Jornal da Praia

PUB

NO RESCALDO DE …3 DIAS… DUAS DATAS

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 184 visualizações Partilhar

NO RESCALDO DE …3 DIAS… DUAS DATAS

O “Dia 6 de Junho”; o Dia 10 de Junho; “O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas” e, o “Dia da Região Autónoma dos Açores” (hoje, amanhã e depois) conforme a calendarização da segunda-feira do Espírito Santo).

Porquê o “3 dias … duas datas” porque ao “Dia” referimos aquele em que algo sucedeu que se transformou numa data especial ou muito ansiada (internacionalmente temos O DIA “D”). Geralmente é o mesmo, instituído como feriado de uma Nação. “Data” definição de um certo momento no tempo, indicando o dia, o mês e o ano de algum acontecimento histórico na vida de uma Nação ou País.

“Dia 6 de Junho”; data celebrada como “Dia dos Açores”,  que juntou para a celebração do seu 44º aniversário um apreciável grupo de independentistas, apoiado por muitos outros que os acompanharam pelas redes sociais e por alguma comunicação escrita e televisiva, trouxeram à ribalta política, o factor histórico da grandiosa manifestação deflagrada no dia 6 de Junho de 1975 e, à qual, se deve quer queiram ou não a ”mitigada” Autonomia concedida pela Constituição de 1976. Durante as intervenções havidas ao fim do jantar do encontro em referência, esteve presente o significado da data e do dia “6 de Junho” bem como o apelo ao sentido da açorianidade. O reconhecimento dos açorianos como Povo, e dono dos seus destinos. A acção desenvolvida pelo Movimento FLA no exterior, nomeadamente em encontros com movimentos e partidos, que lutam pela autodeterminação dos seus territórios quer na Europa, na África e outros continentes. Rui Medeiros líder actual e presidente do Directório da FLA afirmou: “Nos Açores, tem-se verificado um retrocesso na Autonomia, enquanto o normal seria o contrário, tal como se verifica noutras regiões europeias. Isto acontece porque, por esta Europa fora, são os independentistas que defendem as suas regiões contra os desejos centralistas dos seus governos.”

Reafirmamos que o “Dia 6 de Junho” tem a o seu capítulo na História dos Açores, tal como muitos outros acontecimentos, e a luta de muitos açorianos durante os séculos da nossa existência, na defesa da liberdade e da autodeterminação do nosso Povo.

Do Dia 10 de Junho; “O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas” já depois de ter sido “O Dia de Festa Nacional e de Grande Gala” por decreto das Cortes Reais datado de Abril de 1880. E que então o Rei D. Luís I acedeu a que se assinalassem os 300 anos da data apontada para a morte de Luís de Camões 10 de Junho de 1580. Com a implantação da República em 1919, na primeira lista de feriados nacionais ainda não há lugar para o 10 de Junho o que sucede a 29 de Agosto do mesmo ano., a coberto do Decreto 17.171.

Com o golpe de 28 de Maio de 1926, aparece o 10 de Junho com especial relevância como o “Dia da Raça” epiteto do agrado de muitos até de Cavaco Silva que ao usá-lo em 2008 alevantou o “Carmo e a Trindade” entre as esquerdas. Note-se que embora já assinalado pelos portugueses, o Dia de Portugal, só surge fixado “10 de Junho”, por decreto-lei de 04 de Janeiro de 1952.

‘Dia de Camões, de Portugal e da Raça’ (este último epíteto criado por Salazar na inauguração do Estádio Nacional, em 1944), tem o seu fim com a revolução do 25 de Abril d2 1974 que risca a Raça” e dá relevância a “Camões”. Daí a nova designação para o dia 10 de Junho como o” Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas” como decretado a 04 de Março de 1977. Ficou assim expresso a “representação do Dia de Portugal, como harmoniosa síntese da Nação Portuguesa, das comunidades lusíadas espalhadas pelo Mundo e da emblemática figura do épico genial”. (atente-se ao termo do épico genial)

Quem sabe se ainda não haverá mais alguma mudança na composição da nomenclatura para o 10 de Junho como por exemplo: “Dia de Portugal, de Camões, das Comunidades Portuguesas e dos DDT (os Donos disto Tudo). Veja-se como na Comemoração dessa data, no ano passado em Ponta Delgada o sumiço que deram à Bandeira da teimosamente chamada Região Autónoma dos Açores bem assim ao seu Hino. Não esquecer a demonstração de força com a presença do contingente militar com que se fez acompanhar na afirmação de que, aqui também é Portugal.

