Jornal da Praia

PUB

CASTELOS NO AR

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 33 visualizações Partilhar

CASTELOS NO AR

Não há dúvida que a construção de muralhas e de fortificações, resultado da necessidade do homem se proteger e defender do seu semelhante, e até da expansão da humanidade, foi uma actividade ligada às carências de segurança que se estenderam por todo o mundo, dando origem a estruturas específicas, nomeadamente povoados fortificados, acampamentos militares e castelos amuralhados. Entretanto não podemos confundir o que se passa no ambiente que nos rodeia, e que até está também em constante evolução, com o que se acontece em nós. E o que se passa em nós, e que merece a nossa melhor atenção, é que é fundamental em cada momento abrirmos as portas aos outros, não nos isolarmos, e sermos capazes de nos guiar pela proactividade, i. E., a capacidade de ser capaz de ter boas relações e iniciativas eficazes e responsáveis.

Justifica-se assim que se esclareça um pouco mais sobre a importância da recorrência ao TIS, referido no Cantinho anterior, para nos tornarmos mais capazes de enfrentar as situações difíceis e inesperadas. Para começar afirme-se que o TIS abrange habitualmente três fases, interligadas e sobrepostas: (1) uma fase conceitual, educacional e de preparação para enfrentar o stressor, onde se toma conhecimento da variedade de técnicas, défices a ultrapassar, e estilos de respostas característicos a utilizar; (2) a fase de aquisição e consolidação de aptidões de enfrentamento, e de lidar com as situações pessoais e interpessoais que recaem sobre nós, em paralelo com a remoção das barreiras sistémicas que possam existir nestes campos; e (3) fase de treino, e de aplicação, que inclui as oportunidades para a desenvolver as capacidades de enfrentamento, de forma gradual, em níveis cada vez mais exigentes de stress.

Antes de pormenorizarmos mais alguns elementos sobre estas três fases apresentam-se alguns exemplos de auto-afirmações de enfrentamento que são habitualmente treinadas nos ensaios para a inoculação de stress, sobre os quatro temas que se indicam a seguir (Meichenbaum, 1977). Primeiro - preparação para um stressor: (1) necessitamos de saber o que temos de fazer; (2) é sempre possível estabelecer um plano para lidar com o problema; (3) pensemos somente no que temos de fazer acerca disso, o que é melhor do que ficar ansioso; (4) recusemos a utilização de auto-afirmações negativas, antes empenhemo-nos somente em pensar racionalmente; (5) nada de aborrecimentos, visto que estes não ajudam nada; e (6) possivelmente, o que pensamos que é ansiedade é ânsia de nos confrontarmos com o stressor.

Segundo – confrontação e domínio do stressor: (a) precisamente avaliemo-nos pelo máximo, visto que somos capazes de enfrentar este desafio; (b) podemo-nos convencer a fazer isso, e a raciocinar sem medo; (c) podemos dominar a situação, dando um passo de cada vez; (d) não pensemos no medo, mas somente no que devemos fazer, no que é relevante; (e) a ansiedade é o que os doutores dizem para nos lembrarmos do que sentimos, uma lembrança para utilizarmos nos exercícios de lidar; (f) a tensão pode ser um aliado, um sinal para enfrentar o problema; e (g) vamos relaxar para nos controlarmos, e respirarmos profunda e lentamente.

Terceiro – lidar com os sentimentos de estar a ser sobrecarregado: (1) quando o medo chegar fazemos uma pausa; (2) conservemos a focalização no presente, naquilo que temo de fazer; (c) classifiquemos o nosso medo numa escala de 1 a 10, e observamos a mudança; (d) não devemos esperar que o nosso medo suba; e (e) não vale tentar eliminar o medo totalmente, mas sim conservá-lo manejável.

Quarto - reforço de auto-afirmações: (a) funcionou, nós fizemos isso; (b) esperemos, até que possamos apregoar isto; (c) não foi tão mau como estávamos à espera; (d) fizemos mais do que era previsto, com base no nosso medo, (e) o problema reside nas nossas ideias desajustadas, dado que quando as verificamos, controlamos o nosso medo; (f) fica tudo mais fácil quando repetimos estes procedimentos; e (g) vamos ficar contentes com o progresso que estamos fazendo.

Naturalmente que estas afirmações de enfrentamento deverão ser acompanhadas doutras técnicas, nomeadamente dos treinos de asserção e de relaxação.

Aurélio Pamplona

Referências:
Meichenbaum, D. (1977). Cognitive Behavior Modification. New York: Plenum Press.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 551, de 23 de agosto de 2019.