que até então não estava completamente adormecida. É precisamente num desses encontros, que se realizam anualmente integrados no Festival Fringe, que Diana Zimbron conhece o artista holandês Pieter Adriaans responsável pelas ilustrações do livro e que segundo afirma a escritora “ler o conto sem as belíssimas ilustrações que o acompanham não seria a mesma coisa”.

“Pieter Adriaan é uma pessoa extremamente generosa com o seu tempo, o seu conhecimento e o seu talento. Não pensou duas vezes quando lhe propus que desse uma vista de olhos ao conto. Identificou-se com o que eu quis fazer e contribuiu imenso para o enriquecimento e desenvolvimento do conto através das suas ilustrações. A história brotou na minha cabeça e agora ‘existe’, foi o que pensei desde a primeira ilustração”, conta a autora ao JP.

Educadora e mãe, Diana Zimbron colabora regularmente com o jornal “Ilha Maior” da ilha montanha assinando quinzenalmente a crónica “Que história é essa?”.

O livro “A Menina que se Picou Num Cato”, que resulta, como se vê, da cooperação artística entre uma autora açoriana e um artista holandês, apresenta propósitos educativos, destinando-se a ser lido a crianças por adultos, ou por crianças como primeira experiência de leitura. É constituídos por 32 páginas, magnificamente escritas e ilustradas, numa edição da “Flamingo Editores” com um custo unitário de 10 euros.

As produções literárias de Diana Zimbron ao que parece não se ficarão por aqui. Segundo adiantou à nossa reportagem, há “imensos planos e muitos diversos”, além de uma gaveta com “um número bastante considerável de trabalhos”. O contos infantis irão continuar assim como as parcerias, mas na forja, para já, estão dois trabalhos pelos quais nutre um especial carinho e que deseja concluir nos próximos anos: “um conto – desta vez, não direcionado a crianças – algo invulgar, que já vive também graças ao Pieter e um outro, que é um romance de espionagem que está em desenvolvimento e para o qual conto com a parceria de um grande amigo”.

FS/JP