Jornal da Praia

PUB

Gustavo Moura, Decano dos Jornalistas Açorianos

Sexta, 04 de Outubro de 2019 em Editorial 321 visualizações Partilhar

Gustavo Moura, Decano dos Jornalistas Açorianos

Faleceu no passado dia 9 de Setembro, aos 85 anos de idade, Gustavo Manuel Soares Moura, que foi sem dúvida alguma um exemplo de irreverência e heroísmo contra o Centralismo do Terreiro do Paço, que governou as nossas ilhas, até à conquista da autonomia política e administrativa dos Açores.

Gustavo Moura, “decano dos jornalistas açorianos”, como salientou o primeiro-ministro, António Costa, quando lamentou a morte daquele aos mídias, nasceu a 16 de Janeiro de 1934, na freguesia de S. Pedro, concelho de Ponta Delgada e nesta cidade frequentou a Escola Primário e o Liceu Antero de Quental, onde terminou o segundo ciclo do ensino liceal, na área de letras, foi um autodidata de destacado relevo, não só na área do jornalismo, mas também das ciências humanas e políticas.

Ao longo da sua vida destacou-se de forma impar como jornalista, primeiro como colaborador desportivo no então Diário dos Açores, colaborou na secção desportiva do semanário A Ilha e colaborou na redacção desportiva do Diário dos Açores até 1966, foi também colaborador de informação desportiva do então Emissor Regional dos Açores e Director do Jornal Açoriano Oriental, o mais antigo jornal de Portugal, que na década de 70, do século passado, passou de semanário para diário devido à influência preponderante de Gustavo Moura, também foi correspondente do Diário de Lisboa, da BBC e da France Presse, “uma voz atenta e autodidata sobre os Açores para o resto do mundo”.

Homem honroso e respeitado, conquistando o respeito dos açorianos, tinha a vocação divina para esgrimir e defender a autonomia dos Açores, a livre administração das nossas ilhas pelos açorianos, e em 1975 esteve ao lado dos independentistas, na manifestação do 6 de Junho de 1975, o que lhe custou a prisão, no Verão Quente, quando pairava a ameaça de uma ditadura proletária que pretendia dominar o país, foi um preso político na cadeia de Angra do Heroísmo, vítima de acto antidemocrático do colonialismo português.

Os interesses dos Açores e dos açorianos, nomeadamente a autonomia foram sempre defendidos, procurando sempre soluções capazes de assegurar os direitos dos seus conterrâneos, apelando sempre a um profundo e exigente debate na consolidação de uma autonomia progressiva, com a esperança de que aquele desígnio, mais cedo ou mais tarde se iria concretizar.

Gustavo Moura que da lei da morte se libertou, foi alvo de muitos elogiosos comentários, nomeadamente do presidente da República, do primeiro-ministro, do presidente do Governo Regional e da presidente do Parlamento Açoriano, deixa “um legado incomparável na vida cívica, cultural e política da sociedade açoriana”.

Mas a melhor homenagem que os açorianos podem fazer a Gustavo Moura, a esse grande açoriano, sério e dedicado jornalista, é perpetuar a sua memória, consagrando-o como filho legítimo da autonomia açoriana.

A Direcção do Jornal da Praia apresenta à família anojada sinceras condolências.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com