Jornal da Praia

PUB

FAROL DA PONTA DA BARCA

Quarta, 11 de Setembro de 2019 em Opinião 50 visualizações Partilhar

FAROL DA PONTA DA BARCA

Quem vive neste planeta, quem pisa a Terra necessita de estar alerta, e de orientação, à semelhança dos navegantes que precisam de faróis, de que se apresenta na fotografia um exemplo, proeminente na baía da Ponta da Barca, na costa noroeste da Ilha da Graciosa, e que é constituído por uma estrutura elevada, contendo um potente dispositivo luminoso sobre uma torre. Alerta, para não se deixar levar pelas incongruências da vida, que lhe podem causar demasiado stress, e orientação, para ser capaz de em cada momento escolher o caminho mais ajustado ao seu percurso. E temos de nos dar por felizes porque o ser humano possui uma tendência inata para a aprendizagem, não obstante algumas pessoas não a saiba valorizar, e naturalmente não faça o mínimo esforço para a estimular.

Em termos um pouco grosseiros, e para melhor se perceber o que se pretende, podemos dizer que a utilização do TIS, que referimos nos últimos Cantinhos, é semelhante aos treinos que os treinadores de futebol recorrem sempre que a sua equipe se vai confrontar com um adversário, ou seja, com outra equipe. E a ideia que há, é que, quanto mais se treina, mais se está em condições de obter um bom resultado, embora isto não seja garantido em muitos casos, porque o adversário pode ter feito o mesmo. Também uma criança, quando vai fazer uma prova necessita de se preparar para a conseguir ultrapassar com bons resultados. Mas quando se faz aquilo que se tem de fazer, o incómodo, o stress fica sempre diminuído, e consequentemente estamos em melhores condições de enfrentar o dia seguinte.

Com a utilização do TIS é possível pensar e viver melhor. E compreender que frequentemente o problema que enfrentamos pouco tem a ver com os outros, com as coisas em si, ou com o momento que se está a travessar, mas sim, e unicamente, com a nossa mente, a dificuldade que muitos de nós sentimos em a dominar. Daqui a importância de apresentar mais elementos sobre o que se pode fazer em cada uma das fases TIS, mencionadas no Cantinho anterior, agora de acordo com Meichenbaum & Cameron (1983). Começando pela primeira, a da preparação para o stressor, também conhecida por conceptualização interessa: (1) circunscrever as determinantes do problema, reconstruir a sua imagem, e observar o que se poderá passar, (2) distinguir entre a falha de realização e o défice de aptidões; (3) formular o plano de tratamento através da análise das tarefas que esperamos; (4) introduzir um modelo conceptual integrativo; e (5) treinar-se a analisar o problema.

Na segunda, a da aquisição e consolidação de aptidões de treino vale: (a) o treino instrumental de aquisição de aptidões de lidar, como a comunicação, a afirmação, a resolução de problemas, a parentalidade, o estudo de aptidões; (b) o treino de aptidões de lidar paliativas como tomar a perspectiva, a diversão da atenção, o uso de apoios sociais, a expressão de afectos adaptativos, a relaxação; (c) o desenvolvimento de um reportório extensivo de respostas de enfrentamento para facilitar uma reacção flexível; e (d) a promoção de uma interacção suave, e de execução de respostas de lidar através da imaginação, inversão de papéis e auto-instrução para desenvolver mediadores que as regulem.

Finalmente, na última fase, a de treino e aplicação, provoca-se a utilização de aptidões por meio: (1) do uso dos primeiros indícios de stress como sinais para lidar; (2) da antecipação de situações de stress, com encenação e ajuda a alguém com problema similar; (3) da adopção de uma atitude de encenação; e (4) da exposição de forma graduada a treinos de lidar com stressores. E recomenda-se um esforço pela manutenção e generalização: (a) da construção de um sentido de auto-eficácia, em relação a situações que se avalie como de elevado risco; (b) do desenvolvimento de estratégias com vista à recuperação das falhas ou recaídas; e (c) da revisão das possíveis ajudas ou acompanhamentos necessitados.

Está claro que existem também orientações gerais de treino que será apresentadas no próximo Cantinho.

Referências:
Meichenbaum, D., Cameron, R. (1983). Cognitive Behavior Modification. New York: Plenum Press.

Aurélio Pamplona

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 542, de 06 de setembro de 2019.