Jornal da Praia

PUB

O ILUSTRE PARRECAS

Terça, 27 de Agosto de 2019 em Opinião 88 visualizações Partilhar

O ILUSTRE PARRECAS

O Parrecas sempre fora um génio, um sábio e um culto. Fora a mente mais brilhante que a sua aldeola alguma vez vira. Um jovem pelos seus dezassete anos dotado de uma fisionomia de atleta grego. Todos lhe prestavam vassalagem, uma vez que fora o primeiro da aldeia a ler Os Maias e Os Lusíadas. O seu vocabulário era completo e diziam que escrevia como um Fernando Pessoa.

- És brilhante, meu filho! - afirmava com toda a certeza o seu pai – Um dia serás médico. Não te esqueças: os livros pesam menos que as enxadas.

O jovem Parrecas vivia numa casa humilde, com o seu pai e a sua mãe. A aldeia onde viviam era linda, um paraíso na terra. Os habitantes da aldeia eram prisioneiros do Oceano Atlântico e reféns dos pastos verdes. As ruas eram estreitas e quando lá passava, as casas engoliam o Parrecas. As velhas nas janelas eram muito atenciosas, estavam sempre a pensar nas vidas dos outros. Viviam constantemente preocupadas com os problemas alheios. Os seus olhos eram câmaras de vigilância e os gatos, eternos companheiros das velhas, ajudavam na tarefa.

- Olha o Parrecas! Como está tua mãe? E o teu pai? A tua avó já melhorou da constipação? – começava o questionário da velha Maria Dolores, debruçada na janela.

- Estão todos bem, senhora Maria. Obrigado por perguntar. – respondia o jovem, confirmando a sua teoria de que as velhas da aldeia eram uns amores.

- Até logo Parrecas! Manda cumprimentos à mãe. – acrescentava a velha. Enquanto o Parrecas se afastava, Maria Dolores comentava com a velha da janela em frente, Maria Desgraça – Aquele Parrecas nunca mais se casa! Não há rapariga que se chegue para ele! É compreensível, o rapaz não é beleza nenhuma…

Teoria confirmada, as velhas da aldeia são uns verdadeiros amores. Umas queridas! Se todos tivéssemos uma Maria Dolores ou uma Maria Desgraça em casa, vivíamos mais felizes.

Esta era uma rotina a que o Parrecas já se habituara. Todos os fins de semana, de manhã cedo, saía de casa a caminho dos pastos para ordenhar as vacas. Todos os rendimentos da família vinham daquela lavoura, e por isso ajudava o pai quando não havia escola.

Aquele cenário verde, os pastos onde estavam as vacas de todos os lavradores, era encantador. Era a prova viva de que Deus realmente existia. Quem mais poderia ter criado aquelas irregularidades no terreno? Ora descia, ora subia. Uns montes aqui e umas matas ali. O nevoeiro já desaparecera e o sol parecia ter vindo para ficar, aquecendo vacas e incomodando gaivotas com comichão. Uma terra divina, com gente como Maria Dolores e Maria Desgraça.

Após a ordenha, um almoço esperava o Parrecas. O mesmo prato de sempre, é claro: sopa de couves com feijão.

- Ó mulher! A sopa está quente como o diabo! Já disse que não a queria assim. – reclamava o pai à mãe.

- Come e cala – te, mas é! – respondia a mãe.- Já te pagaram a renda, homem?

A mãe era o espírito da casa. Sem ela não havia lavoura, não havia dinheiro, não havia nada. Era ela que se encarregava das contas e das finanças. Sempre fora uma figura determinada e discreta, sabia cumprir o seu papel. Em casa, o pai e o Parrecas viviam escravos das ideias dela. Para fora, o pai mostrava – se um chefe de família seguro e rígido. Resumindo, todas as saídas de casa resultavam num teatro, em que cada membro da família era um ator profissional. Porém, toda a aldeia sabia que era ela quem governava a casa. O jovem não sabia ao certo por que razão a mãe se casara com o pai, talvez por interesses financeiros. A perspectiva da mãe naquele casamento fazia-lhe lembrar a expressão vicentina: “Mais quero asno que me leve, que cavalo que me derrube”.

Ninguém gostava muito da mãe. Quando ela andava na rua todos a olhavam, não pela positiva, mas por ser uma figura que incomodava o olhar. Era muito gorda e também não era bonita. Na verdade, era muito feia, era horrível, era asquerosa. Tinha uma cara gorda e um nariz redondo. Os olhos eram pequenos, mas viam bem. A sua presença assustava tudo e todos. As vacas tremiam só de a ver. O seu corpo acompanhava a mente. As suas ideias eram terríveis e diabólicas, sempre com o mesmo objetivo final: o dinheiro e o lucro.

- Ainda não. Aquele velhaco do Fonseca paga – me sempre em atraso. – respondia o pai, com o seu pior tom de voz. Quando ficava indignado, o sangue subia – lhe ao rosto e ficava vermelho como um tomate.

- Vê se estudas Parrecas, para ver se não te tornas um tolo como o teu pai – insultava a mãe. Este tipo de comentário já era natural em casa e o pai concordava alegremente.

Na verdade, o Parrecas não queria ser médico como o pai e a mãe tanto lhe imploravam. Ele queria ser mais. Ele queria ser primeiro-ministro! Isso sim seria um cargo digno do seu intelecto. Já se imaginava a governar o país. Uma das principais reformas seria incentivar agricultores e lavradores e desvalorizar a cultura. De facto, o Parrecas nunca percebera o sentido da cultura, principalmente o da arte. Mas afinal qual era a utilidade da arte? Nenhuma! Para que serve uma pintura? Para nada! O Parrecas nunca entendera para que fim o Estado comprava obras de arte. Por isso, quando fosse primeiro-ministro iria ser pragmático e racional. Só assim Portugal evoluiria. Então, o Parrecas seria reconhecido por todos e chamar-lhe-iam “O ilustre Parrecas”!

- Tens teste esta semana, Parrecas?

- Tenho, mãe. Teste de Filosofia. A pior das disciplinas. Uma disciplina que não faz sentido, que dá dores de cabeça. É pior que Matemática. – confessara o Parrecas.

- Mas afinal, o que é que fazes em Filosofia?

- Nada! Estamos sempre a fazer perguntas estúpidas e a estudar teorias estúpidas. Lembro-me quando estudámos os vários argumentos sobre a existência de Deus. Lembro-me de estudar um comunista que duvidava da presença do Nosso Salvador! – contava o Parrecas.

- Isso não, meu filho! Isso não! Comunismo é uma doença! Nunca te deixes levar por esses homens! Isso não! – a mãe abominava política, sobretudo quando falavam de esquerda. Esse ódio tinha como principal origem o medo. O medo de perder terrenos e propriedades para a esquerda. Ou seja, todos eram fortes apoiantes do partido conservador, que se dizia centrista.

Depois do almoço, a família fizera a sua habitual sesta da tarde. Deitavam – se nos sofás ao som de um programa qualquer que dava na televisão. A vontade de dormir nunca fora muito amiga do Parrecas e, portanto, o jovem ficava na cozinha a venerar e a rezar para um bocado de cerâmica, que diziam ser Nossa Senhora de Fátima. A religião sempre estivera muito enraizada no modo de viver da família do Parrecas. Aliás, a religião estava presente em todas as casas da aldeia. E era assim que devia ser, concluíra o Parrecas. Nunca houvera ninguém que se atrevera a questionar a vontade de Deus. Em suma, a aldeia vivia na Idade Média, mas era um paraíso. Uma terra divina com gente como Maria Dolores e Maria Desgraça.

