Jornal da Praia

PUB

MISCELÂNEA DE VERÃO

Segunda, 30 de Setembro de 2019 em Opinião 231 visualizações Partilhar

MISCELÂNEA DE VERÃO

A greve selvagem de um grupo, comandado por um candidato partidário (PDR) que está a ser alvo de investigações criminais, por burla e outras;

É urgente que os governos tomem uma atitude diferente e se comece a revisitar as leis sobre a greve, ainda do tempo do PREC (1975) (Processo Revolucionário em Curso). São leis do século passado e de um contexto revolucionário. Nada a ver com os dias de hoje. Estão mais que ultrapassadas. Haja coragem política.

Os incêndios provocados por interesses mafiosos, com enormes verbas envolvidas, ardendo grande parte do país, semeando a morte e destruindo bens de vidas;

É essencial que a punição para atos pirotécnicos destrutivos seja muito mais severa. Tal como se encontra, é um autêntico incentivo ao incêndio.

Indo para mar alto, temos a destruição da Amazónia levada a cabo pela alta finança internacional, sob a capa do mentecapto Bolsonaro, autentico aborto de toda a asneirada que se confecionou no Brasil nos últimos anos.

A cidade maravilhosa, é hoje o maior palco de criminalidade do mundo. O Rio de Janeiro é agora a cidade mais perigosa a visitar.

“O estado do Rio de Janeiro registou no primeiro trimestre deste ano 434 homicídios em decorrência da intervenção de agentes policiais, segundo balanço do ISP (Instituto de Segurança Pública), responsável por mapear as estatísticas oficiais.”

Entretanto, em Portugal e nos Açores, continua-se a pagar a energia mais cara da Europa. Tanto a EDP como a EDA são autênticos ninhos de vespas, onde os mandantes pululam de um lado para o outro (leia-se da política para a eletricidade e vice-versa).

Sendo a energia o principal pilar do desenvolvimento económico, isto quer dizer que os Açores, apegados a Portugal, estão condenados à paralisia económica... a menos que aconteça outro golpe de estado...

Entretanto, os produtos açorianos estão na mó-de-cima.

No princípio deste milénio (2003/04), escrevi então no decano Açoriano Oriental, que os açorianos deveriam consumir os seus produtos, antes de todos os outros.

Hoje, podemos constatar que tal fato está a ser concretizado. Os nossos produtos são de qualidade.

Os turistas que nos visitam, dão preferência à KIMA e à LARANJADA sobre as variadas colas que se vendem no mercado. A cerveja ESPECIAL da MELO ABREU, vendida na garrafa conhecida como “bolinha” é valorizada pelos visitantes, que insistem em “local produts”.

Assim, a própria fábrica centenária João Melo Abreu, começa a sair da grave situação financeira em que se encontrava há alguns anos atrás.

E quem diz esta, diz muitas outras empresas que, graças ao fluxo turístico, se encontram de boa saúde.

José Soares

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 542, de 06 de setembro de 2019