Jornal da Praia

PUB

A MODA DA PROTEÇÃO AMBIENTAL

Quinta, 26 de Setembro de 2019 em Opinião 103 visualizações Partilhar

A MODA DA PROTEÇÃO AMBIENTAL

O combate às alterações climáticas está na moda. Não há agente político que ouse excluir esta questão do seu discurso ou, muito menos, que se atreva a pronunciar-se contra qualquer ideia que seja apresentada como eventual contributo para a proteção do ambiente. A defesa do nosso planeta entrou na ordem do dia e ainda bem, não obstante a vacuidade de algumas medidas que nos são apresentadas.

Este parece ser um contrassenso, mas a urgência de mudarmos de hábitos a nível global (e todos nos incluímos neste grupo) justifica a importância da vulgaridade do debate, até mesmo como forma de abordar uma pré-conceção de que o combate às alterações climáticas é algo tão complexo que apenas deve envolver os responsáveis políticos de topo ou a comunidade científica. É preferível que se fale, a que se faça de conta que este é um problema de outros, e a própria discussão constitui um primeiro contributo para que se corrijam os erros de base.  

Mas a generalização do debate como primeiro passo para uma ação comum não justifica qualquer complacência com propostas vãs, demagogas ou desprovidas de fundamento técnico, principalmente se proferidas por quem tenha um dever acrescido de tratá-las com elevação e cuidado. Foi o que sucedeu recentemente com o anúncio da abolição do consumo de carne de vaca nas cantinas da Universidade de Coimbra, pelo respetivo Reitor, secundado pela declaração do Primeiro-Ministro de que faria o mesmo nos jantares oficiais. Ainda que António Costa tenha justificado tal posição com a excelência (indiscutível) do pescado português, não é de menosprezar que o tenha feito na sequência de declarações pretensamente ambientalistas de um oponente político, num debate de campanha para as próximas legislativas.

Principalmente no que interessa à defesa da proteção ambiental, não pode passar incólume este ataque ao consumo dos produtos provenientes do gado bovino, infelizmente cada vez mais massificado porque artificioso, completamente desconexo do debate de modos de produção ambientalmente sustentáveis, este sim, absolutamente necessário. Esta é uma omissão intolerável a quem tem responsabilidades científicas ou legislativas, principalmente no nosso País, que se destaca (ainda) por uma agricultura extensiva, garante principal da proteção do meio ambiente e da paisagem que nos rodeia e como contribuinte fundamental para a fixação de população no meio rural. É, assim, muito mais interessante sob uma perspetiva de defesa ambiental debruçarmo-nos mais na qualidade de produção do que no tipo de produto que consumimos. De igual modo, também fará todo o sentido que reflitamos sobre a pegada ambiental da cadeia de distribuição agroalimentar, incentivando e promovendo o consumo de produtos locais, com claros benefícios inclusive para a economia local, com reflexos diretos para a população. Embora possa parecer utópico, porquanto outrora a defesa de circuitos curtos de distribuição constituía um tabu face ao princípio da liberdade de mercado, hoje é cada vez mais defensável politicamente face ao correspondente contributo ambiental.

Sendo um imperativo comum, a moda da proteção ambiental é salutar, mas tem de se repercutir em ações concretas e eficazes. É preciso ousar, sim, mas sem esquecer que a ousadia e o populismo não são sinónimos.

Sofia Ribeiro
www.facebook.com/maisacores
sribeiro.maisacores@gmail.com