Jornal da Praia

PUB

A LEI DE MURPHY

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 41 visualizações Partilhar

A LEI DE MURPHY

Quantos de nós fomos já confrontados com a Lei de Murphy? Quando queremos que tudo corra muito bem e, azar dos azares, não só corre mal como pessimamente?!

Acontece quando a torrada cai no chão com a parte da manteiga virada para baixo, quando temos uma ocasião especial e, noutra qualquer, tudo corre com tranquilidade e naturalidade, mas no tal momento tudo sai ao contrário. Contratempos, erros, cuidados a mais ou a menos… É como aquela expressão “pior a emenda que o soneto”.

Na verdade, a Lei de Murphy parece ter alguma base científica, pois o pensamento atrai o que acontece à nossa volta. Se pensarmos positivo e assim agirmos, tudo (ou quase tudo) será como queremos. Por outro lado, se formos pessimistas e negativistas… Ups! Acontece o que não é suposto.

Esta lei assenta na premissa de que “se alguma coisa pode falhar, assim será” e deriva do nome do engenheiro aeroespacial Edward Aloysius Murphy que, em 1949, descobriu que os elétrodos de um equipamento que media os efeitos da aceleração e desaceleração em pilotos estavam mal conectados e, logicamente, o equipamento não poderia funcionar bem ou ter os resultados desejados. Desde então vários são os exemplos desta lei. Por exemplo, enquanto escrevia este artigo, imaginem, o computador bloqueou e não consegui imediatamente dar seguimento ao que queria escrever.

Na minha vida, como nas vossas certamente, há marcos que foram sem dúvida efeitos deste processo… Há 8 anos atrás, a escalar na rocha caí e fiz uma entorse no pé direito por inversão e eversão. Lindo! Não parti o pé, não fiz uma “simples” entorse, mas sim uma dupla. Se é para ser, que seja aos pares e, assim, fiz esta lesão grave e não muito comum. Isto passou-se duas semanas antes das férias do Natal, pelo que, como podem perceber, fiquei de perna estendida, inapta e sem autonomia em termos de locomoção durante todo esse período. Nessa altura, numa das vezes em que ia de carro à fisioterapia, conduzida pelo meu pai, ao fechar a porta do carro… esta ganhou vontade própria e fechou-se-me mesmo em cima da unha do polegar esquerdo. “Sinceramente” – pensei – “alguém fez vodu comigo! O que mais me irá acontecer??” Se eu sentia que as massagens na planta do pé eram dolorosas, acreditem que as da unha (que ficou roxa e, obviamente, caiu algum tempo mais tarde), eram agudas, de cortar a respiração (literalmente). Antes desse mês fatídico, o do Natal (que normalmente é o da festa da família), o anterior foi psicologicamente pior, muito sofrido e doloroso, pois a minha grande amiga felina, companheira fiel, morrera de uma doença prolongada. Acompanhei-a em todo o processo e estava com ela aquando do seu último suspiro. Nesses meses, como podem imaginar, não tenho dúvida de que tudo o que tinha para correr mal, correu efetivamente.

Às vezes, sentimos também que as coisas não estão perfeitas o suficiente e a nossa tendência é fazer, treinar e exigir mais. O que acaba por acontecer é que o que estava bom (mas não ótimo, aos nossos olhos) torna-se medíocre. São os extremos a funcionar… Tudo ou nada! É como a história da Gata Borralheira cuja metamorfose originou a Cinderela. Mas neste caso, é mais ao contrário, pois existe tudo para correr bem e ainda assim as coisas correm mal.

É importante contrariar esta tendência pessimista e acreditar que tudo vai correr bem, mesmo que não seja o que tínhamos idealizado. O importante mesmo é invisível aos olhos e à crítica ou avaliação alheia. O que merece atenção é o sentimento puro que nos une a todos, independentemente da situação.

De entre os leitores alguns haverá, com certeza, que já tiveram a experiência de participar num bailinho de Carnaval, numa atuação musical, numa apresentação profissional… Quantas vezes o ensaio geral corre mal e no “tal dia”, na “tal ocasião”, as coisas correm lindamente? Recordemos esta memória, mais do que aquelas de Murphy, pois a força do nosso pensamento pode ser usada tanto para o yin (escuro), como para o yang (luminoso). E que consigamos aplicar esta ideia no nosso quotidiano, sobretudo quando “aqueles insetos” de nome “contratempos” nos picarem, procurando envenenar o nosso final feliz.

Joana Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 551, de 23 de agosto de 2019.