Jornal da Praia

PUB

‘IN PRINCIPIUM ERAT CHICO’

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 129 visualizações Partilhar

‘IN PRINCIPIUM ERAT CHICO’

"In principium erat verbum" e, na verdade, era de 'verbum' que se tratava quando nos reuníamos para acertar ideias quanto ao jornal que queríamos fundar.

'In principium erat Chico'. Era ele que preparava a sala, abrindo as janelas para arejar o ambiente e as mentes de todos, que a quase todos bem conhecia desde tempos juvenis. Não participava muito, ficava mais atrás a ver o desenrolar das falas de cada um. Umas reuniões houve que decorreram cordatamente, outras, porém, realizaram-se debaixo de 'forte temporal temperamental', com rajadas palavrosas. E ele, o Chico, qual Nosso Senhor despertado pelos seus discípulos assustados com a tormenta, acalmava as águas discordantes, e dizia: Ai que a porca come o jornal!

Lá retornávamos a uma paz anti ciclónica que nos permitia ir avançando na fixação de prioridades como, por exemplo, a criação de um grupo de amigos. E o jornal? Que nome há de ter? De tanto se falar em um jornal da Praia... pois ficou assim mesmo: Jornal da Praia.

Consensuou-se uma linha editorial que assentava da defesa dos interesses da Praia, da Terceira, dos Açores (Região Autónoma), de Portugal, da Europa, enfim, do Mundo.

Da Praia para o Mundo, do Mundo para a Praia. Sim, esta Praia que, de todos os 'conjurados' naquelas reuniões, ninguém mais amava do que o Chico. Por ela, ele haveria de se empenhar com a máxima diligência na manutenção das velhas instituições e na criação de novas, para honrar e glorificar um passado ilustre da primeira capitania-donatária da Terceira de Jesus. E um jornal na Praia era mais uma instituição pela qual valia a pena lutar, nesta Praia que foi berço de grandes figuras das letras (Nemésio, Gervásio Lima, Frederico Lopes) onde, outrora, já tantos jornais e periódicos tinham saído à luz do dia. Foi por ela que o Chico tratou de entusiasmar aqueles que viriam a encabeçar as sucessivas  direções do quinzenário, pessoas que, tal como ele, se entregaram altruisticamente a exercer o cargo. Foi por ela que o Chico impediu a queda do nosso jornal quando se deu o afastamento de dois ativos companheiros da fundação. Foi por ela que, em vésperas de cada edição sair, recrutava uns quantos voluntários para acomodar os exemplares, etiquetá-los e acomodá-los em sacos de plástico para os deixar na madrugada seguinte à porta dos Correios a fim de chegarem aos assinantes. Foi por ela que ele angariava os anunciantes, os verdadeiros suportes do milagre que é cada edição. Foi por ela que o Chico aceitou a alteração da linha editorial que reduz à escala autonómica a ação do nosso periódico, abrindo, com destacado ênfase, a possibilidade da discussão, divulgação e defesa (por vezes em tom abertamente panfletário e apoiado pela direção).

É por esta Praia do século 21 que o nosso Chico busca soluções para a manutenção da edição em papel.  É por ela que ele incute na juventude a responsabilidade de dar continuidade a esta instituição de 37 anos.

É, também, por esta sua tão querida Praia de Santa Cruz, que o Chico vai permanecer a velar pela longevidade do Jornal da Praia. Da sua casa à Boa Vista, o nosso amigo Francisco Ferreira continuará a ter uma boa vista sobre a Praia.

João Rego

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 549, de 19 de julho de 2019.