Jornal da Praia

PUB

Bairrismo? Sim, obrigado!

Sexta, 20 de Setembro de 2019 em Editorial 492 visualizações Partilhar

Bairrismo? Sim, obrigado!

Temos de reconhecer dois pontos. O bairrismo faz parte do ADN dos Açorianos apesar de hoje em dia não ser tão fixe como quando se andava às brigas na escola. Depois, há muitos variedade de bairrismo: Há bairrismo entre as ilhas e o continente, entre as ilhas, e, dentro de cada ilha, entre concelhos. Deve ser uma coisa dos antepassados Lusitanos!

Não se pode confundir o bairrismo entre Lisboa e Porto, por exemplo, com a competição desportiva entre os clubes das respectivas cidades. Os bairrismos a que nos referimos é aquele em que os cidadãos do Porto reclamam mais equidade em relação aos Lisboetas, nomeadamente através da descentralização dos serviços dos Ministérios e outros organismos do Estado, como foi o caso abortado da deslocalização do INFARMED.

Por cá o mesmo se passa entre Ponta Delgada e as restantes cidades Açoreanas, nomeadamente a nossa vizinha Angra do Heroísmo, em que o Terceirense de gema reclama mais equidade, mais centralidade e mais importância política e económica: “É tudo pa São Miguel!” – Diz-se por aí.

O caso da companhia aérea SATA é clarificador. A centralização de meios em São Miguel, no extremo Oriental dos Açores, é uma escolha política, mesmo que seja mais viável/rentável a nivel de gestão. A não valorização da centralidade da ilha Terceira de Jesus Cristo vem de há já algum tempo, especialmente desde que a nova frota foi adquirida, e está para continuar – menos voos, menos pernoitas, menos passageiros, menos empregos, menos, menos... Ao contrário de São Miguel!

Existem outros exemplos em que os Terceirenses se sentem prejudicados como a transferência de competências de serviços para São Miguel (os horários dos serviços de turno da base das Lajes são aprovados em Ponta Delgada, quando sempre o foram em Angra do Heroísmo); Das escalas de cruzeiros em que mais de metade é em São Miguel; E não esquecendo as saborosas (supostas) contrapartidas da base das Lajes – o AIRCENTER em Santa Maria e os voos da DELTA AIRLINES para São Miguel.

Mas agora é que a porca torce (ainda mais) o rabo! E a nossa Praia da Vitória? A economia gerada pela base aérea sustentou durante décadas a Praia da Vitória, mas repentinamente esse investimento externo diminuiu drasticamente, arrastando uma parte da Praia consigo. Então e o nosso bairrismo? Assim por alto estão em Angra do Heroísmo a Vice-Presidência do Governo Regional, 3 Secretarias Regionais, diversas Direcções Regionais, a sede da Protecção Civil dos Açores, 2 Hospitais, 3 grandes escolas, diversos organismos e instituições com fundos publicos, e futuramente a rampa “roll on – roll off” (quiçá cais de cruzeiros?...). E na Praia da Vitória? Resignamo-nos ou somos bairristas?

Para que não se esqueçam um último exemplo clarificador. A saída forçada da Terra-Chã do Polo da Universidade dos Açores levou a que, devido à indisponibilidade de terrenos no concelho de Angra, a Santa Casa da Misericórdia da Praia da Vitória e a nossa Câmara Municipal disponibilizassem os terrenos necessários para a deslocalização sem quaisquer contrapartidas! Conclusão? Lá se conseguiu um espacinho no Pico da Urze, em Angra…

Existem serviços que poderiam ficar melhor localizados na Praia da Vitória onde estão o porto, o aeroporto e os meios aéreos. Foi alguma vez admitido construir o novo hospital na Praia? Foi alguma vez considerado transferir os serviços de Protecção Civil para as instalações da base das Lajes? Foi alguma vez sequer ponderado transferir alguma das Secretarias para a Praia da Vitória? Que se saiba não. Por isso obviamente somos bairristas!

Respeitando a proporcionalidade, mas lembrando a equidade e Açorianiedade, temos de cultivar este bairrismo saudável, entre o fanático e o indiferente, especialmente num período economicamente dificil para os Praienses. Calma e perseverantemente, com muita garra na defesa da nossa terra. Por aqui ficam a saber: Somos Açorianos, somos Somos Terceirenses mas “bairristas” da Praia! Aquele abraço Praiense!

Luís Moniz
Diretor Adjunto
diretor.adjunto@jornaldapraia.com