Jornal da Praia

PUB

COMEMORAÇÕES DOS 38 ANOS DA PRAIA DA VITÓRIA CIDADE

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 92 visualizações Partilhar

COMEMORAÇÕES DOS 38 ANOS DA PRAIA DA VITÓRIA CIDADE

No âmbito desta efeméride foi dado especial enfoque ao importantíssimo tema da Educação. A autarquia praiense tem vindo a pôr em execução um conjunto exaustivo de visitas a escolas e a todas as valências educativas do concelho da Praia da Vitória, mantendo também contactos próximos com a comunidade escolar, nomeadamente professores, pais, alunos e pessoal não docente, como se pode ler, na nota de imprensa enviada aos órgãos de comunicação social, citando palavras de Tibério Dinis, o Presidente da Câmara.

Estas iniciativas têm por objectivo dar maior proximidade à comunidade escolar do concelho e realizar uma agenda para uma urgente Educação para o futuro, que vá ao encontro das necessidades e dos desafios, condições essenciais para o desenvolvimento do ser humano e particularmente para a ilha Terceira e os Açores, neste momento situados em posição incómoda a nível nacional, como é sabido.

O programa comemorativo das efemérides do 38º aniversário da elevação da Praia a cidade e dos 175 anos de vida do jornal Açoriano Oriental (A.O.), o mais antigo de Portugal e um dos dez mais idosos do Mundo, contou a presença do Dr. José Pacheco Pereira, natural do Porto, licenciado em Filosofia, professor, historiador, investigador, antigo embaixador na UNESCO e ex-deputado do Parlamento Europeu.

Como ilustre convidado proferiu uma notável conferência no Auditório da Escola Profissional, numa organização do A.O. e da rádio TSF, em colaboração com o Município praiense, a qual foi transmitida pela TSF, e também com tratamento jornalístico, ocupando duas páginas inteiras do mais antigo jornal português, agraciado em 1989 com o título «Membro Honorário da Ordem do Infante D. Henrique».

Nessa conferência, José Pacheco Pereira (JPP) abordou com grande à-vontade, sentido de humor, sagacidade e competência, uma temática de premente actualidade, factos que despertaram a atenção do numeroso público, constituído por uma moldura humana diversificada de convidados e dos homenageados do concelho (individualidades, colectividades e o Comandante da Zona Aérea dos Açores), que se mostraram muito interessados ao longo de toda a exposição, bem como no período reservado às perguntas finais.

Vários foram os pontos altos da conferência do cronista do jornal «Público» e da revista «Sábado» e um dos principais intervenientes do programa «Quadratura do Círculo» e agora, na TVI, com a designação de «Circulatura do Quadrado». Enumeramos alguns dos mais relevantes e pertinentes.

Conferência História e Memória

«Estamos num período muito complicado de destruição da memória e de muitos aspectos da nossa cidadania» que fazem com que a sociedade futurista e prepotente, imaginada por George Orwell, no seu livro «1984», publicado em 1949, não esteja longe da realidade nos nossos dias, infelizmente.

Ao longo da sua brilhante intervenção, JPP recordou o escritor e jornalista britânico que, apesar de ter vivido na primeira metade do século XX, numa era pré-internet, pré-redes sociais e pré televisão, deixou-nos um conjunto de textos escritos e o seu célebre «1984», nos quais revela uma visão pessimista sobre um futuro controlado por forças autoritárias invisíveis, personificadas na figura do Big Brother, tantas vezes utilizado, hoje em dia, das mais diversas formas e até em programas televisivos de grande audiência (de baixíssima qualidade, não apenas em Portugal).

José Pacheco Pereira referiu-se depois à definição que os Jesuítas tinham das várias formas de mentir, que passavam pela mentira propriamente dita e por duas outras mais complexas e difíceis de desconstruir: a «sugestão» da falsidade e a omissão da verdade. Estes três conceitos ainda são muito actuais e a sua conjugação ou entrosamento estão na origem das chamadas «Fake News» e de diversos mecanismos de controlo social.*

O palestrante deu outro exemplo de uma sociedade orwelliana— a utilização de grandes quantidades de informações pessoais (Big Data), recolhidas pelas grandes plataformas da internet e que são vendidas para fins comerciais e de publicidade dirigida, que podem também ser usadas para manipulação eleitoral, como aconteceu na campanha para as eleições presidenciais que deram a vitória a Donald Trump ou no referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia.

Outro tópico a assinalar da conferência foi o empobrecimento da língua. O Big Brother todos os anos diminuía o número de palavras, o que limitava fortemente a capacidade expressiva dos falantes, retirando-lhes poder de intervir e persuadir. Esta restrição lexical é, na opinião do investigador, «muito relevante nos nossos dias, quando se assiste à progressiva substituição de um vocabulário mais rico para um vocabulário muito primitivo e rudimentar», usado principalmente pelos adolescentes nos SMS e aplicações como o whats-App.

Para JPP, o excessivo uso do telemóvel e das redes sociais é um factor que «encolhe» as pessoas, não por eles serem maus em si mesmos, mas porque «a sociedade está a encolher-nos». As relações interpessoais são mais importantes do que as conversas no facebook ou quando as amizades são menos importantes do que os «likes». O orador designa esse fenómeno como um universo de «substituições», de muito barulho e pouco silêncio, onde tudo passa vertiginosamente e muita coisa acontece «contra o nosso sentido colectivo».

Pacheco Pereira salientou, outrossim, que hoje «estamos num mundo muito hostil à argumentação racional, muito hostil à separação entre o que é emotivo e o que racional, muito hostil ao silêncio e muito hostil ao tempo lento que é preciso, por exemplo, para ler», realçando ainda a sua preocupação com o rumo seguido pela sociedade hodierna, a qual está empobrecer as relações humanas, como constatamos cada dia que passa.

Outro tópico da sua intervenção a reter da sua muito interessante conferência foi o pseudo- igualitarismo das redes sociais, nas quais todos os usuários se sentem de um momento para o outro cheios de vasta sapiência, aptos a falar de tudo e mais alguma coisa, pondo em causa «o saber e a universidade» ou mesmo «o papel de instituições que são fundamentais para a democracia como os partidos políticos ou os sindicatos» e como se já não fosse bastante até a função «da escola e da família».

Em suma, um falso igualitarismo que é necessário combater, valorizando o papel das mediações, isto é, de quem tem conhecimento e «investiga para falar sobre determinadas matérias». CONTINUA

(*) Sobre este assunto, leia-se no JP nº 538, de 8.02.2019, a nossa crónica Populismo Mentira e Desinformação.

António Neves Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 549, de 19 de julho de 2019.