Jornal da Praia

PUB

JOÃO MONIZ CORTE-REAL, O MIGUELISTA

Terça, 23 de Julho de 2019 em Opinião 582 visualizações Partilhar

JOÃO MONIZ CORTE-REAL, O MIGUELISTA

Há exatos 234 anos, a 23 de julho de 1785, nascia o terceirense João Moniz Corte-Real, um militar, defensor acérrimo dos ideais absolutistas e miguelistas.

João Moniz Corte-Real nasceu em Angra, filho de Francisco Moniz Corte-Real e de D. Mariana Josefa do Rego. Jovem, com 16 anos, a 3 de outubro de 1801, alistou-se como voluntário no Batalhão de Angra. Passou depois para a 2ª Divisão da Brigada da Marinha. Começava então a carreira militar de Moniz Corte-Real. Um ano depois, em 1802, já era cadete.

Em 1809, João Moniz Corte-Real foi promovido a Alferes. Participou na Guerra Peninsular, lutando contra as invasões napoleónicas. Nestes anos, em 1813, foi promovido a Tenente. Com a derrota francesa nas campanhas da Guerra Peninsular, Moniz Corte-Real foi condecorado com a cruz de ouro nº 6 e feito cavaleiro das ordens de Cristo e de Avis. Foi promovido a capitão, em 1820, reformando-se da sua carreira militar como Major de Infantaria.

Em 1820, no Porto, iniciava-se uma revolução de cariz liberal à qual João Moniz Corte-Real aderiu em Lisboa, contudo, pouco tempo depois, acabou por abraçar fortemente a defesa da causa absolutista. Francisco de Borja Garção Stockler, um absolutista, foi convidado para governador e capitão general dos Açores em plena Revolução Liberal. A 18 de outubro de 1820, Stockler chegava à Terceira, com o intuito de manter o status-quo nos Açores, fazendo com que os ideais liberais não se difundissem pelo arquipélago. Já as Cortes Constituintes queriam aproximar as novas ideias do povo. Em Angra, a 2 de abril de 1821, houve um levantamento à maneira constitucional, sob a chefia militar do antigo governador e 7º capitão-general Francisco António de Araújo, apoiado por diversas personalidades. Foi logo criada uma Junta Provisória para o Governo da Capitania-Geral, que integrava o capitão-general Araújo, João Bernardo Rebelo Borges, Alexandre Gamboa Loureiro, José Leite Botelho de Teive, Coronel José Francisco do Canto e Castro e D. Manuel, bispo de Angra e ilhas dos Açores. Esta mesma Junta jurou obediência a D. João VI, à Igreja Católica e às Cortes Constituintes.

Em 1823, ainda em Lisboa, João Moniz Corte-Real tentou ter apoio absolutista para chefiar ou o governo de São Miguel ou o do Faial, o que que lhe foi negado. D. João VI quando morreu, a 10 de março de 1826, deixou uma Junta de Regência, chefiada pela sua filha D. Isabel Maria. Esta regência prevaleceria enquanto o legítimo herdeiro e sucessor da coroa de Portugal, D. Pedro, que no momento era Imperador do Brasil, não desse as providências a tal respeito. D. Pedro IV, por decreto de 26 de abril, confirmou a Regência. D. Pedro IV outorgou a Carta Constitucional, uma constituição, a Portugal, a 29 de abril de 1826. A 2 de maio, D. Pedro IV abdicou dos seus direitos à coroa portuguesa em nome de sua filha, D. Maria da Glória, com 7 anos, a qual deveria casar com seu tio, o infante D. Miguel. Contudo, em 1828, quando D. Miguel chegou a Portugal, proclamou-se como Rei Absolutista. O Liberalismo caía e o miguelismo ia ganhando apoios. João Moniz Corte-Real festejava com o regresso do Absolutismo a Portugal.

Em S. Miguel, o Comandante Militar aliou-se às tropas absolutistas, contudo a Ilha Terceira tornou-se no último baluarte do Liberalismo, passando a atrair Vila Flor, o futuro Duque da Terceira, um liberal convicto, que pretendia continuar a sua luta contra o absolutismo. O Duque de Saldanha, próximo de Vila Flor, partiu para a Ilha.

