Jornal da Praia

PUB

SOBRE OS FORTES DA ILHA TERCEIRA (II)

Quinta, 26 de Setembro de 2019 em Opinião 167 visualizações Partilhar

SOBRE OS FORTES DA ILHA TERCEIRA (II)

Insisti nos da Ilha Terceira pela sua importância histórica nacional e pelo avultado número, contudo eles não são exclusivo de uma única ilha. São conhecidos o Forte de S. Lourenço, em Santa Maria, o de São Brás, em Ponta Delgada, os da Velas e da Calheta, em S. Jorge, os da Praia e de Santa Cruz, na Graciosa, o de S. Sebastião, no Faial, e certamente outos por essas ilhas abaixo.

A ocupação militar de alguns deles permitiu a desejável manutenção e conservação. O mesmo sucedendo com a utilização turística de outros, caso da Estalagem de Santa Cruz, na Horta.

Não gostaria de terminar sem deixar uma palavra de esperança para o futuro, já que se aprende muito com os erros do passado. E foram muitos indubitavelmente.

No momento em que celebramos aqui, em Toronto, o 13º Ciclo de Cultura Açoriana, espero que o 13 seja de bom augúrio (como no Totobola) e com este meio milénio de história dos Açores, deixo algumas sugestões a todos os presentes e a todos os açorianos de nascimento e de coração. A primeira reconstruir todos os fortes arruinados; elaborar monografias dos mesmos e daqueles que se encontram em bom estado de conservação. Poder-se-ia, mesmo, elaborar um futuro roteiro a ser utlizado para fins turísticos e para apoio ao ensino da História nas escolas básicas e secundárias. Desse roteiro devia constar um conjunto de elementos informativos, assim como a sua sinalização e localização para facilitar o acesso aos visitantes. Poder-se-ia também editar postais, diapositivos ou vídeos.

Numa altura em que se enfatiza o valor do turismo cultural e do património natural e arquitectónico, será legítimo e tolerável manter ao abandono essas construções feitas pelos nossos antepassados com tanto suor e entusiasmo, amor e sacrifício?!

Os Fortes poderiam constituir, também, um rico filão para os fotógrafos, cineastas, artistas plásticos, poetas e prosadores, como sucedeu com Alexandre Herculano e o próprio Nemésio com que iniciámos esta palestra.Creio que a nossa História ficaria mais conhecida, e todos nós ganharíamos, porque o conhecimento dos Açores iria contribuir para uma melhor compreensão do sentir e do agir dos que ficaram nas ilhas e dos que de lá um dia saíram, continuando sempre presas a elas.

A História já era considerada pelos Romanos como Mestra da vida (Historia magistra uitae). Sem ela nunca atingiremos a essência arquipelágica, cuja pedra angular é a diversidade e a complementaridade, apesar das distâncias que nos separam.

Cair em unidades fictícias ou desenvolvimentos harmónicos artificiais é desconhecer a realidade do arquipélago, cuja premissa primeira é a ilha e, só depois, a região. O conceito de ilha não pode, porém, ser uma limitação ou clausura. Nem um pretexto para não aceitarmos os outros e não sermos solidário com eles, vivam a escassas milhas, ou na lonjura da saudade, implantada noutra região, país ou continente.

Não é por se viver longe que se deixa de ser ilhéu ou açoriano. Muitas vezes, é-se até mais açoriano, madeirense ou português quando se vive no estrangeiro do que quando, distraidamente, se reside nos Açores, na Madeira ou no continente português. O ser açoriano é uma vivência. É acima de tudo um estado de alma.

Obrigado, pela paciência e pelo vosso interesse».

Em Toronto, Ontário, 30.09.1999

NOTA FINAL

Já terminada esta crónica, encontrei um texto que havia escrito por ocasião da abertura do trilho dos Fortes sebastianenses e que reproduzo em complemento do que se disse anteriormente: No passado dia 9 de Junho de 2016, foi aberto oficialmente o trilho dos Fortes da Vila de S. Sebastião. Não pude por motivos de pouca saúde participar na sua realização. A zona, essa, conheço-a muito bem, desde criança, e esta temática dos Fortes é-me particularmente cara. Em 30 de setembro de 1999, levei-a ao 13º Ciclo de Cultura Açoriana, realizado na cidade de Toronto, por iniciativa do Centro de Divulgação Açoriana no Canadá. A minha intervenção, nesse congresso, foi muito comentada entre os participantes. Alguns ignoravam essa rica faceta da nossa história e tão menosprezada. O título que escolhi Os Fortes da Ilha Terceira pareceu a muitos assistentes algo de enigmático. Alguns pensavam que eu ia falar de nomes sonantes da resistência terceirense e acabei por dissertar, longamente, acerca das construções defensivas que foram feitas no litoral da ilha, em zonas mais favoráveis a incursões, ataques de piratas, ou ao desembarque de gente indesejável e inimiga.

Nessa conferência apresentei algumas sugestões, como referi, na crónica anterior, e hoje de plena atualidade, algumas delas, ainda, por realizar. E concluía com a enumeração dos da Vila de S. Sebastião.

Concretamente, no caso sebastianense, mencionei além da Fortaleza da Salga, e do reduto que lhe ficava fronteiro, os Fortes das Cavalas; Caninas; Greta; Santa Catarina e um baluarte junto dos ilhéus da Mina; Pesqueiro dos Meninos e o pequeno castelo denominado de S. Sebastião; Forte de S. Francisco, que defendia toda a vasta baía até S. Fernando. Pelo número de Fortes, a Vila ficava em 2º lugar, cabendo o 1º à Praia da Vitória. O espaço não permite acrescentar mais, por agora, sobre este assunto».

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 542, de 06 de setembro de 2019.