Jornal da Praia

PUB

OS AÇORES NA COMUNICAÇÃO SOCIAL DO CONTINENTE

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 66 visualizações Partilhar

OS AÇORES NA COMUNICAÇÃO SOCIAL DO CONTINENTE

Ao ver os telejornais, ao ouvir os noticiários das rádios e ao ler os jornais, pergunto-me muitas vezes pelo critério que levou à escolha do editor: por que é que a selecção das notícias foi esta e não outra? Muitas vezes parece não haver critério, ou então que o critério é totalmente subjetivo, é a preferência de quem está encarregado da edição. Dando um exemplo: ao ver, na RTP1, os programas “Portugal em Directo” e o telejornal das 20 horas, pergunto-me frequentemente pelo critério que levou à selecção das notícias para um e outro serviço noticioso.

Durante um bom par de anos ensinei “Ética” a alunos de “Comunicação Social”. Nesta licenciatura, como é frequente, leccionavam vários jornalistas. Um dia dirigi-me a um deles, de quem sou amigo, e perguntei-lhe pelo critério que permitiria a distinção que tanto me intrigava. Respondeu-me, sorrindo: “é o valor notícia!” e explicou imediatamente que é um conceito difícil de definir porque marcadamente subjectivo; acrescentou ainda que à minha pergunta costumam dar aquela resposta, mas que, em termos práticas, não ajudava muito, reconhecia.

Sempre tive essa impressão; não há dia em que eu veja os dois programas noticiosos referidos que não discorde da selecção ou hierarquização das notícias; vejo notícias no “Portugal em Directo” que me parecem indicadas para o Telejornal das 20, e outras apresentadas neste que, pela sua falta de relevância nacional, deveriam ser apresentadas no primeiro. Há certas notícias sobre Lisboa cuja inclusão no telejornal das 20 só se explica por falarem de Lisboa. Eu bem sei que, na área metropolitana da Capital vive quase um terço da população do país, mas isto não explica tudo. Como também não explica algo muito frequente: o pivot apresenta um assunto, segue-se uma reportagem de rua em que ouvem algumas pessoas sobre a questão e, terminada a reportagem, o pivot afirma: “sobre esta questão o povo português pensa…” e repete-se o que alguns lisboetas disseram. Parece até que Portugal é Lisboa!

A minha perturbação, que acabo de explicar, é ainda maior quando olho para a presença das Regiões Autónomas, concretamente a dos Açores, na Comunicação Social do Continente. O que vejo perturba-me, irrita-me, até porque, como repito muitas vezes, “sofro de açorianite aguda, doença que se agrava com o andar do tempo”. Creio poder dizer, sem grande exagero, que os Açores só aparecem na comunicação social do Continente, principalmente nas televisões, quando há escândalo ou houve ou se prevê tragédia. É certo e sabido que, se IPMA previr uma tempestade tropical para os Açores, imediatamente a RTP, a SIC e a TVI pegam no assunto e nunca mais o largam. Recorrem a jornalistas da Região ou mandam repórteres, não há serviço de notícias em que não se fale do tema, do que está a ocorrer e do que vai ocorrer, mesmo que a informação do serviço de Meteorologia fale em “previsões”. Pode acontecer que o comunicado do IPMA diga que o grupo mais atingido será o Ocidental, e os jornalistas reportarem a partir de Ponta Delgada; pode ser que o Grupo em que se preveem mais estragos seja o Central, e alguns jornalistas falem de São Miguel, mas as cores das reportagens serão sempre carregadíssimas; às vezes fica-se com a impressão de que a ânsia para mostrar a maior tragédia possível é tal, que parece nem se aperceberem de que as vítimas são ou serão as pessoas e que, por isso, seria de desejar que as consequências fossem as menores possíveis.

Um exemplo. Nos dias 19 e 20 de Setembro de 2006, os três canais generalistas do Continente abriram os noticiários a falar da tempestade tropical “Gordon”; as previsões não podiam ter tom mais dramático. Como habitualmente faço nestas circunstâncias, telefonei imediatamente para alguns amigos. Da Praia da Vitória atendeu-me o Francisco Ferreira que, quando lhe perguntei pela tempestade, respondeu: “estou na muralha a olhar para o mar, que está como azeite e não ronca, o céu está azul, as vacas não berram e os ratos não fogem das paredes; mas está previsto temporal; a Proteção Civil já avisou.” De São Miguel, o Prof. José Luz Brandão da Luz disse-me que as previsões eram de mau tempo, que as pessoas estavam a tomar precauções. No fim, o que aconteceu foi que a tempestade afastou-se do percurso previsto e as ilhas foram pouco afectadas, para grande frustração de quem esperava mostrar tragédias.

Não digo que não se noticiem temporais nem escândalos; quando, devido a chuva intensa, Angra do Heroísmo tem inundações de tal dimensão que a Rua da Sé parece um riacho, a Praça Velha uma lagoa e a Rua Direita um rio, é natural que se dê notícia. Mas penso que nos Açores, para lá dos temporais e dos escândalos, há muito mais para noticiar; há Festas, por exemplo as de São João, em Angra do Heroísmo, locais de interesse turístico, espectáculos, música, obras de arquitectura, como o “Centro Interpretativo da Lagoa das Furnas” em São Miguel, e a “Casa de Apoio à Montanha do Pico”, que valeria a pena mostrar e que a Comunicação Social do Continente parece desconhecer ou não valorizar. E essa maior presença das Regiões Autónomas na comunicação social do Continente teria ainda outro aspecto positivo: favorecia a coesão do país e ajudava a um melhor conhecimento dele, contribuindo, talvez, não eliminar ignorâncias de palmatória como a de se falar na ilha da Horta em vez da Ilha do Faial.

Braga, Junho de 2019

Silveira de Brito

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa números 549 e 550, de 19 de julho e 02 de agosto de 2019, respetivamente.