Após as orações, as sestas e os estudos de Filosofia, a família Parrecas caminhava para a igreja da aldeia. A distância entre a igreja e a casa dos Parrecas não era muito longa, e era possível ver o edifício religioso em qualquer parte da aldeia.

Quando lá chegaram, estava um pequeno grupo de velhos no nártex a discutir política e futebol, enquanto que as suas senhoras já se encontravam no interior, sentadas a rezar pela alma de um Joaquim Machado qualquer. Já era tempo de usar manga curta, mas a lei obrigava as velhas viúvas a taparem – se de preto dos pés à cabeça.

Mal entrara na igreja, o Parrecas ficara, mais uma vez, fascinado com o portal. Que magnífico portal, pensara. O portal era tão lindo que mal se identificava o estilo a que pertencia. As arquivoltas e os colunelos eram tão mal esculpidos que não se percebia se tinham motivos vegetalistas ou figuras antropomórficas. Agora no interior da igreja, o fascínio do Parrecas crescia de segundo a segundo. Os olhos do jovem observavam a imensidão daquela minúscula nave principal. A igreja era tão ricamente decorada que até havia uns nichos sem esculturas. Esta era a igreja ideal para o Parrecas. Para ele, era uma verdadeira catedral, um modelo a seguir. Mas afinal, onde estavam os arcos ogivais? E as abóbadas de berço? E as cinco naves? Sim, o intelecto do Parrecas dizia que aquilo era um modelo a seguir.

Mas se alguém pensara que a igreja da aldeia se reduzira a isto, está enganado. Aliás, a riqueza da aldeia confirmava – se no ouro de Nossa Senhora de Fátima e na barriga do padre. A coroa da Virgem era tão exuberante quanto as refeições do pároco. Era habitual o povo oferecer tudo o que tinha para alcançar a vida eterna, e este pensamento tornara-se numa propaganda recorrente. Assim, o sacerdote podia desfrutar de luxuosas jantaradas nos melhores restaurantes e Nossa Senhora de Fátima podia sufocar – se em joias e ouros. O olhar do Parrecas focara-se no altar – mor, onde estava a dita escultura da Virgem. Todos veneravam aqueles olhos de piedade e sofrimento, enquanto contavam e ouviam novidades das vidas dos outros.

O santo padre chegara finalmente e a assembleia emudecera.

- Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo – zurrara o padre. Estes rituais tornavam – se chatos e cansativos. Depois do coro desafinado e de velhos a tossir, a celebração finalmente terminara. A multidão dispersara-se e o padre fugira do povo o mais rápido que conseguira. O Parrecas não retirara muita informação da homilia do sacerdote, mas a conclusão a que chegara era a mesma de sempre: paz, amor, temor a Deus e umas outras lengalengas quaisquer. O padre que dizia isto era o mesmo que fora apanhado com um garoto de oito anos. Não era novidade nenhuma e o povo já se acostumara com estas situações.

Numa marcha lenta, a multidão afastava-se da igreja e cada um seguia o seu caminho até casa. Os casais de mãos dadas que olhavam para as roupas e os ouros dos outros, as velhas viúvas que criticavam e censuravam os filhos dos outros e até os gatos de rua que invejavam a gordura dos gatos caseiros preparavam-se para as festividades da aldeia. Todos olhavam para a casa da D. Maria Desgosto, que estava em obras. A casa estava a ser pintada e os jardins a serem tratados, visto que nas festividades a procissão com Nossa Senhora de Fátima iria lá passar. Que vergonha não ter a casa a preceito, não fosse a Virgem castigar a velha. A aldeia inteira estava determinada a arranjos semelhantes, e a família Parrecas não fora exceção.

Cada um tinha a sua tarefa e a agitação começara. A mãe já fizera a lista de compras para fazer os seus bolos, o pai já comprara as tintas e as flores para preparar a casa e o Parrecas tivera que estudar para o teste de Filosofia. O jovem não conseguira concentrar-se e até se distraía com as paredes do quarto. Não lhe apetecia estar a ler o resmungão do Nietzsche ou o chato do Kant. Só conseguia pensar numa rapariguinha da turma dele. Tal pensamento era proibido pelos pais, já que o Parrecas tinha que seguir uma vida de estudo e trabalho e não poderia distrair-se com raparigas. «As mulheres só te vão distrair», dissera-lhe a mãe um dia. Estava consciente de que devia lembrar-se disso, mas só conseguia pensar na possibilidade da rapariga aparecer nas festas.

O melhor seria esquecer os estudos e dar uma volta. O Parrecas, da janela do seu quarto, já via progressos no jardim e observava o pai a pintar o muro, resmungando qualquer coisa sobre a mãe. O jovem descera as escadas e um cheiro doce e familiar despertara a sua fome. Caminhou até à cozinha e vira a mãe a tirar do forno as suas queijadas.

– Já Já estão prontas? – perguntava o Parrecas.

– Estão, sim. – respondia a mãe – E tu? Já estudaste tudo o que tinhas para estudar?

– Sim, claro. – mentia ele.

Enquanto caminhava pelas ruas estreitas da aldeia, tentava imaginar como iria ser bom viver em Lisboa, quando fosse tirar o seu curso. Já estava farto daquela rotina. Já estava farto daquele cenário diabolicamente encantador. Estava farto das vacas e das velhas cuscas. Tudo era uma canseira, mas no fundo sabia que vivia no paraíso. Não havia, certamente, melhor lugar que a sua aldeia. No fundo, a paisagem não era apenas encantadora… era extraordinária! No fundo, as vacas não eram nojentas… só não eram muito limpas! No fundo, as velhas não eram cuscas… eram só curiosas! Censurava-se por ter inferiorizado o paraíso onde vivia. Apenas pensara naquilo porque o que mais lhe aborrecia era a monotonia da sua terra. O seu próximo passo seria desculpar-se diante de um santo qualquer.

II

No caminho para a escola, o Parrecas tentara recordar algumas teorias de Filosofia, contudo, era um tanto quanto impossível, visto que o ambiente na camioneta estava para lá de caótico. As crianças mais novas faziam um ruído insuportável e as velhas tentavam, sem sucesso, ocultar as suas conversas. Para além do mais, era impossível ler alguma coisa do livro com os movimentos bruscos do transporte, que dava enjoos só o decifrar de uma frase. De facto, o Parrecas não se sentia muito confiante para o teste, mas sabia que tinha de manter a sua imagem de segurança. Nesse dia, também iria receber a sua produção escrita de português, sem dúvida um texto digno de publicação. Uma obra ao nível queirosiano. Aliás, aprendera com os mestres para ultrapassá-los, e esse texto refletia, sem dúvida, uma nova visão literária. Estava consciente que o professor não era dotado das capacidades suficientes para perceber tão magnífico feito. Toda a produção intelectual do jovem Parrecas era fruto de uma mente brilhante, que nem todos valorizavam devidamente.

Ao terminar o percurso, o jovem entrou na escola e cumprimentou os seus colegas, que compreendiam os seus ideais e o seu intelecto. Discutiam os mais variados assuntos, desde a política à religião.

