Jornal da Praia

PUB

DEMOCRACIA INQUINADA

Sexta, 26 de Julho de 2019 em Opinião 172 visualizações Partilhar

DEMOCRACIA INQUINADA

A Democracia portuguesa está sem oposição. Desbaratada, fraca e desnorteada, vive à mercê dos oportunistas e vendedores de banha da cobra. Está cada vez mais imprópria para consumo e com data de validade dúbia.

O Partido Comunista é jurássico para os dias de hoje; O Bloco não tem esquerda nem norte, sendo apenas um aproveitador ocasional; O Pan continua no útero popular e arrisca-se a prematuro, pelo que necessitará de estufa para amadurecer.

A crer nas últimas sondagens, o Partido Socialista pode obter maioria absoluta em outubro, considerando o tiro no vazio que foi a eleição social-democrata de Rui Rio para liderar um partido cheio de rachaduras internas. O PSD/PPD é neste momento uma erupção de lava e vai queimar muita gente. José Manuel Bolieiro que se cuide...

Tal como escrevi há dias, “...a tão secretamente desejada maioria socialista, que alguns círculos já comentam...”, veio agora à rua pelas sondagens nacionais.

Claro que a oposição pode afirmar que valem o que valem. O mesmo podem dizer de um diagnóstico dado por um médico sobre uma qualquer doença: vale o que vale.

O problema é que estas coisas são científicas e todas as oposições, quando não lhes convém, dizem sempre o mesmo: sondagens valem o que valem. Mas se as sondagens fossem a seu favor, diriam que a razão popular está à vista e o governo só tem que obedecer... etc, etc.

Não sei como podem os sociais-democratas ir para campanha eleitoral nas atuais condições éticas. Se Rui Rio teve (e tem) autoridade para não permitir que um candidato açoriano fosse na lista para as eleições europeias em lugar elegível, impondo o seu autoritarismo às instâncias açorianas da sua sucursal - caso Mota Amaral - o mesmo Rui Rio deveria agora chamar a atenção do seu subalterno açoriano, ou mesmo impor a sua destituição, até que o caso que o fez arguido esclareça toda a situação.

Ninguém pode ser candidato em posição obscura, opaca, eticamente discutível.

Se é verdade jurídica que Alexandre Gaudêncio é inocente até prova em contrário, não é menos verdade que em democracia, os candidatos se devem apresentar diante do povo como pessoas cuja transparência deve ser íntegra e intocável, pelo menos no momento que se apresentam. De outra forma, o povo não vê com bons olhos estes exemplos que, infelizmente, já abundam por todo o país e em quase todos os partidos.

Há todo um conjunto de regras de conduta a respeitar em cargos públicos e, ainda mais, representativos da sociedade. De outra forma, menosprezam as mais elementares regras de respeitabilidade e não podem exigir qualquer respeito nem disciplina seja a quem for.

Tal situação reflete menosprezo pelo eleitorado.

É essencial defendermos a Democracia dessas febres aberrantes que podem gerar doenças graves como Trump’s, Bolsonaros e outras inquinações da Liberdade.

Li no “Diário dos Açores” desta semana e apreciei de sobremaneira o que escreveu Mota Amaral, sob o título “André Bradford”, onde aquele senador social-democrata presta sentida homenagem ao malogrado socialista e recém-eleito deputado europeu pelos Açores.

E Mota Amaral, tal como eu e outros já o fizeram, traz à ribalta a necessidade premente dos Açores terem o seu círculo eleitoral europeu, para poder assim garantir a sua representatividade. Mota Amaral escreve e eu subscrevo inteiramente que esta deve ser uma reivindicação dos políticos insulares a apresentar para a campanha de outubro próximo.

Agora que as forças políticas governam em inteira consonância ideológica, neste caso socialista, devem apresentar com urgência esta alteração ao sistema eleitoral. A Madeira não objetaria tal progresso. A necessidade e importância da nossa representatividade insular junto das instâncias europeias, está seriamente comprometida. Vasco Cordeiro deve passar esta mensagem a António Costa, para que a morte de André Bradford não tenha sido politicamente vazia, tal era o seu orgulho em representar os Açores, declarado abertamente em toda a sua campanha. Seria a melhor homenagem política à sua memória.

José Soares