Jornal da Praia

PUB

FRANCISCO DA SILVA DO CANTO – UM MEMBRO DA FAMÍLIA CANTO

Domingo, 04 de Agosto de 2019 em Opinião 857 visualizações Partilhar

FRANCISCO DA SILVA DO CANTO – UM MEMBRO DA FAMÍLIA CANTO

Há exatos 470 anos, a 4 de agosto de 1549, o 1º Provedor das Armadas dos Açores, Pero Anes do Canto, responsável pelo início da linha de fortes da Ilha Terceira e um dos homens mais poderosos dos Açores no século XVI, recebia uma carta do Governador-geral do Brasil, Tomé de Sousa, a elogiar o trabalho de povoamento da Baía realizado pelo seu filho, Francisco da Silva do Canto.

Pero Anes do Canto nasceu em Guimarães, por volta de 1472/73. A tradição afirma que era descendente de Eduardo de Inglaterra, o Príncipe Negro. Em 1510 casou com Joana de Abarca, filha de Margarida Álvares Merens e Pero de Abarca, sobrinha de Maria de Abarca ou Corte Real, mulher de João Vaz Corte Real, 1º capitão-donatário de Angra. Este casamento, que durou apenas catorze meses, deixou descendência, António Pires do Canto, 2º Provedor das Armadas das ilhas. Em 1517, Pero Anes do Canto casou-se com Violante da Silva, filha de Duarte Galvão, cronista-mor do reino e de D. Catarina de Meneses e Vasconcelos, o qual durou apenas 23 meses. Deste casamento nasceu João da Silva do Canto, o pai de D. Violante do Canto. Teve ainda outros filhos, bastardos, Pedro do Canto, Manuel do Canto e Francisco da Silva do Canto que, com Tomé de Sousa, 1º Governador-Geral do Brasil, foi um dos fundadores da cidade da Baía.

Francisco da Silva do Canto era filho de Pero Anes do Canto e de Francisca Soares. Nasceu em Angra do Heroísmo. O seu pai Pero Anes do Canto deve ter vindo para a Terceira por volta de 1505, primeiro como escrivão do Mestrado de Cristo e do visitador Vasco Afonso. Passou pelo Norte de África, sendo então agraciado como cavaleiro fidalgo da Casa Régia. Iniciou então um processo de construção patrimonial nos Açores que o levou, em 1546, a ser considerado como o mais poderoso fidalgo da região. Nomeado Provedor das Fortificações, Pero Anes do Canto foi o responsável pela pressão feita a Lisboa para a construção da linha de Fortes da Terceira depois de uma tentativa de ataque pirata a Angra. Começou-se a preparar uma linha de defesa, que seria depois traçada por Tommaso Benedetto, a partir de 1567.

O 1º Provedor das Armadas combateu ainda piratas e corsários nos mares dos Açores e, por tudo isso, foi nomeado o primeiro Provedor das Armadas e Naus da Índia em todas as ilhas dos Açores. A partir de então, Pero Anes do Canto enfrentaria dificuldades devido à falta de recursos da Coroa nas ilhas, mas não desistindo dos seus objetivos. Foi nesta época que, a 4 de agosto de 1549, o governador-geral do Brasil Tomé de Sousa enviou para Pero Anes do Canto uma carta em que afirmava que Francisco da Silva do Canto era um homem “honrado” e que fundara a cidade da Baía.

Francisco da Silva do Canto terá provavelmente nascido a 11 de janeiro de 1514 (embora a data não seja certa, há quem aponte o dia 9 de janeiro de 1517). Em 1527, foi armado cavaleiro em África. A 7 de setembro de 1545 recebeu a comenda da ordem de Cristo e a função de ir lutar e proteger a Vila de Alvito, no Algarve. Apresentou-se na região a 20 de novembro de 1546. Um tempo depois, com Tomé de Sousa, com quem serviu em África, partiu para o Brasil. Fundaram a Baía, em 1549, que se tornou a sede do Governo-Geral, o que permitia um melhor controlo das capitanias e um governo mais eficaz do Brasil colonial.

Pero Anes do Canto morreu 9 de janeiro de 1556. No seu testamento, legitima Francisco da Silva do Canto. O primogénito de Pero Anes do Canto, filho do primeiro casamento de Pero Anes do Canto, António Pires do Canto, tornou-se o segundo Provedor das Armadas. João da Silva Canto, que nascera a 10 de março de 1518, filho do segundo casamento, prestou serviços à Coroa em Ceuta, entre os anos de 1546 e 1548, pelos quais recebeu a comenda da Ordem de Cristo da Igreja de Coja. João da Silva Canto, quando regressou à Terceira, exerceu as funções de capitão-mor das Armadas nas ilhas, de provedor da fazenda e também das fortificações, chegando a substituir temporariamente o irmão como Provedor das Armadas, cargo que ocupou novamente aquando da morte de António Pires do Canto e por menoridade do sobrinho, Pedro de Castro do Canto.

João da Silva do Canto casou-se com D. Isabel Correia, acumulando uma imensa fortuna, com bens móveis e imóveis, espalhados pela Terceira, S. Jorge, Faial e Pico. Da esposa herdou algumas terras em S. Miguel. Além disso, contribuiu para o bem da comunidade e das instituições da época, intervindo no processo de construção da nova Sé de Angra e foi também fundador, doador benemérito e provedor da Misericórdia. João da Silva do Canto cedeu as casas e a igreja onde se fundou o Colégio dos Jesuítas e foi devido à sua ação que se iniciou a construção do cais do Porto das Pipas. D. Violante do Canto, sua única herdeira, recebeu assim uma grande fortuna em 1577, com a morte do pai, João da Silva do Canto.

Voltando a Francisco da Silva do Canto, este casou-se com Luísa de Vasconcelos da Câmara, descendente de linhagens de povoadores, que terá nascido por volta de 1530, filha dos terceirenses Pedro Álvares da Fonseca da Câmara (descendente de Pedro Gonçalves da Câmara, 2º capitão do Funchal) e de Andresa Mendes de Vasconcelos (descendente de João Vaz Homem, um irmão do fundador da Praia, Álvaro Martins Homem). Tiveram 3 filhos, João do Canto da Câmara Vasconcelos, Pedro Anes do Canto e Andreza do Canto de Vasconcelos. Todos com descendência de estirpe lutadora pelos interesses dos Açores. Francisco da Silva do Canto terá morrido em data incerta, sendo a década de 60 do século XVI, a mais provável.

Ao olharmos para a Casa do Canto, sobretudo Francisco da Silva do Canto, percebemos como é importante que todos nós assumamos os nossos destinos, sem medos de lutar pelo que acreditamos. É bom que os terceirenses no geral e os praienses no particular endireitem a coluna vertebral, tenham garra e caminhem com a cabeça erguida, criando novos caminhos, superando situações menos fáceis.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 550, de 02 de agosto de 2019.