– As obras de Marx e Engels são um insulto ao nosso estilo de vida! – afirmava, convicta e orgulhosamente, o Parrecas.

– Concordo, concordo. – admitia um colega.

– A presença da Igreja no Estado é fundamental! – completava o Parrecas.

– Concordo, concordo. – admitia outro colega.

– A arte é inútil! – acrescentava, novamente, o Parrecas.

– Concordo, concordo. – assentia outro colega.

Eram assim os debates do Parrecas: dinâmicos e polémicos. Partilhavam-se muitos pontos de vista, onde cada um pensava de modo diferente, isto é, as diferentes ideologias faziam o Parrecas questionar realmente no que acreditava. Assim, o jovem tinha acesso a uma inesgotável fonte de opiniões.

– O professor já entrou! – avisara um colega.

A chegada do professor era a chamada para a entrada na sala de aula. Como que em rebanho, toda a turma entrara em engarrafamento, instalando-se nos seus devidos lugares. Este ritual vinha acompanhado por risinhos e barulhinhos, já que o professor de português não tinha a capacidade de disciplina e ordem. O Parrecas detestava a bondade e a ingenuidade do professor, que fingia não ver os telemóveis a serem usados pelos alunos enquanto a aula era dada.

As produções escritas começaram a ser distribuídas pelos alunos e o Parrecas fingia a sua segurança. Foi nesse momento que lhe foi entregue a sua obra prima, com quinze valores escrito no topo. Não podia acreditar. Ou o professor enganara-se no teste ou não sabia dar notas justas. Não podia acreditar na injustiça que lhe chegara às mãos. Concluíra, então, que o professor não conseguia compreender o seu génio e a sua escrita revolucionária. O grande entrave na sua carreira seriam estes professores incultos, que desvalorizavam os alunos grandiosos como o Parrecas. Assim, decidiria protestar e reclamar de tal calúnia disparatada.

– Professor! Creio que se equivocou na correção da minha prova!- começara o Parrecas.

– O que se passa, afinal?

–  Você classificou-me apenas com quinze valores, o que acho um erro tremendo.

– Existem aí algumas gralhas e falhas que não pude ignorar. Segundo os meus critérios, é essa a tua nota. Mas tens alguma questão em específico? – respondera o professor, já habituado aos alaridos do jovem.

– Não sei se sabe, meu caro, mas está na presença de um jovem prodígio. A minha escrita é inovadora e revolucionária. Eu, o brilhante Parrecas, escrevo como um Eça ou como um Camões. Ou seja, a revisão deste teste é de extrema urgência. – argumentara o aluno que, enquanto discursara, toda a turma se admirara com o seu rico vocabulário, digno de um poeta.

– Vamos lá falar como deve de ser. Tens alguma dúvida, em concreto, da correção? Somei mal os pontos? Achas que foste devidamente coerente com o tema?

– Não percebo a sua leiguice, professor. Exijo uma revisão imediata desta obra-prima! – completara o Parrecas.

Assim, o brilhante Parrecas ia ganhando a confiança e a admiração dos colegas. Todos lhe prestavam vassalagem, visto estarem na presença de um génio, de um sábio, de um culto, de um mestre. Na verdade, nunca ninguém chegara a ler a sua produção escrita, porém, a sua eloquência e persuasão cativava tudo e todos. Quando este génio tomava a palavra, a turma ficava perplexa. O conhecimento era algo pouco procurado naqueles alunos, logo, o extremo da intelectualidade era o Parrecas.

Não eram só os alunos que se deixavam levar pelo génio deste adolescente, os professores também o idolatravam. Aliás, os docentes não tinham outro remédio senão resignar-se à tirania do Parrecas. Muitos ignoravam-no e outros tentavam compreender as suas ordens. Em suma, a classificação da composição foi alterada, tal como muitas outras avaliações. O problema da nota de português estava resolvido, contudo, o teste de Filosofia era um problema para o jovem.

Quando começaram a resolver a prova, todos escreviam aceleradamente com um olho no relógio. O Parrecas parecia não acreditar: não sabia nada do que aquela folha de papel lhe questionava. Respondeu a tudo, arranjou argumentos e conseguiu safar-se. Assim como o teste anterior, este também foi salvo pela escrita queirosiana do adolescente. Não havia professor que tivesse coragem de confrontar tais nobres atitudes.

A escola estava a terminar e a média do Parrecas era promissora. Convencera todos os professores e estava seguro de que uma prestigiada universidade era já uma hipótese válida. Tinha mais um ano de aulas e exames até lá, mas o seu currículo não apresentava mais do que excelentes notas. Não fizera voluntariado, não trabalhara durante as férias e não fora presidente da associação de estudantes. Isso sim! O genial Parrecas seria o próximo presidente da associação de estudantes! Que cargo tão digno de um jovem tão digno. Iria ser fácil convencer os colegas a votarem nele. Manipulá-los-ia de tal forma que a maioria absoluta estava garantida. Aliás, nem precisava de se esforçar muito: não havia colega que perdesse um dos seus discursos. Toda a escola venerava os seus ideais. E para além do mais, sabia que os seus colegas não tinham por hábito pensarem pela sua própria cabeça: não se informavam, não se atualizavam, não debatiam nem procuravam conhecimento. Ou seja, persuadir alguém que só fala de futebol ou de maquilhagem seria acessível, muito simples para os padrões de um génio.

Estava convencido de que se apresentasse candidatura não haveria lista adversária. Estava decidido! O jovem Parrecas candidatar-se-ia para o cargo. Durante o verão ia procurar colaboradores e possíveis membros. Não haveria alguém disposto a negar semelhante oferta. Afinal, não é todos os dias que se é convidado por um intelectual do ensino secundário. Ser presidente deste órgão podia ser bom para o futuro, refletiu. Seria como um treino para a atividade política. Seria como um treino para primeiro-ministro! Caso ganhasse as eleições, provaria finalmente aos pais do que era capaz! Mover e convencer rebanhos era a sua especialidade. Não queria ser médico ou enfermeiro, queria governar um país. Queria governar alguma coisa, nem que fosse a escola ou o lar de idosos.

Deixou-se de pensamentos triunfantes. Estava na paragem de autocarros da escola e tentava avistar o seu, que se aproximava ao longe, qual caracol adormecido. Aquele lugar era decadente: os adolescentes, sem perspectivas de futuro, que fumavam para parecerem adultos aos olhos de todos, os namorados, sem perspectivas de futuro, que se beijavam porque não conseguiam controlar a ânsia de satisfazer o seu apetite e os grupinhos de amigos, sem perspectivas de futuro, com temas de conversa entediantes e ignorantes. Toda aquela gente podia desfrutar e vislumbrar da presença do jovem Parrecas, contudo, preferiam ignorar o futuro primeiro -ministro de uma nação.

