Jornal da Praia

PUB

PROVOCAR A MUDANÇA

Domingo, 13 de Outubro de 2019 em Opinião 200 visualizações Partilhar

PROVOCAR A MUDANÇA

O PSD/Açores tem de provocar a mudança. Mas para que possa fazê-lo na Região, tem de ser capaz, antes de mais, de fazê-lo no seu seio. Este não é um facto que decorra dos últimos resultados eleitorais ao Parlamento Europeu e à Assembleia da República, o que não implica que possamos dar-nos ao luxo de menosprezá-los se queremos inverter o ciclo de derrotas eleitorais a que o PSD/Açores tem sido votado.

Há, atualmente, todo um enquadramento que prejudica que o PSD/Açores possa construir um processo de mudança governativa nos Açores, a começar pela condição do seu Presidente. Não é de agora que o defendo. Já em julho passado expressei o entendimento de que a constituição de Alexandre Gaudência como arguido reduz a credibilidade do PSD/Açores, condição que se mantém. Respeitando as vozes que entendiam que esta discussão não devia decorrer às portas das eleições, postergou-se o assunto, mas, findo o acto eleitoral, o debate tem de ser retomado, até para que não se perca a janela de oportunidade ainda existente para que o PSD/Açores possa conquistar os eleitores até às próximas legislativas regionais.

Agora, a própria análise eleitoral constitui um imperativo ao maior Partido da oposição nos Açores. Pelos resultados obtidos, assim como pela displicência com que os mesmos foram abordados na noite eleitoral. O PS, nos Açores, tem vindo a perder votos, mas contrariamente ao que declarou Alexandre Gaudêncio, este facto não “deixa claramente em aberto o caminho para, nas próximas eleições regionais, retirarmos o Partido Socialista da governação dos Açores. Para que constitua uma oportunidade, é imperativo que o PSD/Açores galvanize esse eleitorado que abandona o PS/Açores. Não basta que o PS perca votos, é preciso que o PSD os recupere. E a primeira condição para que seja capaz de fazê-lo é, precisamente, não escamotear que o PSD/Açores está a perder mais votantes do que os restantes. A redução do número absoluto de votantes foi transversal a muitos Partidos, mas afetou mais o PSD/Açores, que foi o único a perder peso eleitoral, com uma redução relativa de eleitorado. Não valorizar este facto, atacando-o, é votar o PSD/Açores ao insucesso.

É verdade que a conjuntura política não era a mais favorável. Rui Rio prejudicou gravemente o PSD/Açores aquando das Europeias e isto, obviamente, teve repercussões nestas legislativas em que se apresentou como cabeça de lista nacional. Contudo, a dissensão com a Direção nacional do Partido tão clamorosamente proclamada pelo Presidente do PSD/Açores aquando das eleições ao Parlamento Europeu foi agora por si totalmente desprezada nesta última campanha eleitoral. Alexandre Gaudêncio chumbou redondamente na prova de análise e ação política, e isto tem de ter consequências.

É, pelo exposto, obrigatória a realização de um Conselho Regional para debate da atual situação política e do Partido. Conto poder estar presente, com o meu contributo ativo para que se provoque uma mudança. A mudança necessária no PSD/Açores. A mudança necessária para que o PSD/Açores volte a conquistar os Açorianos. Para que possa haver, em 2020, uma mudança política nos Açores.

Sofia Ribeiro
www.facebook.com/maisacores
sribeiro.maisacores@gmail.com