Jornal da Praia

PUB

IMPLOSÃO ECONÓMICA

Segunda, 22 de Julho de 2019 em Opinião 171 visualizações Partilhar

IMPLOSÃO ECONÓMICA

Apesar da forte corrente económica que se faz sentir nos Açores, proveniente da conjetura favorável no campo internacional, que tem provocado, entre outras coisas, uma onda de turismo nunca vista nos seiscentos anos de vida humana nestas Ilhas, estamos no entanto numa rutura de vários serviços, alguns deles estruturais, que não acompanham este progresso e muito menos o tem aproveitado.

São os transportes aéreos, as ligações mais que necessárias entre todas as ilhas, de uma forma verdadeiramente eficiente e que nos faça sentir cada vez mais uma Região e menos, muito menos, um conjunto de nove ilhas.

São os transportes marítimos, piores que jamais e sem solução à vista, que fazem os mais idosos terem saudades dos velhos Cedros, Ponta Delgada, Lima, Carvalho Araújo e até o Arnel, encalhado perto de Sta Maria, o Funchal e o Angra do Heroísmo, tudo barcos que não falhavam, com meios e contexto completamente piores do que os nossos dias.

São os transportes terrestres, serviço público degradado em horários primitivos que não acompanham o mercado dos trabalhadores, obrigados a comprar carro para poderem ir trabalhar no seu dia a dia. É uma questão que caminha ao inverso, porque numas ilhas de pequena e média dimensão, o transporte público apresenta-se como uma questão importante pelo ambiente, poluição, o uso de combustíveis fósseis, enfim, neste campo os Açores encontram-se na idade das trevas.

As companhias privadas que seriam obrigadas a cumprir o caderno de encargos, ou não o cumprem, ou o contrato - se existe - está mal definido. Necessita ser revisto a sério. Nalguns trajetos do norte da Ilha de São Miguel, por exemplo, poderiam ser usadas mini autocarros como as chamadas “bertinhas” e com mais regularidade. Da cidade de Ribeira Grande até Nordeste, o serviço é lastimável em termos de horários, obrigando os trabalhadores a perderem horas diárias, por terem de se deslocar de manhã, porque o autocarro não passará nem tão cedo. Os trabalhadores que mudam de escala horária durante o dia, não têm meios de transporte nem dinheiro para comprar carro. Resultado: Entram para o rendimento de inserção social, esta nova profissão que virou vício para muitos ainda na flor da idade e que é paga pelos que realmente trabalham. Um verdadeiro descalabro a ter em conta em próximas eleições.

Se algumas frotas foram renovadas com dinheiros da Europa, essa renovação foi mal feita e continua com horários de há décadas.

Só as forças políticas, oposição e governo, representantes democráticos do povo, poderão interferir nas disposições e abusos, pela falta de serviços convenientes à população por parte das companhias privadas, responsáveis pelos transportes públicos em todas as Ilhas. Uma revisão que se impõe, seja qual for a desculpa apresentada por essas companhias. O emprego de mini autocarro seria a solução adequada. Enriqueçam, ninguém é contra esse fator, mas cumpram com mais eficiência a sua responsabilidade no transporte público. Nos dias de hoje, é importante e a grande penúria de mão-de-obra na restauração e noutras áreas, deve-se à péssima qualidade horária dos transportes. Esta é uma mola que fará avançar uma economia que de um momento ao outro pode vacilar. Em caso de crise internacional, os turistas podem deixar de viajar e tudo voltar à estaca zero, de há dez e mais anos atrás.

Não posso terminar esta crónica sem lastimar a inestimável perca da única voz açoriana em Bruxelas. Acompanhei a trabalhosa campanha de André Bradford e a última vez que estivemos juntos, foi no Cais da Sardinha, numa das suas inúmeras sessões de campanha, esta promovida pela Juventude Socialista. Mesmo sabendo que seria o único açoriano elegível, fez uma campanha como se tivesse vinte ou mais adversários políticos. Foi lutador até ao final.

Os bons, por serem melhores, partem sempre mais cedo. Negativismo absoluto da razão humana. A tua existência, André, foi marcante. Curta como um breve relâmpago numa noite escura, mas suficiente para iluminar por uns instantes as vidas de muita gente. Bem Hajas.

O teu descanso prematuro, é uma lição (mais uma) sobre a perenidade da vida.

José Soares