Quando chegara a casa estava destinado a seguir direitinho para a ordenha da tarde. Empolgava-lhe o facto de ver crescer, viver e morrer uma vaca, era um ciclo interessante. Gostava de acompanhar o quotidiano dos animais. Nem todos tinham aquela sorte e felicitou-se por ter uma família com gado. Gostava do ambiente da profissão e reconhecia o esforço do pai. Todos os lavradores eram, regra geral, bondosos e educados: gritavam em vez de falar, esbracejavam enquanto conversavam, não tinham modos à mesa e eram ferozes contra tudo o que se lhes opunha. Esta classe tivera um grande poder e influência na aldeia, chegando ao ponto de censurar, reprimir e condenar atividades dos partidos políticos que se diferenciavam das suas ideologias. Nos dias de hoje, muitos lavradores viviam limitados na sua mentalidade retrógrada, incapazes de reconhecerem a sua ignorância e conservadorismo que, por vezes, até se orgulhavam. Incapazes de reconhecerem os progressos, o racionalismo e o conhecimento. Viviam cegos por um pensamento teocêntrico e incoerente, deturpando a lógica: intitulavam a ignorância de bondade de espírito, denominavam a pobreza de humildade e apelidavam o conhecimento de insolência. Negavam abdicar das suas origens, muitas vezes incorretas, afirmando serem tradições, por muito mais estúpidas que fossem. Recusavam o mundo urbano e orgulhavam-se intensamente das suas vivências. De facto, eram criaturas que ferviam em pouca água, aborreciam-se com tudo e ficavam vermelhos e a fumegar por tudo e por nada. Isto é, eram pessoas benevolentes, piedosas e generosas. Não havia melhor gente!

A ordenha estava para terminar e o Parrecas sensibilizou-se, mais uma vez, com o espaço que o rodeava. Uma leve brisa fria corria no ar, contrariando o sol radiante da manhã. De facto, um dos preços a pagar por viver na insularidade são as instáveis condições atmosféricas. A temperatura, o sol, as nuvens, o calor e o frio variavam ao longo do dia, e também consoante o local. Era um preço a que o jovem já se habituara, na verdade, não fazia sentido viver no paraíso sem um único senão. Ao longe, via o Atlântico um pouco revoltado para a estação. Com o dia a terminar, os pequenos montes iam desenhando a sua sombra na aldeia. As vacas começaram a deitar-se, uma a uma, nas maiores calmas que um animal irracional pode ter. Para além da brisa fresca, juntava-se um aroma a estrume, a erva ensilada e a terra. Ao olhar para as suas botas pretas de borracha de cano alto, constatou que se encontravam completamente imundas. Não se preocupando muito com a limpeza, o jovem enfiou-se na carrinha, sabendo que o pai não se importaria com a sujidade. Regressavam a casa, completando assim, mais um dia de rotina. O pai do Parrecas segurava o volante com pouca firmeza, distraindo-se, por vezes, com o cigarro que levava na boca. A descrição da figura paterna sempre estivera na memória do Parrecas como alguém revoltado e perturbado. O seu rosto estava como sempre: encarnado e abrasador. Agora mais do que nunca, o pai encontrava-se com um corpo roliço e volumoso. Estava mesmo gordo. Tão gordo que o assento da carrinha ficava facilmente preenchido. O seu peso deixava uma marca tão funda no assento que quase abria buraco. A gordura era visível na cara que se dobrava no queixo e no pescoço, formando ondas; era visível nas pernas roliças; era obviamente visível na barriga descaída e descuidada, como também nas mãos que faziam parecer os dedos pequenos. Contudo, ninguém da aldeia via a sua corpulência com maus olhos. Ou melhor, todos viam a sua corpulência como sinal de saúde, de riqueza e de boa alimentação, confirmando o antigo ditado: “Gordura é formusura”.

Ao percorrerem o emaranhado de ruas da aldeia, o pai ia comentando o programa das festas e as suas atividades. No seu discurso, era notória a sua ignorância. Quando escrevia, o pai dava muitos erros ortográficos, fruto da sua iliteracia. Com mais alguns anos de estudo que o pai, o Parrecas falava e escrevia como um verdadeiro poeta, fruto das suas leituras. O pai era muitas vezes julgado pelo jovem, mas o Parrecas sabia bem que o pai nunca se dedicara aos estudos e sempre fora obrigado a continuar a lavoura dos pais, quase como uma antiga tradição.

Assim que chegaram a casa, completavam mais um dia de rotina. E no dia seguinte completariam outro dia. E no dia depois completariam outro dia. A rotina do Parrecas era mesmo monótona. Quando escrevessem a sua biografia, omitiriam os dias entediantes. O jovem começava a questionar-se se alguém alguma vez leria um livro sobre a sua vida. Depois concluiu que se existe público para as biografias do professor Aníbal Cavaco Silva, então também haveria alguém disposto a ler as suas.

O Parrecas orgulhava-se da sua casa, que “Em todo o caso dava uma aguarela”. O pequeno jardim da frente embelezava a moradia com os seus jarros, as suas rosas e as suas hortências. Numa pequena fonte corria um fio de água para que os cães pudessem matar a sede. Um gato saltitava no telhado laranja. Um melro vigiava nos ramos das árvores. Uma abelha zumbia no ar. Uma vaca, ao longe, repousava na erva. Outra vaca, bem perto, repousava na arca frigorífica.

As velhas escondiam-se nas suas casas, ansiosas pelo nascer de um novo dia, para trocarem novas informações umas com as outras.

III

As festas da aldeia prolongavam-se pela noite dentro. A lua não conseguia iluminar tanta animação. A rua principal, a rua da igreja, estava apinhada de gente. A multidão concentrava-se junto dos edifícios religiosos e ia dispersando-se à medida que a rua subia. As casas juntinhas dos dois lados da estrada protegiam as pessoas do frio da noite. As velhas nas varandas apreciavam o evento, tentando identificar as caras conhecidas. Uma variedade de cores pintava o preto do alcatrão e o cinzento do passeio. Essas cores vinham do vestuário das gentes que ali passavam. O branco desgastado das camisas dos velhos; os verdes e os azuis dos calções das crianças; o vermelho das malas das senhoras e os amarelos dos laços das meninas. A roupa era escolhida com alguma antecipação. As mães planeavam as camisas, as saias e os acessórios dos filhos, que estes se recusavam a usar.

Uma miscelânea de sons invadia o largo da igreja: risos, gargalhadas, gritinhos de crianças, altos falatórios, caricas que saltavam das cervejas, cadeiras a arrastarem-se, copos que se partiam, o gás que fugia dos refrigerantes, arrotos, mexericos que não conseguiam ocultar-se, brigas entre rapazes, discussões sobre futebol, tacões de sapatos, isqueiros que acendiam charutos artesanais e a alta música popular que divertia os festeiros.

As casas da rua vestiam-se a preceito. Pintavam-se de cores vivas e brilhantes. Os ferros das varandas formavam padrões complexos e suportavam as colchas pesadas. As colchas eram uma das maiores relíquias que alguém poderia ter. Eram feitas com lãs ásperas por velhas habilidosas. Uma peça colorida que servia unicamente para decoração, especialmente para as festas. Eram arrumadas em armários durante todo o ano, mas tinham que arejar e bronzearem-se ao sol lá de vez em quando. O gato da Maria Dolores observava a folia nos telhados vermelhos, tentando, sem sucesso, ter uma boa noite de sono. Quando a noite começava a preencher muitas horas, as velhas fechavam as janelas e corriam as cortinas, espreitando a multidão com um olho maldoso.

