Jornal da Praia

PUB

SÃO JORGE: O DIA DA CHEGADA

Sexta, 20 de Setembro de 2019 em Opinião 109 visualizações Partilhar

SÃO JORGE: O DIA DA CHEGADA

A partida da Terceira para São Jorge era de manhã cedo, tínhamos de estar no aeroporto das Lages pelas nove horas. Não foi necessário despertador porque, como previ ao entrar no quarto do hotel da Praia da Vitória, às seis e meia da manhã era dia claro, como se estivéssemos na rua.

Chegámos ao balcão do check in com bastante antecedência. Reparei na simpatia e rigor do pessoal da SATA: como uma das malas tinha mais um quilo do que o permitido para a bagagem de cabine, mandaram-na para o porão, mas sempre com um sorriso nos lábios. O avião saiu a horas e chegámos a São Jorge dentro do horário.

O cumprimento das normas relativas ao peso das malas, fez-me perder algum tempo; quando cheguei ao guiché do rent a car, tinha três pessoas na fila. À minha frente uma jovenzinha sorridente olhava para todo o lado irrequieta. Para meter conversa, perguntei-lhe se era de São Jorge, embora fosse evidente que não era. Respondeu que não, que era de Lisboa e vinha com umas amigas passar uns dias à Caldeira de Santo Cristo. Percebi, então, a razão da pressa e informei-a: “Olhe, nós aqui nos Açores temos três velocidades: devagar, devagarinho e parado; a menina está nesta última: parada”. Ela sorriu ainda mais. Como sempre faço, quando encontro alguém que não conhece os Açores, comecei o meu discurso: que ia gostar muito; que a Caldeira era lindíssima, aliás, eu tinha nos planos lá ir; que as pessoas eram muito simpáticas e que, acima de tudo, valia a pena vir à ilha para descansar, para desacelerar; ela, que vinha de Lisboa, ia perceber isso. E, naturalmente, continuámos à espera, porque num aeroporto com tão poucos voos, o rent a car tinha apenas um funcionário para atender os clientes e entregar os carros.

Chegou a minha vez. O funcionário foi simpático, eficiente e honesto; quando me foi entregar o carro, em voz alta, ia dizendo os riscos que o carro tinha e anotando. Com pessoas assim é um prazer contactar. Meti as malas na bagageira e, como tinha ficado combinado, liguei ao sr. Lino Fonseca, nosso anfitrião. Foi pronto a atender e disse-me para seguir na direcção das Velas; estaria à nossa espera na primeira bomba de gasolina que eu ia encontrar, do lado esquerdo da estrada. Chegámos ao mesmo tempo, cumprimentámo-nos e ele disse-me para o seguir. Arrancámos. Quando saímos da estrada principal e entrámos na rua de acesso à casa, que fica no cimo dos Degraus, percebi a chamada de atenção que me tinha feito o meu amigo Onésimo Teotónio Almeida tal como um cunhado meu que lá tinha estado o ano passado: a rua desce bem. Lá fui devagarinho até à entrada da casa. Saímos do carro e ficámos estasiados com a vista. Tínhamos o Pico, com a sua montanha, à nossa frente e com São Roque junto ao mar; a nossos pés, as Velas; à direita, o Faial e os Ilhéus da Madalena a meio canal entre a Horta e o Pico. Do lado esquerdo, a ponta da freguesia da Queimada, o sítio da ilha, informou-nos o sr. Lino, onde a construção é mais cara. Ficámos a levitar, tão estupenda era a panorâmica!

Como excelente anfitrião, o sr. Lino deu-nos muitas informações sobre a ilha. Começou por dar os pontos de referência das Velas: o hotel, junto ao mar; a Igreja da Misericórdia, o Auditório Municipal, a Matriz, o Jardim, o porto e o supermercado; depois, informações sobre a ilha. Como estávamos na semana de Pentecostes, não se esqueceu de nos falar das sopas do Senhor Espírito Santo, tal como são vividas em São Jorge.

Depois de descarregarmos o carro, descemos para as Velas para almoçar. Verificámos, então, que as características da ligação da estrada principal até à casa tinham continuação no resto do trajecto até à Vila; aliás, na véspera da nossa partida do Continente, o Onésimo tinha-nos dito não conhecer nada semelhante nos Açores. A inclinação é, de facto, acentuadíssima, as curvas apertadíssimas e as rectas que as ligam não têm mais de 20 metros. Quando chegámos lá baixo, respirei fundo!

Demos umas voltas para nos orientarmos na Vila e estacionámos perto do porto. Procurámos o Restaurante Club Naval. Logo à entrada encontrei o conhecidíssimo cantador das cantigas ao desafio Bruno Oliveira, natural do Norte Pequeno. Perguntei-lhe: “é o senhor Bruno Oliveira?” Surpreendido, respondeu-me que sim. Apresentei-o à minha mulher, dizendo que há imensos vídeos no Youtube dele a cantar com o José Eliseu que, em 2000, numa festa de amigos, cantou para nós. Disse-lhe que tinha visto um vídeo da cerimónia de despedida da imagem de Nossa Senhora Peregrina na última visita à ilha (https://www.youtube.com/watch?v=mJMCav4_ZV8), em 2016. Perguntei-lhe: “o cântico é da sua autoria?” Ele ficou ainda mais surpreendido e respondeu que sim. Dei-lhe os parabéns. Pensei convidá-lo para almoçar connosco, mas não quis ser intrometido nem abusador. O Bruno Oliveira despachou-se mais cedo do que nós; antes de sair, veio à nossa mesa despedir-se; apreciei o gesto!

O almoço não foi mau. Comi uns chicharinhos fritos passados por farinha de milho, que me levaram à infância. A minha mulher teve menos sorte; pediu um franco que não estava grande coisa.

Demos, depois, umas voltas a pé pelas Velas. A vila estava limpíssima, arrumada, bem tratada; um encanto. E regressámos a casa, mas seguindo a estrada que vai para o aeroporto, para evitar subir pela rua por onde tínhamos descido. O nosso cunhado que lá tinha estado o ano passado alugou carro nas Velas e foi para casa por onde tínhamos descido; contou-nos que, quando chegou lá cima, o cheiro a embraiagem queimada era bem notório. Chegados a casa, sentámo-nos no pátio a contemplar e a fotografar a vista inesquecível que nos acompanhou duranta toda a semana e nas andanças pela costa Sul de São Jorge.

Silveira de Brito

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 552, de 06 de setembro de 2019.