Jornal da Praia

PUB

E PORQUE NÃO… UM SAQUINHO DE SUSPIROS?

Quarta, 24 de Julho de 2019 em Opinião 97 visualizações Partilhar

E PORQUE NÃO… UM SAQUINHO DE SUSPIROS?

Segunda Feira do Espírito Santo. Um “Dia” muito especial nos Açores e na diáspora açoriana espalhada pelo mundo em especial nas Américas, do Norte e do Sul. Não de hoje, mas de há séculos que o culto da Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, é matéria da nossa história. Dos seus Sete Dons, Fortaleza, Sabedoria, Ciência, Conselho, Entendimento, Piedade e Temor a Deus, tiram os açorianos grande parte do caderno de encargos na sua prestação de cristandade e cidadania.

Porque agnósticos há muitos nas fileiras políticas, (embora presentes em muitos actos de índole religiosa) deixaremos de parte a apreciação, e o sentido religioso dos “Dons” acima referidos debruçamo-nos, no que os mesmos nos poderão dizer quanto à prestação da nossa cidadania.

Da Fortaleza - recebemos a coragem necessária para enfrentamos vulnerabilidade diante das circunstâncias da vida e, também firmeza de carácter nas perseguições e tribulações causadas pelo nosso testemunho.

Na Sabedoria - permite-nos a mesma entender, experimentar e saborear as coisas que nos rodeiam julgando-as correctamente.

Pelo da Ciência - tornar-nos-emos capazes de aperfeiçoar a inteligência, onde as verdades reveladas e as ciências humanas perdem a sua inerente complexibilidade.

Do Conselho - tiraremos o discernimento correcto e as atitudes certas em determinadas circunstâncias. Hoje, mais do que nunca está em foco a educação dos jovens a importância do ensino para a perfeita formação da criança.

Pelo Entendimento - entender intuitivamente as verdades reveladas e naturais, de acordo com o fim sobrenatural que possuem. A sabedoria não trás consigo o entendimento por consequência (ou vice-versa). Existe uma clara distinção entre um e o outro. Procuremos por tal o entendimento das coisas que nos são oferecidas.

Da Piedade - ´´e sob a influência deste dom que advém a caridade, a obediência, a solidariedade com o próximo. Coloquemo-la na nossa vida como sendo a solidariedade que deve existir na correlação dos poderes em prol da humanidade.

O Temor de Deus – deste, não podemos abstrairmo-nos do seu sentido que está imbuído na espiritualidade do nosso Povo que sempre que atingido pela “desgraça” clama pelo Espírito Santo.

Não admira que o Hino do Espírito Santo composto em finais do século XIX para ser tocado pelas bandas e ser cantado durante as coroações, é o mais reverenciado de todos os hinos, sendo sempre escutado nos Açores com grande emoção e respeito. Alguns dos acordes estão patentes no Hino dos Açores.

Interrogar-se-ão os nossos leitores o que tem a ver a extensa catequização deste intróito com título do texto. Limitar-nos-emos a dizer: pensamos que muito.

Embora defensor de uma data (dia fixo) como Dia dos Açores, no decorrer de 10 anos que estivemos à frente dos destinos do PDA, porque convidados nesta condição, sempre assistimos à celebração do Dia da Região com excepção do realizado em 2008, por oposição à distinção de que Altino de Magalhães "responsável máximo pelas prisões" da manifestação de 6 de Junho de 1975, foi alvo por parte da Assembleia Legislativa dos Açores com Insígnia Autonómica de Reconhecimento.

Sempre, antes e depois, do período referido, assistimos pela TV e acompanhamos pela comunicação social escrita, a Cerimónia em questão, apreciando os discursos na mesma proferidos. Concordando ou discordando dos seus conteúdos, mas sempre no respeito pela diferença de opiniões a que obriga a postura num estado democrático.

Este ano não foi diferente. Confesso que sempre dediquei mais atenção à oratório dos presidentes do governo do que à do/da presidente do Parlamento. Repito, Este ano não foi diferente. A “abstenção” foi matéria obrigatória do discurso entre “Maria vai Ana” e, vislumbra--se certo descontentamento no relacionamento institucional entre o poder central e o poder autonómico. Por entre linhas, confirma-se o que temos vindo a denunciar. Os DDT mantêm as suas nuances colonialista sobre o que por direito pertence ao Povo açoriano perante o titubear hesitante e tímido do poder constitucionalmente dito regional. As soluções apresentadas são autênticas miragens pois por mais inocentes que pareçam passarão sempre por uma malfadada revisão constitucional. E, entretanto, a prometida CEVERA continua pelas “Calendas Gregas”.

Entretanto, pasmai açorianos, Vasco Cordeiro um gesto mágico tira da “cartola” uma solução inédita para a solução do “absentismo”. A criação de benefícios para quem apresente um “curriculum” cívico “MB” (muito bom) comprovado pela participação no exercício eleitoral. Como lá chegar? Naturalmente com a criação de uma comissão especialista no “assunto”. Até lá e naturalmente muitos actos eleitorais decorrerão continuem com o os estímulos que têm dado até à data, mas que parece já não resultam muito. Uns saquinhos de cimento, uns transportes com lanche pelo caminho ente a Junta de Freguesia e localização das mesas de voto, e alguns empregos de favor para alguns mais esforçados, mas também mais “espertos”.

Sugerimos se nos permitem, o que faziam os mordomos depois da coroação, em outros tempos: - Um saquinho de suspiros… porque não?

José Ventrua(*)
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 548, de 05 de julho de 2019.