Jornal da Praia

PUB

GOVERNO DOS AÇORES AVANÇA COM PROJETO PILOTO DESTINADO AOS MUNICÍPIOS PARA RECOLHA SELETIVA DE RESÍDUOS ORGÂNICOS

Sexta, 13 de Setembro de 2019 em No Concelho 253 visualizações Partilhar

GOVERNO DOS AÇORES AVANÇA COM PROJETO PILOTO DESTINADO AOS MUNICÍPIOS PARA RECOLHA SELETIVA DE RESÍDUOS ORGÂNICOS

O Governo dos Açores pretende desenvolver, em 2020, um projeto piloto “apoiando os municípios que pretendam iniciar a recolha seletiva de resíduos orgânicos”.

“Ainda este ano, concluiremos um processo de aquisição de 750 contentores de 800 litros destinados à deposição de resíduos urbanos biodegradáveis”, disse Marta Guerreiro, secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo, na Horta, a 11 de setembro, quando participava numa reunião com os municípios da região sobre resíduos e perímetros de proteção às captações de água de abastecimento público para consumo. Marta Guerreiro acrescentou ainda que esses contentores "serão entregues ao municípios que venham a aderir ao projeto piloto, para serem colocados junto dos ecopontos das recolhas seletivas”.

Segundo revelou o projeto será financiado pelo FEDER, no âmbito do PO Açores 2020, indicando que foi submetido junto da Comissão Europeia um projeto LIFE – o Better COMPOST – que, "sendo aprovado, nos permitirá, a partir de setembro de 2020, alargar o âmbito de atuação, uma vez que o projeto prevê um investimento de dois milhões de euros”. A titular da pasta do Ambiente adiantou ainda que no âmbito desse projeto estão também previstas campanhas de sensibilização junto das populações.

“Pretendemos perceber em que ponto está a reflexão dos municípios relativamente à recolha seletiva de resíduos orgânicos e lançar o desafio para que aderiram, já em 2020, ao projeto piloto que hoje apresentamos”, frisou, dando nota de que as recentes alterações à Diretiva de Resíduos vieram impor a obrigação de recolha seletiva de resíduos orgânicos até 2023.

No âmbito da reunião, Marta Guerreiro, reforçou a importância do cumprimento “das normas e dos critérios para a delimitação de perímetros de proteção de captações de águas superficiais e subterrâneas destinadas ao abastecimento público para consumo humano na Região", destacando as competências destas entidades em “captar, vedar e sinalizar a área afeta à zona de proteção imediata e mantê-la limpa”.

Marta Guerreiro considerou ainda que estas reuniões de trabalho são fundamentais para um trabalho de parceria, em que o executivo regional possa acompanhar e prestar apoio técnico na execução destas medidas pelo poder local.

GaCS/HMB/JP