Jornal da Praia

PUB

As vinhas do Porto Martins

Sexta, 19 de Julho de 2019 em Editorial 246 visualizações Partilhar

As vinhas do Porto Martins

Desde o século XV, que os primeiros habitantes desta ilha de Jesus se dedicam à actividade vitivinícola no Lugar do Porto Martins, actualmente freguesia do concelho da Praia da Vitória, e para o efeito utilizaram o chão rochoso, pedregoso e vulcânico inaproveitável para a pastorícia, culturas hortícolas e sementeiras agrícolas, construindo “vinhas” ao longo dos tempos, criando uma paisagem única e de beleza deslumbrante, que impressionam qualquer visitante que a contemple, nomeadamente do miradouro do Pico do Capitão.

Foi um trabalho hercúleo ao longo de muitos anos, partindo a pedra basáltica, tapando travessas, muros, paredes, construindo currais com covas para o plantio das videiras, produzindo-se um “precioso néctar dos Deuses”, no inicio vinho verdelho, e que devido ao míldio e à escoriose da videira que grassou no século XIX, praga essa que obrigou os vinhateiros a substituir a casta de verdelho pela casta do vinho de cheiro, proveniente da América, bem mais resistente às doenças da vinha e que se adaptou com facilidade ao nosso clima.

O vinho de cheiro é imprescindível nas festas do Divino Espírito Santo, muito enraizadas nas nossas tradições, nomeadamente nos festejos do bezerro e nas funções, costumes que felizmente se mantém bem vivos.E é com grande mágoa que nestes últimos tempos assistimos infelizmente, ao desaparecimento das vinhas que devido ao abandono por parte dos proprietários, estão sendo infestadas de matagal, e é de “cortar a alma” assistir à morte da paisagem da cultura da vinha no Porto Martins.

Não devemos deixar desaparecer esta “mais valia paisagística e histórico-cultural edificada desta paisagem impar, aliada ao seu caracter único e universal” e conscientes deste valor inegável, cabe a todos nós ligados directa ou indirectamente ao Porto Martins, “desmembrado da vizinha freguesia do Cabo da Praia no dia 9 de Maio de 2001, com a publicação do Decreto Legislativo Regional N.º 11/2001/A de 16 de Maio” da Assembleia Legislativa Regional dos Açores, data em que foi elevado a freguesia, altura em que ressurgiu novamente o desejo de preservar as suas paisagens.

A iniciativa da preservação da paisagem das vinhas plantadas entre rochedos e estendidas sobre pedras, no seu cerne deve estar a Junta de Freguesia do Porto Martins, a Câmara Municipal da Praia da Vitória, a Universidade dos Açores e os proprietários,  lutando-se pela sua importância, promovendo-se o desenvolvimento sustentado, o turismo e a qualidade de vida das suas gentes, trazendo-se à tona de água a importância da cultura da vinha do Porto Martins como área protegida e mesmo ser classificada de “Paisagem Protegida de Interesse Regional”, pois será certamente o caminho necessário a percorrer para se salvar as vinhas situadas na graciosa costa ocidental da Ilha Terceira, banhada pelas água azuis e amenas do oceano que abençoa os vinhedos, únicos e invulgares, marca prestigiante de um dos lugares mais lindos dos Açores, e que o transforma na rainha das freguesias açorianas, imortalizado na poesia do Professor Vitorino Nemésio que desde sempre defendeu a conservação da rede de vinhas estendida sobre pedras e protegidas por muro de pedra espaçados entre si, muros estes levantados com o único objectivo de proteger as videiras do vento e da ressalga marítima, e para a conservação desta paisagem é necessário trabalho, muito trabalho “não só muitos dias, e muitos anos, mas sempre”.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com