Jornal da Praia

PUB

O REGRESSO À INFÂNCIA, AGORA CRESCIDA

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 37 visualizações Partilhar

O REGRESSO À INFÂNCIA, AGORA CRESCIDA

---------------------------------

Há momentos que nos enchem por dentro. São aqueles em que vestimos a camisa de dormir da mãe e pernoitamos naquela casa que será sempre o nosso ninho.

Por muitos anos que passem, há sempre um carinho especial quando voltamos à nossa infância. Acordamos numa constelação de recordações, num lugar quase esotérico que nos conhece e acolhe sempre. O cheiro do calor, os sorrisos, as almofadas que são nuvens num céu de estrelas.

Já crescida, gosto sempre dos farrapos que nunca ganham traça.

Gosto de sentir os pássaros num canto melódico muito próprio e, com eles, ser conduzida ao passado. Chegada lá, no aqui e agora, é tão bom voltar a ser cuidada, com um amor absoluto e incondicional, junto dos meus que me amam e a quem eu amo também.

Sinto-me nostálgica. Passando uma noite, sentada a vermos televisão, como em tantas outras noites o fazíamos, naquela sala-biblioteca, aquecida por identidades e palavras de tantos sítios, lugares e crenças… Apoiadas, estamos, naquele sofá de braços envolventes e singulares.

Hoje acordei serena, com as galinhas (no meu lar, acordo com as gatinhas). Depois de descansar o suficiente dei uma volta àquela casa, como tantas vezes o fiz. Vejo mudanças no jardim, nos passeios (que agora não são tão largos e altos, como em criança)… e encontro-me, em vestido de noiva, adornada de recordações.

Sentada no banco da entrada, presto atenção ao milho, agora crescido, que em tempos idos não existia, dando lugar às árvores de faia. Respirando um ar muito especial vejo nos blocos de cimento o meu nome e o do meu irmão, escritos a branco, em aliança com a cor da pureza e inocência.

Hoje a casa está mais cheia. No seu interior, espalhados estão desenhos doces da minha sobrinha para os avós, substituindo quadros de outros artistas e intenções.

No lugar que anteriormente era só meu, há agora um conjunto de luzes diferentes. Apesar dessa mutação, para mim será sempre o meu mundo, com as minhas tralhas, objetos e cores.

Sabe mesmo bem quando voltamos a uma rotina antiga, apesar de crescidos. Neste caso, visitar a casa da nossa infância, partilhar com os nossos pais aquele espaço é, de certo modo, encontrar a nossa criança interior e escutar o que nos quer dizer.

As recordações dos bons momentos ficam e moldam as nossas ações. Já as recordações dos mais difíceis, como o farol da Ponta das Contendas guia os barcos que navegam, também os azedumes do passado mostram-nos quem queremos ser, que exemplos aspiramos, que vidas pretendemos. E é assim, com os valores que herdámos, que vamos caminhando rumo ao pôr-do-sol.

Aquela casa, tão minha, e aqueles seres, tão meus, são um porto seguro inabalável.

Por muito sol que o meu feliz lar apanhe, não é tão quente como o calor deste regresso à casa da minha infância e a tudo o que ela representa.

Joana Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 550, de 02 de agosto de 2019.