Jornal da Praia

PUB

CHAMARIZ

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 93 visualizações Partilhar

CHAMARIZ

Parece não haver dúvida que a pedra, que se destaca na zona marítima do Algarve, e que a fotografia realça, constitui um chamariz atractivo para a reunião e descanso das gaivotas que partilham a zona. Entretanto seria muito útil para todos nós que ao longo da vida surgissem em cada esquina chamarizes semelhantes, que nos permitissem também o descanso, a comunhão de experiências, e a melhor tomada de decisões quanto à escolha do caminho para progredir.

Não se descortinando nenhum chamariz específico, aproveita-se para, antes de enunciar a quinta técnica para lidar com o stress na própria pessoa, destacar 7 Reflexões (Pin 2019), neste caso de autor desconhecido, mas que só por si facilitam o futuro que em cada momento se avizinha: (1) para não estragar o presente façamos as pazes com o passado; (2) o que os outros pensam de nós não nos diz respeito; (3) como o tempo cura tudo importa dar tempo ao tempo; (4) ninguém é motivo da nossa felicidade, a não ser nós próprios; (5) não devemos comparar a vida à dos outros, visto que ninguém tem a ideia de como foram trilhadas; (6) não adianta pensar muito, na medida em que não precisamos de todas as respostas; e (7) necessitamos de aproveitar para sorrir, visto que ninguém possui todos os problemas do mundo.

Posto isto entramos na quinta técnica, o treino de Inoculação de Stress. Como referimos, o stress pode ter origens muito diversas, entre as quais Werner & Frost (2000) destacaram: (a) a ocorrência de um acontecimento objectivo de assinalável magnitude; (b) uma ou mais situações que eliciam um total de estímulos internos ou externos que actuam no organismo, incluindo circunstâncias ambientais que os desencadeiam, a que se juntam constelações de ocorrências e condições relacionadas; (c) contextos que dizem respeito a circunstâncias acompanhantes, e a exigências ou forças do meio de natureza deletéria; e (d) sugestões que são percebidas como perturbadoras ou disruptivas, a que acrescem pensamentos próprios intrusivos.

Precisamente porque existem múltiplas fontes de stress necessitamos de ser capazes de dispor, e de recorrer também, a meios e técnicas diversas, de forma a se poder escolher a mais adequada, para fazer frente à situação criada. Isto para além da possibilidade de se recorrer a um especialista, médico, psicólogo, amigo, ou até outro profissional, que seja capaz de ajudar a ultrapassar a problemática. E não podemos recear saber um pouco mais desta matéria porque, quanto mais conhecimento adquirimos, mais podemos fazer e mais somos capazes de fazer.

Acresce que os acontecimentos stressantes também apresentam diferentes tipos de configurações, algumas das quais se sublinham: (1) stressores agudos limitados no tempo, como acontece com certos exames ou actos médicos invasivos, confronto com avaliações e exames específicos; (2) sequência de situações stressantes, de que é exemplo a exposição a situações traumáticas, perdas, desafios da vida; (3) stressores intermitentes crónicos, como competições, exposição a situações de stress intermitentes que acompanham certos papéis físicos (como a guerra) e intelectuais; e (4) stressores contínuos crónicos, tais como situações físicas ou mentais debilitantes, desacordos familiares, violência urbana, pobreza, racismo, exposição a perigos e ao stress ocupacional.

Acontece que apesar de todas estas manifestações, e do stress ser cumulativo, um autor, Meichembaum (2007), que vamos seguir de perto, e outros investigadores têm vindo a provar que é possível desenvolver um conjunto de aptidões que, quando utilizadas, capacitam as pessoas a serem capazes de lidar com diversas situações stressantes, e que substituem o “desamparo aprendido” previamente experimentado. Em analogia com tratamento médico defendem que, a Inoculação de Stress assemelha-se à criação de “anticorpos psicológicos”, que aumentam a resistência do indivíduo, através da exposição a estímulos suficientemente fortes para despertar as defesas, mas que não são tão poderosas para dominar as pessoas.

Assim, com o Treino de Inoculação de Stress (TIS), através da exposição a formas mais leves de stress, podemos aumentar os mecanismos de confronto, e a confiança individual no uso dos seus mecanismos. Este treino aumenta a preparação individual e desenvolve o sentimento de domínio.

Referências:
Meichembaum, D. (2005). Stress inoculation training: A preventative and treatment approach. Em Lehrer, P. M., Woolfolk, R. L., Sime, W. S., Principles and practice of stress management. Ontario: Canada Press.
Pin (2019). Salvado em 02 Fev. Fonte: Psicologia Pin. Tema: Website: https://www.interest.pt/pin/662732901393600596/.
Werner, J. S. & Frost, H.F. (2000). Major life stressors and health outcomes. Em Rice, V. H., Handbook of stress, coping and health: Implications for nursing, research, theory and practice. London: Sage Publications.

Aurélio Pamplona

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n. 550, de 02 de agosto de 2019.