Jornal da Praia

PUB

Alexandre Gaudêncio

Sexta, 02 de Agosto de 2019 em Editorial 556 visualizações Partilhar

Alexandre Gaudêncio

O Presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande e também líder Regional do PSD, é suspeito da prática de seis crimes, peculato, prevaricação, abuso de poder e falsificação de documentos em contratos celebrados entre a Câmara Municipal da Ribeira Grande e várias empresas.

Alexandre Gaudêncio foi constituído arguido no âmbito da operação "Nortada", levada a cabo pelo Polícia Judiciária, que também anunciou que para além do Presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande foram constituídos outros arguidos, nomeadamente empresários.

O Tribunal da Comarca dos Açores aplicou-lhe medidas de coação: termo de identidade e residência e pagamento de uma caução de 25.000,00 euros, e o tribunal não deliberou outras medidas de coação propostas pelo Ministério Público, que pretendiam impedir Alexandre Gaudêncio de exercer cargos públicos e ou funções políticas.

Quer Alexandre Gaudêncio, quer as cúpulas responsáveis pela chefia do PSD nos Açores entenderam que Alexandre Gaudêncio por ser arguido não devia deixar de exercer o cargo de Presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande e de também desempenhar as funções de liderança do PSD Regional.

É verdade e não temos duvidas, que qualquer arguido se presume inocente até ao trânsito em julgado da sentença criminal e nada implica que deixe de exercer funções laborais, mas em nosso modesto entender tal situação não tem cabimento para os políticos e para as pessoas que desempenham cargos políticos, pois a ética republicana assim impõe, caso contrário demonstra por si só a avidez no carreirismo politico, e "que mina a credibilidade politica de Gaudêncio", quer como Presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, quer enquanto líder Regional do PSD, o que nos causa imensa admiração e espanto, foi que não há muito tempo Alexandre Gaudêncio enquanto líder do PSD, na Região Autónoma dos Açores pretendia que um Director Regional e um Assessor do Governo Regional ao serem constituídos arguidos por iguais suspeitas criminais de que ele agora está indiciado, deveriam demitir-se ou serem demitidos por quem de direito, e como muito bem afirmou Osvaldo Cabral ao comentar este caso "os políticos estão a beber o próprio veneno que inventaram".

Em democracia não são admissíveis comportamentos como estes, e daí cada vez maior o desinteresse da população pela política e pelos políticos, o que desemboca em taxas altíssimas de abstenção aquando de eleições, quer sejam Locais, Regionais ou Nacionais.

Alexandre Gaudêncio não fez o que devia e por isso fica devendo o que não faz, ora o 25 de Abril, não foi uma revolução só de cravos e canções, foi uma revolta inteira do povo, conjuntamente com oficiais das Forças Armadas para se pôr termo à ditadura fascista do Estado Novo, restaurar a democracia, onde a “lisura nos procedimentos, rectidão nos juízos de valor, extrema lealdade, exemplar tolerância” devem ser os modos dos políticos e dos governantes, porque quem não evita males podendo e devendo, vem a ser causa de muitos males.

Concluímos que Alexandre Gaudêncio ao comportar-se desta forma absurda, não acredita naquilo que defende, o que é um grande male para quem pretende ser político, atitude que em democracia não deve ser admitida.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com