Jornal da Praia

PUB

CONFERÊNCIA HISTÓRIA E MEMÓRIA

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 53 visualizações Partilhar

CONFERÊNCIA HISTÓRIA E MEMÓRIA

No último decénio, José Pacheco Pereira devotou-se ao estudo de arquivos, reveladores de múltiplas «histórias», que vêm abrindo novas janelas ao conhecimento dinâmico e aprofundado da história, agora já liberta da versão oficial ou única dos acontecimentos, sem condicionamentos ou espartilhos, deixando de ser dogmática, centralizadora e castradora, mas voltada para novos espaços e aberta ao contributo de outras fontes. Estas vêm, também, ajudar a clarificar, enriquecer e aumentar o valor da História e da Memória individual e colectiva.

A intervenção do número de actores neste processo não é despicienda, porque mais abrangente e motivadora para o estudo dos nossos eventos nacionais e dos de outros países em que todos os cidadãos ficam implicados e, portanto, mais solidários entre si.

O projecto EPHEMERA, em marcha, é bem elucidativo dessa nova concepção histórica e metodologia seguida, pretendendo-se diversificar e regionalizar ao máximo as fontes das notícias, numa perspectiva militante da memória que se deve alimentar, mantendo-a viva no espírito dos portugueses e guardando-a como uma mais-valia ao longo dos tempos, para dela se tirar maior benefício. Assim, se impedirão muitas adulterações da verdade e manipulações abusivas, com fins perversos para o nosso futuro, como já estamos a assistir nos dias de hoje com a proliferação das Fake News( notícias falsas).

O conferencista convidado afirmou que a intervenção das pessoas é um elemento muito importante e um dos problemas maiores da democracia actual. Isso essencialmente é feito na maioria dos casos «pelo controlo, ou seja por aquilo que nós achamos que aconteceu ou aquilo que nos permite saber o que aconteceu, ou mesmo a interpretação entendida como legítima do que aconteceu».

Em suma, estamos a falar do que vulgarmente se designa por «história oficial», definição muito pertinente quando se aborda a história dos partidos políticos e as suas concepções ideológicas. Como exemplo da história recente de Portugal, Pacheco Pereira referindo-se ao Estado Novo asseverou que ele «reconstruiu a história colonial e muitos aspectos da história nacional, criando mitos historiográficos que eram usados como personificando uma ideia de nacionalidade».

Mencionou também situações curiosas, reveladas pelas investigações dos arquivos consultados nos últimos dez anos, onde ressaltam as contradições do período revolucionário, logo a seguir ao 25 de Abril, o chamado PREC, no qual é possível observar partidos como o PS, exibindo cartazes, mostrando «slogans» ou palavras de ordem como: «PS Partido Marxista!» ou ler num jornal da JSD apelos ao Socialismo: «Pelo Socialismo», em que figurava como um dos seus colaboradores, o então, Paulo Portas, ex-líder do CDS-PP, ou ainda a tentativa do PPD-PSD para aderir à Internacional Socialista, algo que o arquivo de Francisco Sá Carneiro demonstra. Tal facto foi levado mesmo muito a sério. Só o «veto» de Mário Soares é que inviabilizou essa desejada adesão.

No pós- 25 de Abril, também houve comunicados conjuntos do PSD com o Partido Comunista, e um programa de Frente Popular em que o PS e o PCP acordaram entre si, quando os dirigentes socialistas regressaram a Portugal, após o período de clandestinidade. Para o palestrante, pesquisador e patrono do projecto EPHEMERA, estas flutuações interessam do ponto de vista histórico. Elas estão documentadas, mas encaixam mal na história oficial que conhecemos dos partidos políticos portugueses.

Sublinha a necessidade imperiosa de guardar todos os documentos encontrados (livros, discos periódicos, panfletos, fotos, objectos), devem ser preservados, estudados, reunidos e compilados com idêntico interesse aos que foram preservados em espólios e acervos e arquivos, provenientes de vários pontos do País, doados pelos seus proprietários, adquiridos, ou a adquirir pela Associação Cultural EPHEMERA.

Segundo pesquisámos, ela funciona, sem fins lucrativos, e em regime de voluntariado, e tem como objetivo regular o trabalho de estabelecer protocolos com diversos organismos, nomeadamente, as Universidades, os acesso ao crowfunding e ao mecenato, assim como aos apoios privados e públicos, considerando o crescimento exponencial do trabalho a empreender e o valor dos fundos doados ou adquiridos, que serão postos à disposição de todos os portugueses interessados e investigadores estrangeiros.

Presentemente é detentora de muitos arquivos que lhe foram doados, dos quais enumeram-se apenas alguns: o da Família Pacheco Pereira, o de Francisco Sá-Carneiro, o da Censura; colecções da Direita Radical, de Publicidade e da Maçonaria; Fotografias do Teatro de S. Carlos, espólios de José Silva Cunha sobre a Guerra Colonial, de Jiri e Irma Lauscher sobre o holocausto, de Ferreira de Almeida, sobre a Emigração Portuguesa, o da Arcada e uma família de jornalistas do Diário de Notícias, e o de José Borrego, sobre o movimento cineclubista.

A referida associação depende essencialmente dos recursos próprios e a biblioteca e o arquivo continuarão a ser privados, aspirando a ser o mais público dos arquivos privados. A sociedade civil de Portugal não deixar, certamente, de responder à chamada e acarinhar este gigantesco e empolgante projecto nacional.

É fundamental que todo este rico manancial e outros documentos que forem reunidos, mais tarde, não se venham a perder, pois todos eles fazem parte intrínseca da nossa memória colectiva e do ADN de cada um de nós. A sua importância é enorme para nós e certamente para os que nos virão suceder, no futuro.

Como breve ilustração dessa importância, citou JPP a descoberta, num arquivo pertencente a uma farmácia, de um despacho da PIDE, em que se incentivava a não se vender medicamentos às pessoas feridas, em dias de manifestação contra o regime salazarista, facto que, ninguém sabia da existência de tal proibição. Até parece anedótico, mas não é, como se pode comprovar hoje, através do supracitado arquivo.

E por fim, o Dr. José Pacheco Pereira desabafa, alertando nos termos seguintes: «Custa-me ver todos os dias desaparecerem milhares de documentos que seriam fundamentais para se escrever com maior rigor a história portuguesa».

Oxalá esta brilhante lição, que terminou com uma série de perguntas dirigidas ao eminente historiador-investigador, tenha sido uma fértil sementeira de sugestões e uma útil ferramenta para a compreensão e resolução de muitos dos nossos problemas presentes e futuros.

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 550, de 02 de agosto de 2019.