Jornal da Praia

PUB

D. ANTÃO DE ALMADA – 1º CAPITÃO-GENERAL DOS AÇORES

Sábado, 28 de Setembro de 2019 em Opinião 822 visualizações Partilhar

D. ANTÃO DE ALMADA – 1º CAPITÃO-GENERAL DOS AÇORES

Há exatos 253 anos, a 28 de setembro de 1766, chegava à cidade de Angra D. Antão de Almada, 12º conde de Avranches, que fora nomeado a 2 de agosto de 1766 por D. José I, como 1º Governador e Capitão-General dos Açores. Foi mestre-sala da Casa Real, deputado e até administrador em algumas colónias portuguesas, chegando a Morgado da Casa Almada.

  1. Antão de Almada nasceu a 19 de abril de 1718, em Condeixa-a-Nova. Era filho de Luís José de Almada, 10º conde de Avranches, 13º senhor dos Lagares d' El-Rei e 8º senhor de Pombalinho e de D. Violante de Portugal. Foi meio-irmão mais novo de Lourenço Joseph de Almada, 11º conde de Avranches.

A 24 de outubro de 1756, D. Antão de Almada casou-se com a sua sobrinha D. Violante Josefa de Almada Henriques, filha e herdeira do seu meio-irmão mais velho D. Lourenço Joseph de Almada. A 2 de agosto de 1766, o decreto do rei D. José I nomeou-o 1º governador e capitão-general dos Açores. Umas semanas depois, a 28 de setembro, desembarcava em Angra D. Antão de Almada, acompanhado pelo corregedor Alexandre de Proença, com Valério José de Leão, o novo Juiz de Fora da cidade e novos magistrados e forças para as comarcas das cidades e vilas dos Açores. Segundo relatos da época, houve festejos durante 3 dias seguidos. A 7 de outubro D. Antão de Almada tomou posse do seu novo cargo.

Durante quase 8 anos, até 1774, D. Antão de Almada exerceu o seu cargo de Governador. Seguindo ordens do Marquês de Pombal, soube organizar a cidade e o arquipélago. Segundo Gervásio Lima, “começou a cidade a viver uma vida de fausto e ostentação”. Foi durante o governo de D. Antão que se começou as obras de remodelação do antigo Colégio da Ascensão, adaptando-se as celas conventuais em quartos e estabelecendo-se algumas salas para a secretaria do Governo-geral e para a Junta da Real Fazenda na Capitania-Geral dos Açores, esta última estabelecida a 24 de novembro de 1766. Nascia assim o Palácio dos Capitães-Generais, um dos atuais ex-libris da cidade de Angra do Heroísmo.

A 14 de junho de 1758 nascia o primogénito de D. Antão de Almada, D. Lourenço José Boaventura de Almada. Este foi intitulado, em maio de 1793, pela rainha D. Maria I, 1º conde de Almada. D. Antão de Almada morreu a 26 de janeiro de 1797, tendo sido sepultado na capela da família na igreja do Convento da Graça, em Lisboa.

Em 1799, em reconhecimento pelo trabalho do pai, D. Lourenço José Boaventura de Almada foi nomeado 3º capitão-general dos Açores. Teve um mandato bem aceite por todos até 1801, quando a sua esposa, D. Maria Bárbara José António da Silveira Quaresma, morreu ao dar à luz ao filho. Os anos seguintes foram marcados pelo afastamento entre D. Lourenço José Boaventura de Almada e a população dos Açores. D. Maria Bárbara José António da Silveira Quaresma foi sepultada na igreja de S. Francisco, na cidade de Angra, ao lado dos Corte-Reais, de Paulo da Gama e de Afonso Baldaia.

Lourenço José Boaventura de Almada deixou a Terceira em 1805, voltando depois à Ilha apenas quando desempenhava o cargo de deputado da Junta dos Três Estados. Foi com este cargo que depois da 1ª Invasão Francesa, em 1808, demonstrando o melhor da tradição familiar de apoio pela independência, D. Lourenço recusou-se a cumprimentar a delegação francesa. Pelo lado paterno, era descendente de D. Antão Vaz de Almada, 7º conde de Avranches, um dos vultos mais importantes da revolução do 1º de Dezembro de 1640, pois acolheu no seu palácio ao Rossio os cerca de quarenta conjurados que meteram fim ao domínio filipino.

Antão José Maria de Almada nasceu a 22 de novembro de 1801 na cidade de Angra, filho mais velho de D. Lourenço, que foi ainda cavaleiro tauromáquico e que morreu em 1815. D. Antão José Maria de Almada foi feito 2º conde de Almada, com apenas 4 anos, em 1805, mesmo antes da morte de seu pai. Tornou-se no 14º representante de conde de Avranches em França e Abranches em Portugal, senhor de Lagares de El-Rei e 11º senhor do Pombalinho.

O 2º conde de Almada foi dos primeiros alunos do Real Colégio Militar (entre 1815 a 1817) e fez o curso de bacharelato em Matemática na Academia Real da Marinha. Ascendeu ao posto de capitão de cavalaria e foi 2º tenente na Brigada Real da Marinha de D. Miguel. Tornou-se alcaide-mor de Proença-a-Velha, oficial-mor e 5º mestre-sala da Casa Real, par do reino e comendador da ordem de Cristo. D. Antão José Maria de Almada casou, a 30 março de 1818, na freguesia de Santa Isabel, em Lisboa, com D. Maria Francisca de Abreu Pereira Cirne Peixoto, senhora da então Vila Nova de Lanheses. A D. Antão José Maria de Almada sucedeu o seu filho D. Lourenço José Maria Boaventura de Almada Cyrne Peixoto como 3º e último conde de Almada. Foi D. Lourenço que cedeu as instalações do palácio da família ao Rossio, em Lisboa, para sede da Comissão Central 1º de Dezembro de 1640.

Depois da morte de D. Lourenço José Boaventura de Almada, a família afastou-se do Governo dos Açores mas os nomes de D. Antão e de D. Lourenço estão para sempre gravados nos anais da História dos Açores.

Num momento crucial para a sociedade açoriana, é bom vermos os exemplos de todos aqueles que defenderam o que acreditavam, sem medos e receios de enfrentarem os perigos. A região e o país precisam de homens de fibra, que como os Almada, souberam dizer não ao que discordavam. É o momento de nós açorianos batermos o pé pela defesa dos nossos direitos enquanto região autónoma e cativarmos todos os portugueses para a luta do interesse nacional, por um país mais justo e igualitário.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 553, de 20 de setembro de 2019.