Grandes filas de mesas acolhiam esfomeados que comiam enchidos, queijos, azeitonas, ovos cozidos e bifanas. Os bancos compridos suportavam o peso das barrigas dos homens de meia idade. O senhor José Ferraz, respeitado velho, comia sem deixar nada no prato. Com um bocado de pão na mão bebericava uma vez e outra no vinho tinto. Conversava em certas ocasiões mas aquele não era o dia certo. Taciturno, homem de família, fiel aos valores. Gabara-se toda a vida do seu feitio. Podia, então, comentar e criticar as infelicidades dos outros. Falara mal dos filhos, dos netos, das propriedades e das heranças dos outros. Mal sabia ele o destino que o seu querido Deus lhe reservara. A neta começou a fumar ainda em criança, as suas casas desvalorizaram e as suas poucas heranças foram mínimas. Afinal, o peixe morre é pela língua. O velho tentava tranquilizar os problemas com bebida e refeições calóricas. As crianças cumprimentavam-no com cortesia, mas troçavam da sua família às escondidas.

Um grande grupo de norte americanos cercava os petiscos, atraindo os olhares de todos com as suas palavras e os seus jeitos exóticos, quais criaturas extraterrestres. Aqueles estrangeiros tinham, contudo, sangue insular. Orgulhavam-se da sua bandeira com listras vermelhas e estrelas brancas e achavam engraçado dizer que eram de uma terra distante. Homens e mulheres tinham, há tempos, emigrado para os Estados Unidos em busca de prosperidade e ascensão. Filhos e netos regressavam às suas origens, admirando essa civilização remota e atrasada. Agora, os familiares e conhecidos dos americanos viam-se na obrigação de lhes fornecer habitação, comida e roupa lavada durante as férias de regresso. A senhora Maria Dolores, conhecida da família emigrada, preparara tudo para a chegada dessa gente. Fizera não se sabe quantos bolos e lavara e limpara a casa. Era um tormento preparar todos os dias as refeições para aqueles americanos sedentos de gastronomia típica.

Os jovens também participavam na festa. Entre risinhos e conversas indecentes, os adolescentes tinham a necessidade de confirmar a sua mentalidade adulta. E afinal o que é ser adulto? Discutir política, identificar-se com certas ideologias, procurar o conhecimento, ser responsável, ser autónomo e começar a interiorizar certos valores e atitudes? Não, é claro que não! Ser adulto é muito mais: é poder beber cervejas e fumar cigarros. Ah! Pobres adolescentes… A ignorância impede-os de crescerem. A ignorância é como os óculos escuros: escurece a realidade e trava os raios ultravioleta da sabedoria. Porque quando procuramos o conhecimento, sentimo-nos elevados. Ser culto é poder identificar um escritor, um pintor ou um revolucionário. É poder fascinar os outros. É desenvolver um diálogo com alguém igualmente culto. É debater, é questionar, é escarnecer, é apontar, é viver todos os séculos que existiram. Ser culto é representar as personagens do Renascimento, do Maneirismo, do Surrealismo, do Impressionismo, do Cubismo e de toda a arte! É procurar saber quem foi Dante, Petrarca, Miguel de Cervantes, Camões, Jane Austen, Oscar Wilde, Kafka, Orwell, Voltaire, Kant e todos esses que nos fazem rir, chorar, pensar, revoltar e aborrecer! O conhecimento é poder dizer: não gosto, gosto, detesto, adoro, discordo e concordo! Ser culto é como uma influência de tudo o que foi feito. Mas o maior culto é aquele que olha para o passado com admiração e consegue criar no futuro o novo, o moderno, o único e o revolucionário. O maior culto é aquele que transporta o trabalho dos outros e consegue criar o seu. Ser culto é pintar, é escrever, é cantar, é representar ou apenas ter a habilidade de estimar toda a arte. Enfim, ser culto é dizer que o que aqui está escrito não vale nada, porque já foi feito muito melhor.

O neto da Maria Dolores, jovem cuja auto-estima é irritantemente assustadora, tecia conversas e diálogos ignorantes. Não é que o futebol fosse um desporto ignorante, mas a verdade é que é um desporto, maioritariamente, admirado por ignorantes. Essa estupidez de torcer por um clube é injustificável. Mas afinal o que distingue uma cor da outra? Não há ideologias ou pensamentos diferentes. No fim de contas, adeptos e fervorosos admiradores acabam na discussão sem saberem porquê. Talvez discutam entre si porque a equipa daquele é melhor do que a do outro. Mas porquê? Porque sim! Porque gosto mais do meu! E é este pensamento circular que criou o negócio do futebol. Para além do mais, os admiradores deste desporto têm o atrevimento de apelidá-lo de arte. Sabem que é uma atividade tão baixa que têm a necessidade de elevá-la ao estatuto de arte. Desprezam a pintura e a escrita, mas reconhecem que são fruto de uma intensa produção intelectual, e por isso, acham que o futebol é arte, uma vez que são burros ao ponto de darem aplausos a um merda qualquer que dá uns toques na bola. É por isso que a verdadeira arte morre. Será que podemos concluir que arte é algo elitista? Este jovem tentava impressionar os seus amigos com o seu amplo conhecimento futebolístico, fruto de um intenso período assistindo análises frívolas do desporto em medíocres programas de televisão. Falava muito alto e com termos impróprios e obscenos, impressionando crianças que por ali passavam. Ouvindo o que os adolescentes diziam, os rapazinhos insultavam as meninas com o seu novo vocabulário.

Esse neto da senhora Dolores fazia parte do círculo de amigos do jovem Parrecas. Nesse dia de festa, o grupo conversava sobre os temas mais comuns, nos quais o Parrecas também participava, afinal, um génio não pode ocupar-se somente dos assuntos intelectuais. São as conversas dos outros que lhe fazem lembrar que nem todos podem ser como ele. Para além dessas conversas triviais, como o futebol e as corridas de toiros, os jovens tinham algo em que falavam em comum, sem exceção: raparigas. Sim, raparigas. Miúdas com corpos de mulheres que enfeitiçam corações. E ali estava ela, a paixoneta do ilustre Parrecas. A Musa a quem os cantos de Camões são dedicados. Deusa de perfil grego, que supera as mulheres de Petrarca. Pele torrada do sol das férias. Cabelos cor de avelã, qual mar de inverno revoltado. Vestes delicadas que teimam em fugir do corpo, tudo fruto de uma imaginação erótica. Olhos expressivos, como um esboço em tinta da china. Pele pintada pelas tintas de Cézanne. Maçãs do rosto esculpidas pelas mãos de Canova. A rapariga era o resultado de todas estas palavras e mais algumas. Ah! Que beleza ilimitada! Mas qual mente descuidada. É claro que quem perde muito tempo a cuidar da imagem, acaba por não conseguir desenvolver o intelecto, já dizia Oscar Wilde: “(…) a verdadeira beleza, acaba onde a expressão intelectual começa.” Mas também isso não era problema algum. Para o Parrecas, a melhor mulher é aquela que se deixa dominar. É aquela que opta pela submissão e desiste do conhecimento. É aquela que não questiona e resigna-se à sua ignorância. Era, no fundo, a mulher perfeita. Um verdadeiro cânone a seguir.

