Jornal da Praia

PUB

ALEXANDRE HERCULANO – A PASSAGEM PELA TERCEIRA

Sexta, 13 de Setembro de 2019 em Opinião 1211 visualizações Partilhar

ALEXANDRE HERCULANO – A PASSAGEM PELA TERCEIRA

Há exatos 142 anos, a 13 de setembro de 1877, morria Alexandre Herculano, um historiador, escritor e político do século XIX. Figura indelével do liberalismo e do romantismo português. Herculano teve uma pequena mas impactante presença na Ilha Terceira, o baluarte da defesa do Liberalismo em Portugal, o que influenciou a sua vida.

Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo nasceu a 28 de março de 1810, em Lisboa, e cedo demonstrou a sua aptidão pelas letras. Estudou Humanidades no colégio dos Oratorianos S. Filipe de Néry, instalado no Convento das Necessidades. O pai ficou cego e Herculano teve de desistir de entrar na Universidade, fazendo um curso prático de Comércio, estudos de Diplomática (Paleografia) e de Línguas, como o inglês, o francês, o italiano e o alemão, ou seja, uma formação mais clássica. Assim, entrou em contacto com escritores românticos, que leu, admirou e traduziu. Com inspiração no estilo romântico, começou a escrever poesia e frequentou os salões da Marquesa de Alorna. Acabou por conhecer António Feliciano de Castilho, inventor do Método Castilho de Leitura e responsável pela criação das escolas gratuitas, umas de instrução primária, outras de instrução secundária.

O sangue da juventude fervilhava e o sentimento pelos ideais da revolução francesa cresciam e consolidavam-se em Herculano. Em 1831, com apenas 20 anos, participou na tentativa falhada de derrube do regime absolutista de D. Miguel. Acabou por exilar-se em Inglaterra e depois em França, dedicando-se ao estudo na Biblioteca de Rennes, entrando em contacto com os autores franceses Thierry, Guizot, Victor Hugo e Lamennais, que fortemente o influenciaram. A sua personalidade literária começava a formar-se.

Vila Flor, D. António José de Sousa Manuel de Meneses Severim de Noronha, o novo Capitão-General dos Açores, esteve ao comando das tropas liberais aquando da batalha do 11 de agosto de 1829, a 1ª vitória liberal sobre os absolutistas. Faziam parte das suas tropas, entre outros nomes, Bernardo Baptista da Fonseca e Sousa de Sá Morais Pereira do Lago, o futuro 1º Barão de Santa Bárbara e o seu filho, António Pereira do Lago, o futuro 2º Barão da Santa Bárbara. Durante a permanência do futuro 1º Barão de Santa Bárbara na Terceira, este foi nomeado pelo futuro Duque da Terceira comandante do 7º distrito militar da ilha, com sede em Santa Bárbara. Este manteve uma boa ligação com a população, tentando manter a paz, mesmo com muitos militares repentinamente numa freguesia, o que mexeu com a economia e com a sociedade desta localidade.

Em março de 1832, Herculano entusiasmado com a oposição absolutista na Ilha Terceira, embarcou para os Açores. Queria apoiar os militares e, sobretudo, restaurar o trono para D. Maria II. Partindo de Belle-Isle-en-Mer, integrado numa divisão de emigrados políticos portugueses, da qual fazia ainda parte Almeida Garrett, chegou à Terceira a 18 de março, poucos dias depois de D. Pedro IV (que chegara a 3 de março). Herculano, em Scenas de um ano da minha vida e apontamentos de viagem, chegou a apelidar a Ilha de "rochedo da salvação", tamanha importância que tinha para o Liberalismo português.

Em abril de 1831, a partir da cidade de Angra, onde se tinha criado o Conselho de Regência Liberal do Reino (15 de março de 1830), avançou-se para a conquista das restantes ilhas para a causa liberal. Era preciso difundir o Liberalismo e trazer o restante arquipélago para o apoio a D. Maria II, antes de se passar para o continente. Quanto a Vila Flor, em nome de todo o seu empenho para a causa liberal, foi elevado, a 8 de novembro de 1832, a Duque da Terceira, ligando-se o seu futuro ao da Ilha que bem o acolhera e que tivera ao seu lado.

No dia de 6 de abril, Alexandre Herculano partia da Ilha Terceira. Herculano passou 18 dias em solo terceirense, onde completou os seus 22 anos, tendo depois embarcado para S. Miguel, onde esteve 82 dias. Durante 100 dias, esteve nos Açores, lutando pelo Liberalismo e pelos ideais que acreditava. Herculano foi um dos 7 500 “Bravos do Mindelo”, que desembarcaram na praia de Arnosa de Pampelido, e participando, assim, no cerco do Porto. Em recompensa pelo seu empenho como soldado, foi nomeado, em 1833, 2º bibliotecário da Biblioteca Pública do Porto, procedendo à sua organização.

Após o fim da Guerra Civil, Herculano colaborou no Repositório Literário (1834-1835) com vários artigos, em que teorizava o romantismo. Em 1836, seguiu-se a primeira série de A Voz do Profeta e no ano seguinte, fundou a revista O Panorama, que dirigiu (1837-1839), com o objetivo de divulgar a estética romântica, publicando as suas primeiras narrativas históricas. Em 1839, Herculano saiu d’ O Panorama e foi nomeado bibliotecário-mor das Reais Bibliotecas das Necessidades e da Ajuda, tendo iniciado uma profunda pesquisa de fontes históricas, que resultou nas Cartas sobre a História de Portugal, e, mais tarde, os 4 volumes da História de Portugal, onde negou o “milagre de Ourique” (segundo o qual Deus tinha aparecido a D. Afonso Henriques, incentivando-o a vencer a Batalha de Ourique). Em 1844, publicou uma das suas obras de referência, o romance histórico Eurico, o Presbítero, onde falava da história dos amores entre Eurico e Hermengarda, na Península Ibérica do século VIII.

Alexandre Herculano chegou a ser eleito deputado pelo Porto em 1840, mas desiludido com a vida política, retirou-se para uma quinta em Vale de Lobos, nos arredores de Santarém, onde exerceu um autêntico magistério moral sobre o País, sobretudo devido ao carácter e aos valores que sempre defendeu ao longo da vida. D. Pedro II, imperador do Brasil, filho de D. Pedro IV, chegou a visitar Herculano na sua casa em Vale de Lobos, mostrando a importância simbólica do antigo soldado do pai.

Alexandre Herculano morreu em 1877 e foi sepultado no Mosteiro dos Jerónimos. Deixou-nos vastíssima obra, essencial para o estudo do romantismo e do século XIX. Herculano foi um dos heróis do Liberalismo, e com o companheiro de viagem para a Terceira Almeida Garrett, foi uma das figuras fundadoras do romantismo em Portugal e um dos poucos que soube levar uma vida digna do estilo literário que tanto amava e que tão bem divulgara.

É necessário acordar o nosso espírito combativo e o sentimento de luta, não só pela Liberdade, mas sobretudo pela Igualdade, pela Solidariedade e pela Fraternidade. É o momento de remarmos pelo que acreditamos, pela justiça, pela verdade, pela liberdade…

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 552, de 06 de setembro de 2019.