Jornal da Praia

PUB

Autonomia

Sexta, 06 de Setembro de 2019 em Editorial 228 visualizações Partilhar

Autonomia

Perante a atitude megalómana e mercantilista do Sr. Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos da América do Norte, ao pretender comprar a Gronelândia, no âmbito de uma visão americana que não é nova, a Primeira-Ministra Dinamarquesa Mette Frederiksen, alertou o Presidente dos Estados Unidos da América que não estava interessada em discutir com aquele uma eventual proposta de venda da Gronelândia, e que quem mandava na Gronelândia eram os Gronelandeses, que por sua vez manifestaram o seu repudio a tal negociata, afirmando que a Gronelândia não estava à venda, posição secundada pelo Governo Autónomo da Gronelândia, um governo praticamente soberano.

As motivações do Presidente Trump, flutuam como os icebergs, a massa maior está escondida debaixo de água e só uma parte dessa massa é visível, é aquela que está acima da linha de água, o que é próprio de um homem de negócios.

A Gronelândia é a maior ilha do mundo, sendo um território autónomo e ligado ao reino da Dinamarca, com cerca de 57.000 habitantes e que em matéria de relações internacionais não são comandados pelo Governo Dinamarquês, mas na sua maior parte conduzidas pelo Governo Autónomo, com sede em Nuuk. A Gronelândia foi o primeiro território a separar-se da União Europeia, fazendo tratados sobre diversos assuntos económicos, políticos e culturais com o Canadá, a Rússia a Islândia e as ilhas Faroé.

A Gronelândia tem uma posição estratégica invejável e a base aérea de Thule – agora denominada de Qaanaaq - espera-se que se converta numa estação de rastreamento de satélites ligada às Nações Unidas, e desde 1951, que nesta base aérea se encontram estacionados militares norte americanos, com base num tratado estabelecido entre a América e a Dinamarca após a Segunda Guerra Mundial.

Numa altura em que nos Açores se fala muito sobre autonomia, o seu aperfeiçoamento, a sua restruturação, temos sem dúvida um padrão exemplar de autonomia política e administrativa a explorar que é a da Gronelândia, mais progressiva, democrática e eficaz do que a nossa, de modo a construirmos um caminho que deve ser seguido, quer para as gerações actuais, quer para as gerações futuras, tenham melhores condições de vida e bem estar, e de uma justiça social equitativa e igualitária a materializar-se de forma perene.

Assim sendo, a nossa autonomia tem que ser muito mais ampla, progressiva e respeitada pelo Terreiro do Paço, libertada de tiques colonialistas, para também podermos afirmar que quem manda nos Açores são os Açorianos, como já há muito tempo vem sucedendo com o povo da Gronelândia.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com