Nestes pensamentos de poeta, o jovem aproximara-se dela com a intenção de lhe cortejar, quem sabe, até convidá-la para um passeio. Não seria uma conversa sem intenção, disparatada. Tinha a desculpa de lhe convidar para a sua lista da associação de estudantes. Essa rapariga pertencia à elite (não a intelectual) da escola, estava no topo da cadeia alimentar. Tinha o estatuto perfeito para a sua lista: era venerada, invejada e admirada. Esses alunos que prezam o prazer da tontice. Então, trocando umas passadas, o jovem mirou-a e abordou-a. Não estava com insegurança alguma como muitos rapazes, o segredo é manter a gabarolice.

– Boas. Tudo bem contigo? – perguntara o Parrecas, que enveredara por um discurso diplomático, típico de um intelectual.

– Oh! Olá Parrecas! O que te traz por cá? – respondia ela.

– Como já deves saber, vou formar uma lista para a associação de estudantes. Estou aqui para te propor o cargo de vice-presidente. Creio que a tua presença será essencial para a vitória nas eleições.

– Que bom! Obrigada pelo convite. Aceito, é claro. – cantava ela, na sua melodia harmoniosa.

– Ótimo! Também pensei que talvez pudesses querer ir comigo, um dia destes, ao cinema ou assim…

A gargalhada fora geral. As amigas que se encontravam ao redor dela romperam numa risota imparável. O jovem fora troçado e humilhado pela primeira vez, mas a batalha ainda não terminara. Entre soluços de escárnio, a rapariga completou:

– Não posso acreditar! Deves estar a brincar comigo. – gozava a rapariga, ainda cética.

– Não me vou esquecer de tamanha afronta! Mas por quem me tomas? Por um estudante sem moral como tu? Sou um génio! Sou ilustre! Ah! Não me esquecerei! O século seguinte chegará e reconhecerá finalmente o meu intelecto! Terei escolas, estradas, avenidas e praças com o meu nome. Os cronistas opinarão sobre as minhas decisões! Biógrafos interessar-se-ão pela minha vida! Serei um estadista, um patriota, um herói, o salvador da nação! Nunca serei esquecido. O dia em que te arrependerás de ter envergonhado o ilustre Parrecas chegará! O dia em que sentirás remorso e rancor! Ah! Mas eu não me esquecerei! A humanidade elevar-me –á  e abafar-te-á! Vestir-me-ei de glória e medalhas e tu cobrir-te-ás de trapos de fracasso! Não me esquecerei! Nunca! O dia do Juízo Final chegará e terás que confessar as calúnias que me proferiste! – injuriava o Parrecas com a sua eloquência. O rosto ficara-lhe vermelho como o do pai. Enquanto discursava, perdigotos fugiam-lhe da boca. Os olhos arregalaram-se e algumas veias ganharam vida. A tensão manifestava-se no dedo que apontava à sua vítima. – Nunca! Nunca! Nunca me esquecerei de tamanha afronta! Nunca! - terminava, finalmente, o juiz a sua sentença.

Ninguém acreditara no que ouvira. Os grupos de adolescentes que se encontravam perto interromperam as suas conversas e exclamaram ao ouvirem a recitação. Declamava como um génio louco, ensandecera completamente, murmuravam alguns. A bela jovem fugira-lhe como o padre fugia do povo. O Parrecas amedrontara a rapariga como o Adamastor fizera há tempos. A ira escapulira-se-lhe como fogo. Porém, não estava arrependido. Sabia que as suas palavras seriam profecias concretizáveis.

A noite terminara e o jovem acordara com as memórias da noite anterior. Não se esqueceria, mas não valeria a pena recordar tal momento. Fez a sua rotina normalmente e repousava agora junto às vacas. Todo aquele cenário parecia desenhar o mundo bordalliano: o gato preto que se arrepiava no telhado com a água gelada, o sapo na fonte que espreitava os perigos, os caracóis adormecidos, as couves recolhidas pelo pai e os tomates colhidos pela mãe. Vivia, de facto, no paraíso. Mas se queria ser mais e melhor tinha, inevitavelmente, que sair dali. O sino da torre da igreja tocava agora, atraindo fiéis de corações e bolsos cheios.

IV

O verão terminara assim como as férias. Porém, sempre existiram aqueles sujeitos que estão sempre de férias, mesmo estando a trabalhar. O Parrecas não era um desses indivíduos. Sempre fora um jovem de empenho, trabalho e dedicação. Era essa a imagem que tinha de si e que tinha de transmitir aos outros, se queria ser presidente de qualquer órgão, claro. Porém, sempre existiram presidentes sem estas qualidades. O primeiro dia de escola fora-lhe como uma nova era. Um novo período para a associação de estudantes e uma nova ocupação para o seu currículo. Os cargos dos membros da sua lista estavam completos e incluíam, por grande rancor do Parrecas, a bruxa que o negara. Afinal, ela era apenas uma peça no jogo. Era um meio para atingir um fim. Kant dissera-lhe que o que fazia era imoral, mas na política atual há que ser oportunista. Pelo que soube, não haveria lista adversária. Fizeram bem, pensava o Parrecas, reduziram-se à sua ignorância e pouparam a humilhação certa.

Quando a campanha começara, a escola vibrara de energia. Grandes cartazes de tecido, cartolina e papel tentavam convencer os alunos a votarem em determinada lista. Para grande espanto do Parrecas, sempre houvera outra lista. O outro candidato tinha também grande êxito nas classificações. Mas os testes e as provas não eram o necessário para um bom presidente. Um bom candidato é aquele que domina a popularidade e vai ao agrado da opinião geral. E o Parrecas tinha isso, era como um cientista/bilionário/estrela de cinema. Não havia ninguém que não gostasse dele. Para além do mais, toda a sua lista era uma forma de persuadir a maioria. Era composta por raparigas atraentes (que induziam o voto dos rapazes apaixonados), por atletas (que induziam o voto dos admiradores) e por gente que andava com confiança e segurança (que, inexplicavelmente, induziam o voto dos introvertidos).

Toda a lista trabalhara na campanha. Agora era o tempo de semear, e a colheita dos frutos viria certamente. Uns colavam cartazes, outros apelavam ao voto dos estudantes. O Parrecas fizera muitos dos seus discursos no ponto de encontro dos alunos: o bar. O bar era aquele local onde se podia comer, distrair, conversar, comentar, achincalhar e dizer obscenidades, longe dos ouvidos dos professores. Então, nesses grandiosos discursos, o Parrecas apelara ao mesmo de sempre: ao voto, à união e ao bom senso. Sim, só alguém sem bom senso seria capaz de não votar nele. Mas não era assim que se persuadiam alunos a votarem. A melhor forma é o suborno, ou como o Parrecas gostava de dizer: o contrato. Em troca de guloseimas, doçarias, jogos de vídeo, pinturas faciais, porta-chaves e outros brindes o voto estava assegurado. Uma técnica importada pelo Governo Regional, que resultava há uns bons anos.

Músicas com grande aceitação estudantil (nem sempre as melhores) eram ouvidas em alto som durante os intervalos. O bar, onde grande parte da campanha acontecia, ficava completamente preenchido, quais sardinhas enlatadas. Ninguém podia perder aquele momento de festa. Muitos chegavam a faltar às aulas de tanta agitação. Eram dias de extrema diversão. Tudo isto exigia do Parrecas aquela sua atitude específica: um andar seguro, lento e confiante, peito de herói, postura correta, sorriso largo mostrando dentes e cabelinho à escovinha, impecável; vestia as suas camisas de marca e os seus sapatos à vela. Transmitia aquilo que um presidente devia transmitir.

