Jornal da Praia

PUB

O PADRE FRANCISCO ROGÉRIO DA COSTA – CÓNEGO HONORÁRIO DA SÉ

Quinta, 05 de Setembro de 2019 em Opinião 1390 visualizações Partilhar

O PADRE FRANCISCO ROGÉRIO DA COSTA – CÓNEGO HONORÁRIO DA SÉ

Há exatos 197 anos, a 5 de setembro de 1822, nascia o terceirense Francisco Rogério da Costa, pregador régio, orador sacro e cónego honorário da Sé Catedral, foi vigário da paróquia da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Angra do Heroísmo.

O Padre Francisco Rogério da Costa nasceu em Angra. Pouco ou nada se sabe da sua infância e juventude, contudo quando se tornou padre, ficou conhecido pelos seus dotes de oratória, tornando-se professor em temas teológicos. O seu poder de incentivar e inflamar a população em termos religiosos levou a que se tornasse o primeiro orador sagrado açoriano, sendo ouvido em muitos dos púlpitos das Igrejas e Ermidas da Ilha Terceira, assim como em outras ilhas açorianas.

Depois de uma passagem pela Graciosa, em 1856, o Padre Francisco Rogério da Costa tornou-se vigário da Igreja de Nossa Senhora da Conceição. A 1 de novembro de 1858, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição recebeu a visita do Infante D. Luís, irmão do então rei D. Pedro V, o Esperançoso. Apenas 3 anos depois, em 1861, o Infante D. Luís tornava-se Rei de Portugal. Durante a visita do ainda Infante, o Padre Francisco Rogério da Costa procurou que se mostrasse a grandiosidade das festividades locais. Foi com ele que se criou as festividades da Primeira Comunhão, assim como de Nossa Senhora de La Salette, que rapidamente chegaram a outras ilhas.

A 31 de maio de 1862, Francisco Rogério da Costa criou a Arquiconfraria do Coração de Maria na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, ou seja, tornou-se o primeiro padre a estabelecer o culto do Mês de Maria nos Açores, devoção que atingiu todo o arquipélago açoriano. Foi feito cavaleiro da Ordem de Cristo, da Imperial Ordem de Nosso Senhor Jesus Cristo (Brasil) e de Nossa Senhora da Conceição. Tornou-se Pregador Régio.

O Padre Francisco Rogério da Costa foi também um homem da Cultura e da Escrita, tendo trabalhado para vários jornais angrenses. Entre 1866 e 1869 escreveu no periódico A Trombeta Açoriana, já entre 1876 e 1886 esteve n’O Católico. Muito mais deixou escrito mas quase todo este trabalho continua por estudar e publicar. Trabalho que esperemos que seja feito logo que se possa, para não se perder a memória deste ilustre açoriano.

A 2 de junho de 1867, o Padre Francisco Rogério da Costa organizou uma grande procissão na sua paróquia de Nossa Senhora da Conceição para acalmar o medo da população com a crescente atividade sísmica ao largo da Serreta desde 1866, mas que ganhava novos registos vulcânicos em maio/junho de 1867. Segundo a tradição, a 31 de maio de 1867, realizou-se, na Serreta, a Procissão dos Abalos, na qual foram transportadas as coroas do Divino Espírito Santo dos Altares até à freguesia vizinha do Raminho, juntando-se as coroas de ambas as localidades. Uma procissão idêntica foi organizada na freguesia das Doze Ribeiras e na Serreta, encontrando-se ambos os cortejos em direção ao Cabo do Raminho, onde se organizou uma missa campal, no local onde hoje foi erguido um cruzeiro a assinalar o evento.

A 1 de junho deu-se novo tremor de terra, mas este mais violento, durante o qual ficou destruído vários muros e muitos dos edifícios que ainda não tinham caído ao longo do ano de atividade sísmica. Daí se percebe o medo da população e daí ter-se organizado a procissão do Padre Francisco Rogério da Costa em Angra do Heroísmo para acalmar os locais e sossegá-los, que estavam protegidos por Deus.

Uns anos depois, na ilha de São Jorge, no concelho das Velas, na freguesia de Manadas (também chamada de Santa Bárbara), o Padre Francisco Rogério da Costa celebrou missa, a 9 de setembro de 1880, na recém-recuperada ermida da Fajã das Almas. O Padre Francisco Rogério da Costa morreu a 28 de agosto de 1886, pobre, depois de ter dado todos os seus bens para os que mais necessitavam. Uma placa em sua memória encontra-se na Igreja de Nossa Senhora da Conceição.

Atualmente a História de Francisco Rogério da Costa é conhecida por alguns. Devemos incentivar para que a sua vida deixe de estar apenas no memorial da Igreja da Conceição e passe para a memória de todos os terceirenses. São os feitos destes grandes homens, que não tiveram medo de lutar pelo que acreditaram, para quem devemos olhar e com devemos “aprender”. É na crise que se encontra soluções para os problemas tal como fizeram muitos dos nossos antepassados, é tempo de fazermos o mesmo e continuarmos a ajudar a Terceira a crescer e a evoluir.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 551, de 23 de agosto de 2019.