Jornal da Praia

PUB

SOBRE OS FORTES DA ILHA TERCEIRA

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 39 visualizações Partilhar

SOBRE OS FORTES DA ILHA TERCEIRA

Ultimamente, muito se tem dito e escrito sobre os Fortes da Ilha Terceira. Gostaria de recordar que este problema me vem interessando desde há mais de 35 anos, altura em que fui convidado pelo Dr. Manuel Baptista de Lima para aderir à “Associação Amigos dos Castelos e Fortalezas”.

Sobre este assunto, para além do artigo «As pedras que falam na Terceira», publicado em A União (14.09.1991), proferi uma conferência intitulada «Açores 500 anos de História—Os Fortes da Ilha Terceira», em Toronto, Canadá, no ano de 1999, aquando do 13º Ciclo de Cultura Açoriana. Trata-se de um trabalho de treze páginas A 4, do qual reproduzo «ipsis verbis» as últimas três, pelo interesse e oportunidade que continuam a ter as afirmações aí registadas.

Para melhor compreensão da transcrição, segue um pequeno resumo da conferência, que foi distribuído aos OCS:

«O autor partindo duma citação do Corsário das Ilhas, de Vitorino Nemésio, segundo a qual os Açores são um porta-aviões de seiscentos quilómetros, sublinha a vocação histórica que tornou o arquipélago num entreposto e traço de união entre povos e continentes, desde as primeiras expedições quatrocentistas para o Novo Mundo até à actualidade.

Frisa o papel da cidade de Angra como escala das grandes frotas da carreira das Índias e das Américas, mormente do Brasil. É sublinhado também o fluxo emigratório dos Açores para o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e para a costa leste dos EUA, no auge da baleação, bem como para o continente africano em meados do século XX.

Centrando a exposição na grande importância geoestratégica, aborda a história dos Açores em três períodos, nos quais desempenharam um papel singular as fortalezas militares açorianas, com especial destaque as da Ilha Terceira. Esses períodos são as primeiras incursões dos corsários e piratas, que afectavam não só o comércio mas também punham em sobressalto as populações das ilhas e as tripulações dos barcos. Mas os dois períodos mais desenvolvidos são o século XVI e o séc. XIX. Neles são analisados os sistemas das fortificações, a indicação dos fortes e sua relevância nas lutas contra os castelhanos, e, mais tarde, contra os miguelistas, sobretudo os fortes da Praia da Vitória. Na terceira parte, é enfatizada a riqueza desse enorme espólio do qual pouco resta, devido ao desinteresse das entidades públicas e dos cidadãos, sendo deixadas algumas sugestões pelo conferencista.

Termina a sua intervenção com várias considerações sobre a importância da nossa história insular, que contribuirão para aprofundar a essência da realidade-arquipélago, cuja premissa primeira é a ilha e só depois a região».

PATRIMÓNIO PERDIDO E RECUPERÁVEL

Embora a grande maioria dos históricos Fortes da Terceira não seja de possível recuperação, por deles já nada existir, outros há que poderiam ser reabilitados e constituir um património histórico, militar e turístico. Conviria evocar, aqui e agora, os casos das Pirâmides do Egipto e dos Castelos e Fortes de França, que constituem grandes trunfos turísticos. No caso do litoral, veja-se o que fizeram os Franceses em Saint- Malo com a sua cidade corsária, atente-se na importância desempenhada pelo «Conservatório do Litoral» na preservação do património natural e cultural das costas francesas.

Infelizmente em Portugal muito há ainda a fazer. É preciso sensibilizar o grande público e os jovens. Não basta publicar artigos em revistas da especialidade que poucos lêem. Os órgãos de comunicação social de massas poderiam dar uma ajuda inestimável na preservação do nosso património. Alguns têm-no feito ainda que episodicamente. Contudo, é necessário abordar essas questões de forma contínua e com objectivos pedagógicos e cívicos.

Não sei se foi há 15 anos que preenchi uma ficha de adesão a uma associação intitulada Os Amigos dos Castelos e Fortalezas, quando dirigia um periódico nos Açores. O convite foi-me feito pelo saudoso Dr. Baptista de Lima que, durante três décadas e meia, desempenhara proficientemente as funções de director do Museu de Angra do Heroísmo. Em Setembro de 1991, abordei através das páginas de A União, vespertino centenário angrense, a questão dos Fortes, essas pedras que falam. Desse longo artigo, extracto as seguintes passagens: «Mas voltando aos nossos monumentos litorâneos, devo dizes que é confrangedor vermos o estado de total abandono dos nossos Fortes: o situado a oeste da baía das Mós ou da Vila, como aparece nalguns mapas, foi derrubado pela fúria das ondas e lá continua emborcado sobre a areia, como quem sofre de dores intestinais. Hoje, o seu único préstimo é servir para os banhistas e alguns surfistas apanharem os apetecíveis banhos de Sol; o situado a sul, junto à Poça dos Faroleiros, o histórico Forte de Santa Catarina, serve de abrigo e até de retrete a alguns campistas…».

De um espólio riquíssimo já pouco resta e não se percebe o desinteresse das entidades públicas e dos cidadãos que, inconsciente ou distraidamente, não têm exigido das autarquias locais e departamentos governamentais a condigna defesa do que é nosso e que deveríamos preservar para os nossos vindouros… Os nossos fortes estão a seguir o exemplo dos nossos moinhos de vento e das azenhas, a morrerem ingloriamente apesar dos milhões e milhões de contos concedidos pela CEE e pela Base das Lajes. Felizmente, no meio de tanto desleixo, incúria e ingratidão, repetidos e consentidos durante décadas e séculos, ainda alguma coisa se poderá fazer, se houver vontade e determinação. Sublinhe-se a boa conservação dos dois Castelos de Angra, do Forte de Santa Catarina, da Praia da Vitória, ou do Negrito».

Exceptuando meia dúzia de pessoas interessadas pela problemática das Fortalezas e Castelos, entre as quais Valdemar Mota e o Tenente Coronel Manuel Faria, que ultima uma longa monografia dos Fortes da Ilha Terceira, a ser publicada muito brevemente no Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, o grande público ainda não assimilou a importância da temática que aqui trouxemos a este 13º Ciclo Açoriano de Cultura. Mais grave ainda, é a posição de alguns que alimentam discussões estéreis, à volta da marina de Angra, e da utilização do Castelinho como unidade hoteleira das Pousadas de Portugal, ou espaço cultural para a cidade património.

Passaram-se longos meses, em explorações subaquáticas, para gáudio e proveito de uns poucos. Tem-se falado, e bem, acerca do património baleeiro dos Açores, para o qual o Executivo de Carlos César concedeu recentemente 15 mil contos, destinados à reparação de 15 botes baleeiros e seis lanchas nas ilhas Terceira, Faial, Pico e S. Jorge. A arte da baleação, como actividade económica, foi extinta há já alguns anos, registando-se, actualmente, a promoção de roteiros turísticos para a observação de cetáceos (Whale Watching) nos mares das nossas ilhas.

Não haverá maneira de se fazer algo em prol dos Fortes açorianos? (CONTINUA).

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 551, de 23 de agosto de 2019.