Jornal da Praia

PUB

PARA PENSAR E, REPENSAR... (I)

Terça, 17 de Setembro de 2019 em Opinião 105 visualizações Partilhar

PARA PENSAR E, REPENSAR... (I)

No nosso último artigo, de 29 de Julho p.p. referenciamos para “Pensar e Repensar” as próximas eleições legislativas, marcadas por Decreto do Presidente da República n.º 45-A/2019 e publicado no Diário da República, 1.ª série - n.º 146 - 1 de Agosto p.p.  Sabido de todos nós que antes destas, teremos a 22 de Setembro a Eleição para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira. Às mesmas não nos referiremos já que, no respeito que temos pela sua Autonomia, deixamos aos madeirenses o “pensar e repensar” se assim o acharem fazer, no que é seu por direito.

Para quem queira ou esteja interessado em conhecer os tramites do processo eleitoral poderá consultar a página da CNE – Comissão Nacional de Eleições onde encontrará toda a Legislação Aplicável ao acto eleitoral. Podemos afirmar que o processo por vezes se torna complexo na sua exigência o que implica terem os partidos concorrentes um “stafe”, que só, os  do arco do poder podem dispor, devido aos seus custos logísticos e número de funcionários, embora nos mesmos,  possam contar desde a apresentação  do orçamento com as subvenções do estado em função dos seus eleitos e, dos “envelopes” dos grupos económicos que esperam futuras "benesses".

Estão em linha de partida nesta corrida eleitoral, pensamos que 25 partidos. (Número de inscritos na CNE) Têm os mesmo que apresentar as suas candidaturas e seus orçamentos de campanha, junto dos tribunais de comarca até ao dia 26 do corrente, decorrendo a campanha entre o dia 22 de Setembro e 4 de Outubro.

Temos, entretanto, desde o abalar para férias das senhoras deputadas e dos senhores deputados, (como nos obrigam a definir o “género”) com o termo dos trabalhos da XIII Legislatura da democrática república portuguesa.

Como do conhecimento dos mais atentos ao processo que vimos referindo, foi um tal te avias para fechar o calendário parlamentar e, a realização do debate sobre o Estado da Nação em 10 de Julho p.p. Nos restantes dias e até ao dia 24 do mesmo, os trabalhos decorreram em sede das comissões parlamentares, com a fixação dos textos finais de “muitas” das propostas legislativas apresentadas. Propostas de última hora pois que, o assoberbado e mal pago trabalho (conforme Ferro Rodrigues, diz), os 230 esforçados trabalhadores da AR quase enviavam para as “Calendas Gregas”. Quem nos diz que algumas delas, não serão objecto de uma revisão na futura Assembleia Legislativa a XIV?

Assim, e como referíamos no nosso último artigo, embora a campanha eleitoral só comece a 22 de Setembro, já se assiste a alguma antecipada “deslocação” da sua actividade, assumida como pré-campanha.  Agosto, mês de férias, trás consigo também, esta actividade como ocupação e preparação para o regressar dos reeleitos e, a preparação dos nados-políticos do dia 6 de Outubro.

Perguntarão os leitores: - Onde se insere o “Pensar e o Repensar” proposto pelo José Ventura neste discurso? Deixai-nos adjetivá-lo como, arrazoado (razoável e prudente) conjectura.

Conforme a CNE – Comissão Nacional de Eleições, temos 25 partidos inscritos, ou seja, 24 Partidos e uma coligação (CDU) à partida. Cá pelos nossos “caminhos” temos já quase a certeza de pelo menos assistirmos ao desfile de 10 trupes do que chamamos a título gracioso de

“CIRCUS PORTUCALE”. Serão elas o PS; o PPD/PSD; o CDS/PP; o BE, a CDU (PCP/PV) o PPM as estrelas principais. O sempre presente PCPT/MRPP, o A, e o PAN. Dos outros naturalmente que aparecerão por aí a tentar seduzir algum incauto transeunte. Depois de tantos espectá-los e diversões onde a maioria dos actores eram estrangeiros em detrimento da prata da casa, nada melhor do que participar também, do famoso Circo português.

Sim reafirmamos o "epíteto" porque de ”açoreanos” e o “e” é propositadamente inscrito, nada têm do mesmo, senão o empréstimo de uma “sigla” o A.

Mais uma vez e depois da extinção do PDA, nunca mais se sentiu a verdadeira açorianidade nas “lutas partidárias” em relação às eleições para representação fora das nossas fronteiras. Isto é, para impor o nosso querer e a nossa identidade própria, de “POVO” no Parlamento Nacional, onde pontua o centralismo ou no Parlamento Europeu com o direito que nos assiste de Região Periférica.

Fique aqui sublinhado perante todos os leitores que nada pessoalmente nos anima contra Portugal ou contra as pessoas que militam nos partidos nacionais portuguese, nem tampouco com as pessoas que os representam nos Açores. Entre todos temos algumas amizades que perduram no tempo, e que gostaríamos de continuar a ter, mas desgosta-nos particularmente quando uma formação partidária como sucursal de uma sedeada no exterior, se veja inclusivamente forçada estatutariamente a apresentar uma lista concorrente pelos Açores, à aprovação de um congresso nacional onde a maioria dos seus componentes nem os Açores conhecem.

Desiludidos, quando vemos açorianos que, discordando dos seus quadros directivo- partidários, em vez de procurarem a formação de uma força política de “gene açórica” se deixem acolher nos braços de um qualquer açambarcador interesseiro.

Será que, o que aqui trazemos neste texto, não será objecto para “Pensar e Repensar”?

Não será, que com uma Autonomia cada vez mais minguada e perante a avidez descontrolada de um estado centralista (os exemplos são muitos), não estaremos a atingir o seu fim?

Será que não haverá razões, para “PENSAR E REPENSAR”

Na próxima redacção procuraremos ser mais explícitos e objectivos. PROMETO-VOS.

Entretanto, vamos continuar “pensando e repensando” Sim?

José Ventura*
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 552, de 06 de setembro de 2019.