Jornal da Praia

PUB

AREAL DA PRAÍNHA, EM ANGRA DO HEROÍSMO, INTERDITO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MITIGAÇÃO

Sábado, 24 de Agosto de 2019 em Atualidade 219 visualizações Partilhar

AREAL DA PRAÍNHA, EM ANGRA DO HEROÍSMO, INTERDITO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MITIGAÇÃO

A Delegação de Saúde Concelhia de Angra do Heroísmo, em articulação com a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, a Direção Regional dos Assuntos do Mar e a Autoridade Marítima Nacional, decidiu preventivamente interditar a utilização das areias da Prainha, no concelho de Angra do Heroísmo.

Em causa está a deteção na areia da presença de microrganismos que poderão colocar em causa a saúde pública.

A Câmara Municipal de Angra do Heroísmo contratou o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge para proceder a uma recolha certificada de amostras de areia em 10 zonas da praia, a qual foi efetuada a 22 de agosto, sendo que os resultados preliminares indicam a presença de contaminação bacteriológica no areal.

O controlo da qualidade do areal não é obrigatório, nem existem limites legais estabelecidos, mas foi efetuado por iniciativa do Município, apesar de até, ao momento, não ter sido registado qualquer caso de problemas de saúde conexos com a prática balnear na Prainha nos serviços de Saúde do concelho de Angra do Heroísmo.

Considerando os resultados preliminares da análise ao areal da Prainha, a Delegação de Saúde em Angra do Heroísmo, na sequência de reunião realizada sexta-feira com a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, Autoridade Marítima e Direção Regional dos Assuntos do Mar, decidiu interditar o acesso ao areal, de modo a permitir a implementação das medidas de mitigação acordadas entre todas as entidades e que de seguida se elencam:

  • Remoção de camada superficial do areal;
  • Desinfeção em toda a extensão do areal.

De notar, no entanto, que a água balnear continua a cumprir com os limites aplicáveis para a qualidade de água excelente, nos termos da legislação aplicável.

Estes resultados têm sido consecutivamente confirmados desde o início da presente época balnear.

Paralelamente a estas medidas, será implementado um plano regular de amostragem das águas e do areal por forma a esclarecer a origem e a evolução da potencial contaminação, sendo que se pondera, atendendo à divergência dos resultados da qualidade da água balnear relativamente aos da qualidade do areal, que o foco de contaminação tenha origem em terra e não no mar.

Reforça esta presunção o facto de parte das amostras ter sido realizada em zonas do areal sem contacto com o mar.

GaCS/DRS/JP