Jornal da Praia

PUB

O ESPÍRITO AÇORIANO

Sexta, 04 de Outubro de 2019 em Opinião 219 visualizações Partilhar

O ESPÍRITO AÇORIANO

Não foi a primeira vez nem será a última que os encontros insulares com furacões se manifestam. Nos cerca de seiscentos anos da nossa formatação insular, os habitantes destas Ilhas debateram-se com vários desastres, verdadeiros cenários dantescos alguns deles, com vulcões, erupções, vilas engolidas pela terra, pela lava, mares que foram e ainda são, embora em menor grau, fábricas de viúvas piscatórias, ventos e ondas de todos os quadrantes e alturas possíveis.

Basta visitar a vasta literatura sobre a História dos Açores, para se ter um vislumbre do grande sofrimento das suas populações perante os mais variados desastres naturais.

Podemos ler narrativas em que depois dos desastres, ninguém do reino nos vinha acudir. Quase sempre entregues a si mesmas, as populações lá se erguiam de novo, enterravam os mortos e seguiam em frente com as suas vidas.

Destas espinhosas condições de vida, o espírito açoriano moldou-se, apegando-se ao sobrenatural, às inúmeras ajudas divinas, esperançando sempre que o amanhã seria melhor... quando muito, para emigrar.

Os governantes em Lisboa não ouviam as preces nem as urgências de socorro, pois que os nossos gritos eram abafados pela distância e marulhada do Atlântico.

Apenas há cerca de quatro décadas que as coisas tomaram novo e melhor rumo.

Com um regime de governo próprio, começamos a ter algum apoio imediato perante os desastres que nos assolam.

Lembro um dos primeiros desta nova Era Autonómica: A crise sísmica do 1º de janeiro de 1980. Várias Ilhas atingidas, inúmeras vidas perdidas e o desaparecimento parcial da bela cidade de Angra do Heroísmo.

O então Presidente do Governo Regional, Mota Amaral, viu-se a braços com a caótica situação e sem as ajudas de Bruxelas - que na altura eram ainda inexistentes - acudiu como pôde, tendo sido exemplar o seu empenho, dadas as condicionantes contextuais, bem como uma enorme onda de solidariedade, tanto do povo português como da vasta Diáspora Açórica espalhada pelo mundo - especialmente dos EUA e Canadá.

E cada vez mais se nota a rapidez com que o governo açoriano acode a estas situações, hoje com um leque de instituições preparadas para eventuais casos similares.

Foi o que vimos da parte de Vasco Cordeiro que desde as primeiras horas que antecederam o desastre, se deslocou com vários membros do governo espalhados por diferentes ilhas, para in loco e junto das populações, coordenarem as operações e darem o seu apoio solidário.

E note-se como o 1º ministro António Costa, em campanha eleitoral e declarando que “...se necessário, iremos às ilhas ocidentais mais afetadas, Flores e Graciosa e, se necessário, até ao Corvo eventualmente...”.

Costa trocou as gravidades: Flores e Corvo (ocidentais). O desconhecimento clássico de quem vive distanciado das geografias...

Hoje, além de um governo próprio que se inteira de imediato de toda a situação, temos os membros desse governo nas ilhas mais afetadas e, tal como o chefe, acompanhando de perto toda a situação.

Esta é, sem dúvida, uma das verdadeiras, básicas e factuais razões que justificam o ser autónomo.

E muito embora o caminho desta Autonomia seja ainda longo e penoso em reivindicações justas, nomeadamente em poderes sobre o Mar, maior retenção de impostos, política fiscal mais insular bem como muitas outras necessidades, o facto de termos governo próprio que, a seu tempo, irá apresentar em Bruxelas o total dos prejuízos agora provocados pelo ‘Lorenzo’, porque os viu e viveu pessoalmente, faz toda a diferença.

Foi responsável e solidário, Vasco Cordeiro e o seu governo, ao estarem presentes em situação tão dramática para os Açores. Tudo irá ser reconstruido. Há muito trabalho pela frente. Só que agora sabemos que somos ouvidos de imediato pelos nossos governantes, que vivem, sentem e sofrem como todos, as agruras insulares.

Este é, sem dúvida, parte integrante do Espírito Açoriano.

José Soares