Jornal da Praia

PUB

A CAMINHO DE SÃO JORGE

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 34 visualizações Partilhar

A CAMINHO DE SÃO JORGE

A ideia de fazer umas férias em São Jorge, ou pelo menos visitar a ilha, era antiga e concretizou-se de um modo um tanto inesperado. Em fins de Janeiro, um dos meus filhos disse-me, sem mais explicações, para reservar na agenda a semana de 11 a 18 de Junho; reservei, pensando que precisaria de mim para alguma coisa. Em Março, telefonou dizendo: “oh pai, nós oferecemos a viagem para irem à Terceira; convém, desde já, marcar hotel e alugar carro!” Disse-lhe que não estava a compreender; ele explicou-me: como nós, os pais, fazemos os dois anos em Janeiro, ele e os irmãos tinham decidido oferecer-nos essa viagem. Eles sabem que, apesar de ter saído há 55 anos, os Açores continuam a ser o meu Norte, e a mãe, milhota, é açoriana por casamento.

Pusemo-nos a pensar e resolvemos aproveitar a viagem para irmos a São Jorge. Se bem pensámos, melhor fizemos, recorrendo ao programa de reencaminhamento da Sata para os passageiros que chegam na Ryanair e têm como destino final outra ilha que não Terceira ou São Miguel. Em 24 horas tinha os bilhetes Terceira-São Jorge e regresso.  Faltava, apenas, reservar hotel na Praia da Vitória, onde ficaríamos uma noite na ida, procurar alojamento em São Jorge e reservar carro.

O nosso amigo Onésimo Teotónio Almeida, que conhece a ilha como as palmas das suas mãos, e que tanto nos tinha recomendado este destino, deu-nos o contacto do senhor Lino Fonseca, para o alojamento, e uma lista de locais imperdíveis. Concluía o mail dizendo lamentar não estar lá em Junho para ser nosso cicerone, coisa que lamentámos imenso, porque teria sido ouro sobre azul. Para o carro, reservei num rent car.

Nesta viagem só uma coisa não correu a contento: o alojamento na Terceira. Porque não conseguia fazer a reserva de quarto via Internet, num hotel da Praia da Vitoria que há anos me tinham recomendado, tentei telefonar, mas ninguém atendeu. Mudei de plano e liguei ao amigo Francisco Simões, para saber de disponibilidade no seu alojamento local. Respondeu-me que para Junho tinha tudo cheio. Falei-lhe, então, no hotel; prometeu-me passar por lá e fazer a reserva. Pouco depois, ligou-me dizendo que tudo estava resolvido. Combinámos encontrar-nos no aeroporto, no dia da chegada.

De seguida, liguei ao meu colega de escola primária e grande amigo Francisco Ferreira, contando-lhe o que se passava. Quando desliguei, parecia-me que tudo estava tratado de modo a não haver surpresas. Estava enganado!

Na véspera da partida, telefonei aos dois amigos. À chegada às Lages, estava o meu amigo de infância à nossa espera; estranhei a ausência do Francisco Simões. À chegada ao hotel, tivemos uma surpresa pouco simpática: tinha havido uma falha, dizia a recepcionista; a anotação da reserva tinha ficado à margem do livro e não tinham quarto para nós; resolveriam o problema recorrendo a um apartamento de uma casa particular. Pela nossa cara, a senhora viu que não estávamos pelos ajustes e mudou: iríamos para um quarto que ainda não tinha sido ocupado por um outro cliente que iria chegar. Logo que entrei no quarto, vi que ia correr mal: das duas janelas, uma era estreita, junto ao teto em quase toda a extensão da parede, e sem cortina opaca; às 6 da manhã a luminosidade no quarto era como na rua. Enfim, um hotel para esquecer! Quem pretende receber hospedes, não pode tratar assim quem chega.

Felizmente não foi a única recordação que nos ficou desta passagem pela Terceira. Pouco depois, encontrámos o Francisco Simões que, ao entrar no aeroporto, viu que o avião tinha chegado havia uma hora; não nos encontrando no hotel, resolveu dar uma volta à nossa procura. Verifiquei que me tinha enganado nas horas da chegada que indicara. Fiquei embaraçadíssimo e fartei-me de lhe pedir desculpa. Para tentar remediar a situação, convidei-o para jantar connosco, mas não podia porque tinha um ensaio com o seu grupo de música regional a que não podia faltar; tive imensa pena. E viemos até à Rua de Jesus, no nosso “passo gravizundo”, como diria minha mãe, a pôr a nossa conversa em dia, e fazendo tempo para nos encontrarmos com o outro Francisco.

Quando chegou a hora, fomos jantar ao “Pescador”. Foi uma refeição opípara, acompanhada de uma conversa agradabilíssima, com muitas estórias, novas e velhas. Sempre que falamos com o Francisco Ferreira aprendemos imenso sobre os Açores em geral e especialmente sobre a Praia. No fim, fui ao balcão para fazer contas; o responsável disse que nos desejava uma óptima estadia e que ficava às nossas ordens. Fiquei surpreendidíssimo, porque eu é que tinha convidado; não esperava. Lá voltei para a mesa e dei uma palmada nas costas do Chico; ele bem percebeu o sentido.

Fomos dali para a Rua do Rossio, porque havia cantoria, estávamos na Semana do Pentecostes. Minha mulher sabia bem o que era, mas nunca tinha assistido ao vivo. Ouvimos um bom bocado o Fábio Eurico, de São Mateus, com a sua bela voz, e o Marcelo Dias; os dois com grande capacidade de improviso.

Braga, Julho de 2019

Silveira de Brito

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 550, de 02 de agosto de 2019.