Marcelo Rebelo de Sousa tomou o gosto às excursões no “Dia de Portugal” com a vulgarização da sua celebração, “este ano aqui pró ano acolá”, de manhã no País, à tarde ou à noite conforme o fuso horário, na estranja para contentamento dos emigrantes.

Este ano, teve S.Exa. azar na escolha do “chefe de cerimónias” que no seu discurso, não esteve com meias mediadas nem paninhos quentes, irritou q.b. a esquerda, entusiasmou a direita (que não tem razão para tal) e, quase ponha o discurso do presidente da república em segundo plano. O Homem com (H) desancou à direita, ao centro e à esquerda. Apontou o dedo à classe política pela sua conivência com a situação real da governação do país, à corrupção da mesma e inoperância no seu desempenho. A distância que o mesmo assemelha ao atlântico, entre os políticos e os cidadãos é a realidade tanto lá como infelizmente cá. Se um João Miguel Tavares incomoda tanta gente, quantos não incomodarão dois ou mais alguns, da mesma têmpera?

Dia da Região Autónoma dos Açores; Foi a Segunda-feira do Espírito Santo, como celebração religiosa e cívica dos Açores pelo  dia e não pela data, (pois a mesma é como se chama uma festa móvel), escolhida para comemorar a institucionalidade da  Autonomia Político Administrativa do arquipélago vulgarizando a mesma como o “Dia dos Açores” criado pelo Decreto Regional nº 13/80/A, aprovado pela Assembleia Regional dos Açores a 26 de Junho de 1980, assinado pelo seu Presidente Álvaro Bonjardino e posteriormente com o “publique-se” do então Ministro da República Henrique Afonso Silva Horta, como indicação à publicação no Diário da República – 1ª Série – nº 192-21-8-1980 (passados que são 40 anos ainda estamos sujeitos a uma série de ”publique-se” agora não de um ministro mas, de um embaixador que intitulado por Representante da República continua a fiscalizar as poucas leis que nascem na ALRAA.

Assim, há 38 anos se vem oficialmente a celebrar o “Dia da Região Autónoma dos Açores” que não o “Dia dos Açores” como se quer fazer passar a ideia. Numa organização conjunta da Assembleia Legislativa e do Governo dos Açores, esta cerimónia restringe-se aos seus organizadores, e convidados que depois dos discursos e da distribuição de insígnias honorificas q.b. (são sempre superiores a duas dezenas), vem o repasto chamado de “Sopas do Espírito Santo”. Ao contrário do que seria de esperar e no espírito da sua existência - “A distribuição do pão na Festa do Espírito Santo tem a sua origem na dádiva de comida aos pobres pela Rainha Santa Isabel”. Por tradição a sopa do Espírito Santo, com carne e legumes que é distribuída com pão, a todos os que não pertencem ao império local. No caso presente o Imperador será o “Poder” instituído na Região que deixa o Povo do lado da fora da Festa. Urge repensar a “Festança” levando-a aos açorianos sejam eles crentes ou não, até porque sendo a Festa do Espírito Santo uma celebração por essência religiosa esta vertente não tem qualquer presença na celebração oficial do “Dia”, respeitando-se o conceito e Laico do Estado.

No passado dia 10 de Junho com a infeliz coincidência da sobreposição do Dia de Portugal…blá, blá, blá… não foi muito diferente do costume, o figurino manteve-se. Só que no discurso do Presidente do Governo saiu a ideia já por diversos cidadãos comentada de uma “prenda” aos que bem-comportados venham a cumprir o “voto” ou seja como disse António Costa aqui por estas bandas “o que interessa é o “votinho” dentro da urna”.

Agradou-nos isto sim, a referência "titubeante" de Vasco Cordeiro às relações institucionais com o governo central que, na nossa modesta opinião devem merecer uma actuação da parte dos “Açores” mais radical quando nos apercebemos que o governo central, cada vez mais se prepara para substituir as nossas instituições constitucionalmente garantidas. Os “assuntos” são tão diversos e, aqui já a muitos deles nos temos referido. Para terminar exemplificamos a última visita da ministra da justiça (?) e ao anúncio de que o projecto para a “cadeia de Ponta Delgada” será apresentado em Lisboa no próximo mês de Julho.

Pedindo desculpa pela extensão texto, com a inocente pergunta:  Em Lisboa porquê?

2019-06-20

José Ventura*
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n. 549, de 19 de julho de 2019.