Jornal da Praia

PUB

INTENÇÃO BOA E SEDE DE PROTAGONISMO MAIOR

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 183 visualizações Partilhar

INTENÇÃO BOA E SEDE DE PROTAGONISMO MAIOR

Hoje, decidi falar-vos sobre algo que vemos acontecer diariamente na comunicação social, nos serviços públicos e de saúde, nas nossas experiências pessoais, na observação do que se passa na sociedade, quando alguém ousa falar da vida alheia sem qualquer filtro. Se estivermos atentos ao nosso redor presenciamos frequentemente situações deste género, onde quer que existam pessoas. Muitas vezes, descuram a ética e profissionalismo, e ainda assim, fala-se deste ou daquele problema de saúde, desta ou daquela situação familiar, desta ou daquela toilete (se fica bem, muito bem, mais ou menos ou pessimamente). O povo adora falar dos outros, não é assim?

Também se diz que “quem conta um conto, acrescenta um ponto” e nem sempre esses pontos são verdade. Também há quem afirme que onde há fumo há fogo, logo, é fácil perceber que os boatos vão longe e chegam até onde a raça humana quiser... Às vezes, a vontade de partilhar histórias que não são nossas parece ser mais interessante do que a nossa própria vidinha. Amamos saber tudo sobre o vizinho do lado e nessa ânsia de “fofocar”, despimos a nossa integridade e razão e tomamos os nossos direitos e deveres (aquilo que nos torna pessoas) como algo passageiro, volátil e mesquinho.

Vivemos numa época de intenções… Algumas delas vestem-se de cores absurdas de uma preocupação pálida de empatia. Fala-se de tudo, do que se pode e do que não se deve, é o querer e os valores morais a guerrearem por um lugar na peça da luxúria. De boas intenções, está o inferno cheio!

Quando falamos dos outros, temos de ter cuidado para não deturpar os factos, inventar e criar razões onde só existem suposições. Tratando-se da vida e integridade dos seres humanos mais tacto temos de ter, sob penalização de ferir substancialmente aquilo que de mais seu têm: o seu íntimo, a sua privacidade, o seu sexo, direta ou indiretamente, real ou metaforicamente.

Agora há um programa na televisão que pretende pôr as nossas mentes e corações a funcionar como um só, trabalhando aspetos básicos e, repito, básicos, da consciência humana. Trata-se do programa “E se fosse contigo?”e a competência, embora natural, não é obviamente tida como garantida. Pelo menos assim se passa com grande parte dos seres, que, cheios de boas intenções, acabam por se desviar do verdadeiro cerne da questão, ansiosos por protagonismo. Não compreendo, e espero nunca o aceitar, como é que se pode falar tão brejeiramente de assuntos tão profundos como a integridade de uma pessoa. Como se pode alegar preocupação genuína quando tudo no trato é disfuncional e aleatório?!

Diz-se que não há amor como o de mãe... Será então necessário, por exemplo, inventaram calúnias sobre os nossos filhos, para que compreendamos (sentindo) que há coisas que não se declaram e aspetos que não se mencionam sobre os filhos dos outros?!

Se há situação que me incomoda deveras é esta atitude. Mexe-me com as entranhas, torcendo e contorcendo-as. A atitude de falta de empatia, mascarada de uma preocupação flácida de dever moral… Todos temos a nossa função e a de uns não é a dos outros… cada macaco no seu galho e cada palavra ou omissão no tempo certo. Há palavras que marcam para sempre e, em coro, audíveis se tornam e levam à loucura. Transformadas em vozes internas, a esquizofrenia entra em erupção com o mundo externo. A vida dos lesados torna-se demasiado desconfiada e a luta interna é imensa. Depois admiram-se que...

Concluo com reticências para cada um de nós continuar a “frase” da melhor forma que quiser, mas ainda antes de me despedir, gostaría que pensassemos no seguinte: se fossem os nossos filhos, gostaríamos que se inventassem histórias que pusessem em causa a sua integridade ou a nossa educação? Permitiríamos que se expusessem detalhes íntimos de histórias traumáticas, de decisões tomadas ou experiências vividas? Seríamos capazes de trair a sua confiança e o seu amor?...

Joana Leal

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 549, de 19 de julho de 2019.