Jornal da Praia

PUB

AÇORES NA EUROPA

Quinta, 01 de Agosto de 2019 em Opinião 151 visualizações Partilhar

AÇORES NA EUROPA

Os Açores perderam o seu único Deputado no Parlamento Europeu. Confesso ter alguma dificuldade em escrever sobre este assunto, no respeito pela perda e pela preservação da dimensão privada da família e amigos de André Bradford, mas há uma dimensão pública desta perda que deve merecer uma acção política que não pode ser descurada, a bem do interesse colectivo.

Por deferência à memória de André Bradford e num singelo jeito de homenagem, começo por partilhar a minha consideração pelo próprio, que tive oportunidade de lho expressar pessoalmente. A sua candidatura ao Parlamento Europeu aproximou-nos, mas o que quero aqui destacar foi a forma com que se me dirigiu no decorrer da sua campanha eleitoral. André Bradford podia simplesmente, como tantos outros, ter apenas apresentado as suas propostas, mas não se coibiu de fazer publicamente e em diversas ocasiões uma menção elogiosa ao trabalho que desenvolvi enquanto Eurodeputada. Poder-se-ia dizer que este seria um sinal de inteligência política, dado que se apresentava como único candidato Açoriano, mas quantos se atreveriam a elogiar um elemento de uma outra força partidária? Quando, por vezes, nem os "da casa" o fazem, André Bradford destacou-se-me pela elevação.

Mas para além da fatalidade humana, pela primeira vez na história da nossa integração europeia, os Açores ficaram sem representante directo no Parlamento Europeu. Resta garantir que este não constitua um precedente. Já há um ano alertei, numa das minhas crónicas, para a importância de aprofundarmos a nossa autonomia junto das instituições europeias, o que passa pela defesa de um círculo eleitoral próprio ao Parlamento Europeu. Agora, pelas piores razões, é uma necessidade. Sendo esta uma competência nacional, concordo, assim, em absoluto com a posição apresentada por João Bosco Mota Amaral quanto à exigência que se coloca nas próximas eleições à Assembleia da República. É imperativo que os partidos políticos inscrevam no seu programa de candidatura uma alteração legislativa para a constituição de um círculo eleitoral próprio para cada uma das Regiões Autónomas nas eleições europeias.

Não obstante, e porque este processo dependerá da constituição de uma maioria a nível nacional, importa que se destaque os prejuízos que decorrem para o País e para ambas as Regiões Autónomas pelo facto destas estarem sub-representadas no Parlamento Europeu. Aos responsáveis políticos há que evidenciar as dificuldades e o que estamos a perder por não termos negociadores parlamentares que sejam profundos conhecedores das potencialidades naturais e político-administrativas destas regiões, nos diversos fóruns de discussão em que as Regiões Ultraperiféricas assumem preponderância na dinâmica europeia. Ao PSD/Açores e ao PS/Açores exige-se que cedam à tentação de apresentarem paliativos para esta grave situação, como se pudéssemos minimizar os prejuízos por não termos Deputados Açorianos em Bruxelas. Urge que criem, preferencialmente de forma concertada entre si, uma nova forma de organização no Parlamento Europeu, com um elevado grau de autonomia na acção, que tenha como missão assegurar que não se tome como admissível a situação actual.

Sofia Ribeiro
www.facebook.com/maisacores
sribeiro.maisacores@gmail.com