Os Liberais, embora fossem fortes na Terceira, encontraram alguma contestação à sua política na Ilha. Data deste período, 4 de outubro de 1828, o combate do Pico do Seleiro (que tomou o nome do dono daquele lugar, André Dias Selleiro), entre Absolutistas (da própria Ilha) e Liberais. A chegada de Liberais à Terceira levantou um problema sério de abastecimento e alimentação da Ilha. Os Miguelistas não deixavam a ilha ser abastecida e os Liberais consumiam muito, por isso, os absolutistas conseguiram dinamizar alguns descontentes a seu favor. A batalha aconteceu no Pico do Seleiro. Fala-se de 3 000 a 4 000 absolutistas contra 150 Liberais, com estes últimos a serem recebidos com o fogo das espingardas dos absolutistas, emboscados na colina. Esse fogo foi respondido pelas "peças de campanha" liberal. A batalha, segundo algumas fontes, deve ter durado 1h30 sem vantagem de parte a parte, contudo os oficiais liberais Sá e Borges conseguiram flanquear os adversários, vindo a desbaratá-los.

Os miguelistas debandaram em direção à Terra-Chã, aos Biscoitos e aos Altares, sendo perseguidos noite a dentro pelos liberais. João Moniz Corte-Real organizou a resistência de guerrilha contra os Liberais, chegando a criar sérios problemas a estes. Os liberais, embriagados pela vitória, avançaram colina abaixo espingardeando os adversários em retirada pelas costas. Mesmo assim, grande parte da população acabou por aderir à causa liberal. Angra tornara-se sede da Junta Provisória em nome de D. Maria da Glória, filha de D. Pedro.Com a perda de apoio que o Miguelismo vai tendo na Ilha, Moniz Corte-Real passou a ser perseguido fortemente pelos liberais, acabando por sair da Terceira.

Moniz Corte-Real passou, primeiro por São Miguel, onde esteve com o com o capitão-general absolutista, Henrique da Fonseca Sousa Prego. O Duque de Palmela, outro liberal, nomeou Vila Flor Capitão-General dos Açores. Quando este chegou à Terceira, a sua primeira ação foi terminar com as discórdias e divisões locais, aproximando-os para a defesa da causa liberal. A seguir, organizou-se a resistência aos ataques de D. Miguel. Conseguiu-se então a restauração da Carta Constitucional, em 1828.

João Moniz Corte-Real, quando chegou a Lisboa, foi recebido pelo rei D. Miguel, a quem explicou a situação da Ilha Terceira e a necessidade de derrubar o Liberalismo da Ilha açoriana. Quando a 11 de agosto 1829, o exército miguelista tentou desembarcar na Praia, com os seus 4 000 homens, 340 peças de artilharia e 6 barcas canhoneiras, João Moniz Corte-Real, vinha juntamente com a Armada, como ajudante-de-ordens do coronel José António de Azevedo.

A batalha da Praia iniciou-se com os bombardeamentos miguelistas sobre os Forte de Santa Catarina e o de Espírito Santo. Durante 4 horas, os miguelistas foram responsáveis por 5 000 tiros, mas este ataque não assustou nem desmoralizou as tropas liberais. Com a linha de Fortes reforçada, passou-se ao ataque. A partir do Forte de Santa Catarina, disparou-se contra a fragata Diana e conseguiu-se assim, evitar o desembarque. O exército absolutista saiu derrotado. Era a primeira vitória liberal contra os absolutistas. Iniciava-se uma nova fase na História do país. Moniz Corte-Real acabou por assistir à derrota miguelista no barco, não tendo desembarcado na sua terra natal.

João Moniz Corte-Real, em 1832, escreveu uma espécie de relatório: Fatalidades do Povo da Ilha Terceira na sua política contenda contra os rebeldes, onde faz uma descrição das suas atividades e do que se passava na Ilha durante aquele tempo. Casou-se duas vezes, primeiro com D. Joaquina do Carmo Moura Portugal e depois com D. Maria Carolina de Oliveira. Morreu, em Angra, a 9 de janeiro de 1860.

A vida de João Moniz Corte-Real mostra-nos que devemos defender os ideais em que acreditamos, mesmo que estejamos a ir contra a maré, que estejamos em minoria. O mais importante é não sermos corrompidos pelos outros, sobretudo quando achamos que as suas ideais não são as melhores, mas temos medo de defender as nossas. Não há que ter medo em ser a voz discordante em um coro em uníssono. Remar contra a maré é difícil, mas com garra e força, é possível.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 549, de 19 de julho de 2019.