A outra lista ocupou-se do assunto mais trivial e insignificante: as propostas e medidas a apresentar. Apregoavam as suas ideias e não faziam a campanha do suborno. Não é que fosse uma técnica intrinsecamente moral, mas era necessária. Os alunos tinham conhecimento que, de facto, estavam a ser subornados, contudo, não lhes era de todo desfavorável. Afinal, aquelas eleições não iam decidir o destino do país, iam só eleger alguém que defendesse os seus ideais pessoais. Não era um cargo muito cobiçado, tinha só um pouco de relevância. Porém, agora que o Parrecas seria o futuro presidente, este era um posto de máximo estatuto. Os alunos aprenderam a idolatrar o Parrecas, assim como aprenderiam a venerar o seu cargo.

Tal como os alunos, o diretor do conselho executivo da escola já escolhera o seu candidato. Troçara da candidatura da lista adversária do Parrecas como um bom diretor deve fazer. Não tinham hipóteses, anunciara o presidente. O Parrecas vinha ao agrado de todos, até dos funcionários.

Os dias de campanha foram passando e o debate entre candidatos chegara finalmente. O Parrecas considerava-se plenamente preparado. Não ensaiara discurso nem eventuais defesas ou contra argumentos, porque um verdadeiro presidente é aquele que improvisa nas horas de desconforto. A escola toda reunira-se no auditório, em redor do palco. As cadeiras estavam lotadas, uns sentavam-se no chão, outros nas escadas e outros de pé, de tal entusiasmo. Os alunos discutiam, entre berros, o melhor candidato. Os membros das listas provocavam barulhos estridentes e irritantes através de buzinas, palmas e até gritos e bramidos selvagens, desafiando a disciplina da escola. Era o caos total. Só existe uma palavra que melhor pode definir estas campanhas: caos. A madeira das paredes estremecia e as colunas gritavam melodias ruidosas. Os professores eram obrigados a levarem as suas turmas a assistirem ao debate, numa tentativa, fracassada, de incentivar os jovens ao ritual do voto. Os docentes resmungavam entre si nos cantos do auditório, enquanto os alunos faziam a festa. De repente, a plateia emudecera. Um professor subiu ao palco e apresentou os candidatos. Quando o Parrecas se levantara, toda a escola gritara de alegria. Era uma alegria enorme ver um génio como ele candidatar-se a tal cargo, representando todos os seus ideais pessoais. Primeiramente, agradecera a calorosa aceitação dos alunos. De seguida, enunciara as suas medidas (tão bem elaboradas que seriam impossíveis de se concretizarem, prometendo melhores condições na escola: como uma nova pintura, soluções aos problemas de eletricidade e até novos equipamentos desportivos). Por fim, saudara a assembleia presente. As suas propostas foram apresentadas como quem apresenta o New Deal, em plena crise. Foram, sem dúvida, medidas que salvariam e incentivariam os alunos à educação.

– Viva o Parrecas! Viva às suas ideias inovadoras e inspiradoras – sugeria um seguidor da doutrina Parrecas. Este comentário fora alvo de grande aprovação. Novos berros impercetíveis e indecifráveis eram novamente bramidos.

O adversário seguira o mesmo exemplo do Parrecas. Abordara os alunos da mesma maneira. Mas as suas medidas eram fracas, não tinham criatividade. Enfim, eram muito concretizáveis. A sua incompetência veio a refletir-se nos votos. Era, há muito tempo, o resultado que todos esperavam. Os escassos votos decidiam o vencedor. O Parrecas tornara-se, finalmente, o presidente da associação de estudantes! Com uma maioria absoluta esmagadora tudo se comprovava. Provaria aos pais a sua capacidade de liderança e persuasão.

O ano letivo findara. As propostas não se concretizaram, mas todos concordavam que o legado do Parrecas fora determinante para o sucesso da escola. O jovem tinha tudo o que cria: um bom currículo. Os exames foram simples e superficiais para o seu intelecto, as classificações e a média eram excelentes. Tudo corria no melhor caminho. Licenciar-se-ia numa prestigiada universidade de medicina, envergaria pela carreira política e seria conhecido para todo o sempre! O salvador da nação chegaria finalmente!

V

Rafael de Albuquerque sempre fora um inútil, um preguiçoso e um ocioso. Fora a mente mais perturbadora que a sua aldeola alguma vez vira. Era um jovem que não sabia fazer nada, não cortava a relva do jardim, não lavava o carro da família e não se relacionava com ninguém. Era um triste. O maior triste que a sua aldeia alguma vez vira. Para além do mais, ainda se ocupava de uma atividade hedionda que escandalizava os pais: esculpia pequenos rostos e corpos de figuras da Antiguidade Clássica e desses deuses mortos. Tinha umas mãos capazes de esculpirem perfis gregos e olhares sensuais. Enfim, era um produtor da intelectualidade. Fascinavam-lhe as estátuas equestres e a cenografia dos personagens em mármore. Ah! Como o naturalismo de David o impressionava! Como a graciosidade de tais corpos o enlouqueciam!

O jovem estava finalmente em Lisboa. Partira de uma terra humilde e vinha ao encontro do estudo e do prazer. Albuquerque era estudante de escultura na Faculdade de Belas-Artes. Abandonara as casinhas rurais da sua ilha e vislumbrava agora os frontões triangulares e as colunas da capital. Vislumbrava os arcos despidos da igreja do Carmo, que enalteciam o céu adormecido de Lisboa. Vislumbrava aquela arcada sem fim do Terreiro do Paço. Vislumbrava D. José que mirava o Tejo. Vislumbrava a ponte da liberdade, que perfumava o rio com o seu vermelho. Vislumbrava a robustez da Sé, que se impunha naqueles altos de Lisboa. Todo este Manuelino, Maneirismo e Barroco contrastava com o seu berço. Vinha de um povo que estimava touros e desprezava vitrais. Era “ a terra dos bravos”. Mas se a essência desta bravura for a ignorância ao invés de coragem e aventura, então temos uma bravura selvagem e deplorável.

– Albuquerque! – exclamava um colega - Logo à noite temos tertúlia em casa do Ramires. Podemos contar contigo, certo?

– Mas é claro que sim, meu caro. Como vamos passar o sarau desta vez? Discutindo política? Citando Voltaire? Aplaudindo “A Cena do Ódio”? Debatendo um romance? Mal posso esperar!

– respondia Rafael, enquanto ajeitava os seus suspensórios pretos.

– Sim, tudo isso e muito mais. Hoje vamos contar com um convidado de medicina. Dizem que é polémico e extremamente inteligente.

– Assim espero. – sorria o estudante.

A caminho da faculdade, o aspirante a escultor fitava Fernando Pessoa, imortalizado naquela estátua. Outrora genial escritor, hoje símbolo de comércio, vendas e atração turística. Descendo o Chiado e emaranhando o bigode, o jovem fantasiava o seu futuro. Sonhava em ser o Miguel Ângelo ou o Donatello daquele século moderno. Seria ele a inovação! Seria ele a revolução! Ou seria ele um doido ou um mero sonhador fracassado? Pelo menos morreria a tentar. Viveria por uma causa e nunca a abandonaria. Recusar-se-ia a essas vidas medíocres e simples. Não seguiria esse cânone de marido, pai, avô e trabalhador empenhado. Queria aventura, estímulo, ócio, prazer e reconhecimento.

