Jornal da Praia

PUB

À TAUROMAQUIA DAS FESTAS DA PRAIA FALTOU “SOL”

Domingo, 22 de Setembro de 2019 em Opinião 317 visualizações Partilhar

À TAUROMAQUIA DAS FESTAS DA PRAIA FALTOU “SOL”

Depois das festas das Sanjoaninas que resultaram num êxito pelo seu programa e pela onda histórica, a recordar D Afonso VI, que veio habitar esta terra pelas razões que se conhecem, ora mais esclarecidas pelos colóquios que ocorreram, sobretudo no que se passou com aquele monarca naquela época, eu como aficionado, quero aqui alvitrar uma faceta que praticou nos seus princípios, talvez por ter um grande mestre de equitação no seu reinado, o Conde de Castelo Melhor, que o impulsionou a tourear a cavalo e foi pratica de mais alguns reis depois dele.

Recordamos também grandes nomes da forcadagem que nos visitou já no meu tempo de ir às corridas de toiros na Praça de São João tais com o forcado do Montijo José Luís Horta (maxinó) 1972, o forcado de Alcochete Luís Marques também 1972, os forcados Carlos Anacleto e António Taboia continentais 1973, os forcados do grupo do Ribatejo Soto Barreiros, Zita Perdigão e Celestino Sousa 1974, os forcados José Luís Horta e Francisco Costa do grupo Os Lusitanos 1975, estes forcados eram convidados para integrar com alguns elementos de cá antes da formação de o grupo de Angra, depois já na praça da ilha Terceira tem atuado grupos completos num intercambio salutar dentro na festa bravo, costumo dizer que em todas as épocas houve bons “portugueses”, se há quarenta anos atras estes forcados acima mencionados vieram cá fazer boas pegas aos toiros, este ano de 2019 foi a vez de forcados Terceirenses mais propriamente o cabo do grupo de forcados do Ramo Grande arrancar as duas maiores pegas a nível nacional, uma na praça do Campo Pequeno e na praça de Paio Pires, que ficaram imortais na memória de todos que as presenciaram e especialmente por vários critico tauromáquicos que a testemunharam a consagração do forcado cabo do grupo Manuel Pires, autor de tamanhos feitos gloriosos.

Quanto às festas da Praia da Vitória 2019 dedicadas ao mar em “Lendas de Maresia” foram pomposas logo abrir com a marcha e desfile de carros num autentico primor, é emocionante ver muitos emigrantes praienses e muito de vários lugar assistirem a festas religiosas e nos eventos tauromáquicos que se realizaram como na corrida de toiros à portuguesa com mestre António Ribeiro Telles que estive toureiro como sempre é costumo agradar bastante, João Telles teve duas lides de valor mostrando-se um lidador de ótimo conhecimento com ferros de muito mérito emocionantes, João Pamplona fez o toureio possível dadas as qualidade do toiro que lidou que em nada colaborou, falho de investida com crenças constantes, prometia na sua ultima atuação mas nada se concretizou por a chuva cair forte, foi terminada a corrida em que houve toiros que cumpriram os do Rego Botelho, e Ribeiro Telles, os de João Gaspar mais acobardados com crenças ressabiadas entraram a substituir dois dos que estavam anunciados. Nas pegas entrou primeiro o grupo de Coruche que consumou uma soberba pega das valentes à primeira tentativa, seguisse o da Tertúlia Terceirense também à primeira com uma airosa pega, o do Ramo Grande consumou à terceira tentativa por o toiro ensarilhar na reunião, as outra pegas nada à assinalar por a má condições dos toiros.

Na vertente das touradas à corda à assinalar a muita participação de povo na tourada do caminho Padre Rocha de Sousa o mesmo se passou que é sempre um movimento grande de gente que vem nessa tarde à Praia da Vitória presenciar a tourada no areal que também resultou em episódios engraçados e dar a conhecer a linda baia. Tudo isto organizado com empenho pelos membros da Tertúlia Tauromáquica Praiense e Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande e mais alguns colaboradores em que se lhe reconhece o trabalho que tiveram na promoção destes espetáculos. E assim deram a continuidade desejada em favor da festa brava.

Silveirinha

NE: Artigo publicado originalmente na edição impressa n.º 552, de 06 de setembro de 2019.