Jornal da Praia

PUB

SERÁ O POVO QUEM MAIS ORDENA?

Sexta, 27 de Setembro de 2019 em Opinião 40 visualizações Partilhar

SERÁ O POVO QUEM MAIS ORDENA?

Na completa ausência de melhor e mais democratizada lei eleitoral em Portugal, os eleitores irão decidir no próximo dia 06 de outubro, qual o governo que querem.

Pouco servirá ouvir as promessas dos candidatos. Os assuntos são os mais variados.

Assim, ninguém poderá queixar-se deste ou daquele político. A oportunidade de punir, castigar, estará nas mãos de todos os eleitores, seja à boca das urnas - saindo de casa e ir votar - seja ficando em casa, engordando assim uma abstenção que em Portugal há muito que é obesa.

Não será fácil, a escolha dos cidadãos, mas as escolhas são decisões importantes para as vidas de todos e todas.

Ao longo desta campanha e 45 anos depois da implantação de um regime democrático, o país ainda sofre de uma forte bronquite asmática, derivado ao uso excessivo no passado da droga PREC. Os pulmões ainda se contornam com forte tosse. Os danos da altura, foram irreparáveis e a cura ainda não está segura.

O país tem de avançar para o século XXI e não será com ideologias utópicas que o conseguirá. De resto, nenhum partido político decide os grandes passos a dar. Isso é quase sempre decidido pela capital da UE, Bruxelas, ou pela capital do capital, Washington, ou pela capital das finanças europeias, Berlim, enfim, por todos esses, menos Lisboa, bordel político da atualidade.

Felizmente que a campanha terá fim em breve, fartos que estamos, não da campanha em si, mas das inverdades e promessas improváveis que nos fazem entrar pelos ouvidos.

Um Bloco de Esquerda que manipula as suas “contas certas” e que se “engana” nos vários números que apresenta ao longo da campanha. Agora até fala em “trabalho precário”. Catarina Martins não sabe que até o seu trabalho político é precário? Todos os deputados e deputadas tem que ir à luta de quatro em quatro anos para ganharem o lugar. Isso também é precariedade laboral. E ela, como todos os outros, está a lutar para continuar a trabalhar.

Um Partido Comunista, camuflado atrás de outro nome (CDU) para que a palavra ‘comunista’ não apareça no boletim de voto. Se o PAN concorre sozinho, porque não o faz Os Verdes? Enganar o “Zé Eleitorado” é a missão possível.

Partidos com prazo fora de validade no timing da História.

Num país em que os militares roubam armas e explosivos para os vender e trocar por droga e onde o ministro da defesa alegadamente é cúmplice por encobrimento dos factos e a seguir o Supremo Chefe das Forças Armadas e presidente da República, declara que nada conhecia, mesmo se o seu chefe da casa militar tudo sabia...

No país que se diz “estado de Direito”, com um sistema de Justiça a dois andamentos - um para a elite e o outro para o resto - e em que os casos podem demorar anos até prescreverem e assim, muito peixe grado sair incólume (principalmente alguns banqueiros), dos crimes e irregularidades cometidas.

Não esquecer os grandes incêndios:

“Os anos de 2003 e 2005 foram os anos mais trágicos em Portugal, arderam 425.839 e 339.089 hectares respetivamente. Em 2014, por contraste, arderam somente 19.930 hectares. Em 2016, os incêndios voltaram a Portugal com grande intensidade, após um ano chuvoso, devido às condições climatéricas extremas (temperaturas acima dos 40 graus em todo o país). Até 12.08.2016, já tinham ardido mais de 100.000 hectares, uma área superior a metade de toda a área ardida na Europa nesse ano.

O presidente da Liga dos Bombeiros, em 2015, afirmava que cerca de 75% dos incêndios florestais em Portugal são de origem criminosa e os restantes 25% são devidos a casos de negligência.”

Quando comparamos as condenações na justiça, relativas a fogos e incêndios florestais, concluímos que a legislação sobre o assunto é muito fraca. A sua fragilidade incita os criminosos a reincidirem uma e outra vez.

As alterações climáticas praticamente não foram discutidas pelos partidos. Ninguém sabe como dar a solução a este problema global.

A rebelião popular será a única saída, como está já a acontecer com milhões de jovens pelo mundo fora?

E esta lista seria extensa e exaustiva.

No próximo 6 de outubro, que cada cidadão e cidadã possa agir segundo o seu discernimento cívico e não pelas lavagens cerebrais dadas pelas forças políticas e mídias.

Não existe governo perfeito e a sociedade tem de ser governada. É este o nosso dilema.

No final e pelo menos de vez em quando, “O Povo é quem mais ordena”.

As eleições são como as primaveras: Rejuvenescem a Vida, a Natureza e a Política.

Sendo que a árvore continua. Apenas as suas folhas são renovadas...

José Soares