Era o início do ano na faculdade, setembro. Ainda estava quente em Lisboa. Ao contrário das ilhas, era um calor seco. Suportável. A afluência de turistas diminuíra, mas era ainda considerável. O edifício da faculdade não estava em boas condições, todos percebiam isso. Contudo, aquela cor amarela alegrava o Albuquerque. Lembrava-lhe o Terreiro do Paço e os elétricos que se deslocavam freneticamente. Depois da aula de Anatomia Artística, o jovem apressou-se a voltar ao seu apartamento para se preparar para a grande noite filosófica. As festas começavam mal os estudantes se preparavam para estudar. Esta não seria uma noite qualquer. Era um verdadeiro encontro de intelectuais. Uma reprodução dos tempos do Iluminismo, das grandes ideias. E por conseguinte, muitos encaravam o sarau com seriedade. Muitos vestiam-se com o que tinham de melhor. Albuquerque ficara conhecido pelo seu grande gosto. Sabia roubar um suspiro de agrado a uma rapariga apenas com as suas vestes. Nessa noite, vestia um fato e calças de algodão azul escuro, uma camisa branca, um colete às riscas e uma gravata preta simples. Tudo impecavelmente limpo e aprumado. Levava consigo os seus esboços de criações futuras, alvo de grande admiração.

O sol ainda não adormecera quando o Albuquerque chegara a casa do Ramires. Já estava presente quase todo o grupo. Estudantes de todas as faculdades trocavam diferentes pontos de vista em nome da cultura e da sabedoria. Um aluno de pintura conversava sobre Alexandre Dumas com uma aluna de filosofia. Outros comentavam a situação cultural decadente do país. Todos mostravam um pouco da sua área: uns apresentavam ideias e pensamentos, outros projetos e ambições. Falava-se até em fundar um jornal. O Ramires também fizera o seu papel, comprara jornais nacionais e internacionais, fizera gin tónicos, decorara as paredes com Vermeer e Velázquez e expôs a sua grande biblioteca. Num pequeno apartamento, circulavam grandes ideias. Surgiria uma nova corrente daquela gente?

– Oh! Se não é o nosso Rafael de Albuquerque! O nosso escultor! Folgo em saber que estás presente. Vai mostrando e explicando os teus rabiscos ao grupo. Não tarda chega o novo membro de medicina. – dissera o Ramires, todo empolgado, no seu melhor fato de tweed.

– Excelente, meu caro Ramires. Mereces os meus parabéns. O sarau está incrível! Uma verdadeira tertúlia! – respondera.

– Obrigado, obrigado. Já falo contigo, Albuquerque. Vou ali cumprimentar os estudantes de Letras e já volto. Aproveita a noite!

De facto, aquele encontro estava delicioso. Sentia-se um aroma a fado e uma melodia a pintura barroca. Carlos do Carmo cantava aos estudantes, enquanto um fumo de tabaco enevoava a sala. Rafael de Albuquerque bebericava melancolicamente no seu gin tónico, sentado de perna traçada numa poltrona de veludo verde. O seu bigode de ares modernistas despertava as atenções, atraindo rapidamente uma multidão sedenta de arte. Explicava poeticamente a sua paixão pelos capitéis jónicos das colunas. Analisava os corpos contorcidos da escultura “O Rapto da Sabina” de Giovanni da Bologna. Escarnecia da Igreja como Voltaire há tempos fizera. Apontava o dedo à sociedade, como a estátua de César Augusto.

– Enquanto um pai optar por levar um filho a um jogo do Benfica ao invés de o levar a uma exposição de Amadeo de Souza Cardoso, o desejo de Camões não se concretizará. – desabafava o Albuquerque. Estes comentários eram blasfémias na sua terra. Doidices de um jovem. Ali, naquele apartamento, eram encarados como fortes possibilidades.

– Meus amigos! Apresento-vos o ilustre Parrecas! Dedicado estudante de medicina e ferozmente inteligente! – interrompia o Ramires. Estava maravilhado com a presença do jovem na sua festa de cultos. – Sabias que ele é da mesma ilha que a tua, Albuquerque? Não se conhecem? Não? Já te falei dos grandes feitos do Parrecas, meu caro Rafael. Quanto ao Parrecas, penso que não tenha ouvido falar do Albuquerque. Pois bem, é um artista fantástico! Será o melhor escultor português! E veste-se muitíssimo bem, já agora.

– Creio que já nos tenhamos encontrado. É mesmo estudante de artes? Pensei que esses cursos fossem mitos urbanos. O país não precisa desses profissionais para nada. São completamente inúteis. Já pensou em seguir um verdadeiro curso, meu caro Albuquerque? – atirava o génio do Parrecas.

– Vejo que tem uma mente muito confusa. A precisão das ciências que estuda devem estar a atrofiar-lhe a cabeça – respondera, muito divertido com a situação. A pequena multidão de estudantes cercava, agora, os dois intelectuais. Rafael de Albuquerque falava com uma presunção encantadora. O genial Parrecas falava agitado e desconcertado. Vinha com um fato que lhe assentava mal. Não tinha postura, não tinha a atitude de um eloquente. O seu rosto estava chocado. Nunca antes tinha sido verdadeiramente confrontado pela verdadeira cultura.

– Como ousa? O que estudo é extremamente necessário para o desenvolvimento do país! A minha causa é nobre! A sua é perfeitamente inútil!

– Citando Camões: “Porque quem não sabe arte, não na estima.” Tenho dito.

– Nunca precisámos de artistas! Porque o povo português é bravo de natureza! “Que eu canto o peito ilustre Lusitano” – dizia, orgulhosamente, o Parrecas.

– Penso que não entendeste Os Lusíadas na sua totalidade. Deves ter saltado algumas partes, meu caro. – escarnecia Albuquerque - “Dá a terra Lusitana Cipiões, / Césares, Alexandros, e dá Augustos; / Mas não lhe dá, contudo, aqueles dões / Cuja falta os faz duros e robustos. / Octávio, entre as maiores opressões, / Compunha versos doutos e venustos.” Isto é, somos uns ignorantes sem arte. Uns brutos, uns saloios, tal como Vossa Excelência. Analise o Canto V com mais atenção, meu caro.

– Seu insolente! Basta! Recuso-me a ser insultado por um artista de terceira categoria! – berrara o Parrecas. Retirou-se grosseira e rapidamente. Atirou o gin tónico e abandonou o apartamento.

– Parrecas! Não vás, por favor! Suplico-te! – implorara o Ramires, que via o seu encontro arruinado.

Na verdade, a situação fora adorável para os convidados. Presenciaram a fúria de um artista, na maior das calmas. Todos se riam daquela situação hilariante. O ilustre estudante de medicina fora completamente humilhado e envergonhado, diante de uma plateia de cultos e sábios.

– Qual foi a tua ideia, Albuquerque? Passaste-te completamente? Acabamos de perder o melhor estudante de medicina de Lisboa! – dizia o Ramires, muito aflito com a cena que se sucedera.

– Tenha calma, meu caro. Só respondi segundo os valores deste clube. Acordar os ignorantes. Chamá-los à razão. Esse cavalheiro é que se comportou como uma criança mimada. Agora que o vi já