Jornal da Praia

PUB

MINORIAS SILENCIADAS

Sexta, 27 de Setembro de 2019 em Opinião 224 visualizações Partilhar

MINORIAS SILENCIADAS

Num regime democrático com quarenta e cinco anos, as nossas expetativas são igualmente cada vez mais exigentes no que toca ao andamento dessa mesma democracia e a sua forma de servir a sociedade.

Assim se torna fundamental criticar e opinar sobre as nossas liberdades, virtudes, progressos e, sobretudo, a defesa dos mais frágeis, daqueles que se encontram nas franjas perigosas da sociedade, gravitando sob controlo cerrado das maiorias e sem grandes expetativas de progresso, a menos que ajudados, influenciados ou inspirados pelo establishment.

A Democracia estará sempre incompleta, sendo ela própria um sistema dinâmico em constante mutação no ajuste às reais necessidades do seu principal mandante: O Povo, a Sociedade que nela insere os seus valores.

Portugal é um país multicultural. A sua identidade histórica assim o comprova. Mas no seu jeito de democratizar, deixa ainda muito a desejar na justa representatividade política das suas inúmeras minorias étnicas, culturais ou até mesmo religiosas.

A própria igualdade de género necessitou ser imposta através de uma lei, para que as mulheres pudessem estar em paridade com quem na verdade controla: os homens.

E se é verdade que as coisas desde então melhoraram consideravelmente para o género feminino, o mesmo não se pode dizer, de todo, com as minorias culturais.

Em praticamente nenhuma lista - até este momento - se vislumbram candidatos ou candidatas negros. Nas próximas eleições legislativas para São Bento, a 6 de outubro deste ano, nenhum partido teve ainda a coragem de incluir, em lugar elegível, um candidato/a negro para deputado à Assembleia da República.

No entanto e durante séculos, Portugal foi um explorador colonialista, um mercador escravagista, intermediário privilegiado com todos esses povos de África, explorando por todos os meios as suas riquezas, interesses monetários e comércio esclavagista.

As políticas de expansão oceânica, desde o Infante D. Henrique (século XV) ao Marquês de Pombal (ele próprio descendente de uma negra escravizada), que determinaria o fim da entrada de pessoas escravizadas em Portugal, estabeleceu no país um número considerável de negros. São gerações destes cidadãos que Portugal ainda se envergonha de reconhecer como seus iguais.

 “Portugal, aliás, iria revelar-se não apenas o primeiro país a exportar a força de trabalho escravo, dentro de um projeto de economia mista – resultado da coincidência de interesses do Estado, da nobreza fundiária e administrativa da burguesia comercial –, mas em empregar o serviço de cativos no seu território praticamente em todas as funções já desempenhadas por escravos desde a Antiguidade (Tinhorão, 2019:95).

É curioso pensar que, em face de um processo de branqueamento que ao longo dos séculos terá diluído o sangue de escravizados negros, exista uma significativa presença desses ancestrais na população portuguesa. Mas na verdade, a genealogia que para mim mais importa ressaltar é aquela que filia a história da escravatura com a atualidade do racismo. É exatamente desde a expansão oceânica e o tráfico transatlântico de escravizados que o negro se fixou no mundo moderno enquanto símbolo de uma sub-humanidade marcada na pele. E, nesse particular, enquanto herdeiros dos impactos do racismo de outrora, os descendentes simbólicos dos homens e mulheres que viveram em Portugal, cativos da instituição da escravatura são compostos, na sua maioria, pelos negros das famílias que vieram para Portugal das ex-colónias africanas ao longo do século XX.(Bruno Sena Martins)”.

Se é verdade que o atual sistema eleitoral não serve ‘nem a gregos, nem a troianos’, por serem os partidos a controlarem as listas candidatas, que ao menos esses partidos incluem cidadãos negros e os incitem a participar na política.

Esta prática teria uma forte incidência positiva e seria uma almofada para muitos dos problemas sociais que ainda existem nas comunidades(guetos) negras em Portugal.

José Soares

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 552, de 06 de setembro de 2019.