Jornal da Praia

PUB

“ROCKFEST” TEM TUDO PARA AFIRMAR-SE NO PANORAMA DE FESTIVAIS MUSICAIS DE VERÃO DOS AÇORES, CONSIDERA DANIEL SILVA

Sexta, 19 de Julho de 2019 em Entrevista 292 visualizações Partilhar

“ROCKFEST” TEM TUDO PARA AFIRMAR-SE NO PANORAMA DE FESTIVAIS MUSICAIS DE VERÃO DOS AÇORES, CONSIDERA DANIEL SILVA

Criado em 2015, o festival “Rockfest” surge da própria mística do movimento motard, no qual, à adrenalina da aceleração em duas rodas se alia a uma enorme paixão pelo rock n’ roll. Este fim de semana, a Praia da Riviera, acolhe a IV edição de um festival que pretende devolver-lhe a projeção de outros tempos.

Mais logo por volta das 22:00, abre portas na Praia da Riviera, Praia da Vitória, a edição de 2018 do festival RockFest, iniciativa do grupo motard “Bravo Açores” lançado em 2015, numa aposta de aproximação da comunidade de motards com a sociedade em geral.

Quisemos saber como tudo começou e por isso fomos ao encontro do grupo na sua sede na vila das Lajes. Numa casa com fechada característica da tradicional arquitetura do Ramo Grande, chamou-nos atenção no interior, a imaginativa decoração que combina numa simbiose perfeita, motas, rock n’ roll e símbolos dos Açores.

Tivemos como interlocutor Daniel Silva, 48 anos, agente policial profissionalmente, que recusando qualquer outro título, assumiu-se como simples porta-voz de um grupo cujo principal filosofia é o respeito por todos, dispensando por isso qualquer hierarquia. Em tom informal e descontraído decorreu a conversa que passamos a apresentar.

Jornal da Praia (JP) – Como nasceu o Grupo Motard “Bravos Açores”?

Daniel Silva (DS) – Como grupo existimos desde 2011, embora na altura fossemos uma delegação do grupo motard “Amigos dos Açores” da ilha de São Miguel. Mais tarde, em 2016, por um conjunto de razões, mas fundamentalmente porque desejávamos ter uma identidade própria, fundamos o Grupo Motard “Bravos Açores”. Penso que fomos felizes na escolha do nome, pois o que é certo, é que este nome têm despertado muita curiosidade e interesse sobretudo junto das comunidades de emigrantes, que frequentemente nos contatam para nos felicitar, manifestando-se interessados em conhecer as atividades do grupo. Resultante desses contatos e do interesse manifestado, acabamos por expandir o grupo ao Canadá.

JP – Este é o único grupo motard dos Açores que tem uma delegação no Canadá?

DS – Eu diria mais! Este é único grupo motard de Portugal que tem uma representação internacional, neste caso, no Canadá, mais precisamente na cidade de Toronto.

JP – O que é que leva um grupo de pessoas a juntar-se e a criar um grupo motard?

DS – É primeiro lugar é preciso salientar que todos têm uma enorme paixão por motas e sentem grande prazer – diria adrenalina mesmo – ao viajar na sua mota. Mas não é apenas isso que nos leva a formar um grupo, porque viajar de mota pelas estradas fora qualquer um o poderá fazer desde que a tenha, há algo mais para além disso. É essencialmente o gosto pela sociabilização, o estar com o outro, o conviver, o estar em grupo com espírito de partilha, solidariedade e entreajuda, que leva as pessoas a juntar-se e a formar um grupo de motards, onde as motas e todo o ambiente à volta delas é apenas o primeiro elo de ligação.

Em relação aos demais grupos existentes nos Açores e no país, nós adotamos uma filosofia diferente, que consiste em não existir quotas. E fizemos isto, porque entendemos que a paixão pelas motas, a alegria de nelas viajar e o salutar convívio entre todos, não se atesta, nem se comprova pelo simples pagamento de uma quota. É evidente que temos um conjunto de regras, mas todas estas regras emanam de uma única regra que para nós é absolutamente fundamental – respeito por todos – observada esta regra todas as restantes acabam por ser cumpridas com naturalidade.

JP – Não havendo quotizações, como fazem face às despesas?

DS – Ultrapassamos esta questão organizando um conjunto de eventos ao longo do ano, tais como jantares familiares, convívios, festas alusivas a datas comemorativas, etc, que nos permitem angariar os fundos necessários para levar por diante as nossas atividades. É através destes eventos que reunimos as verbas necessárias para prosseguir as nossas atividades, já que como referi não só não temos quotizações como não temos qualquer outra fonte de rendimentos garantido.

JP – Destes anos de atividade quais são os grandes marcos do grupo?

DS – Vamos recuar ao ano de 2012, porque foi nesse ano que este grupo de pessoas realizou pela primeira vez um evento em conjunto. Em 2011, quando grupo se formou, então como delegação do grupo “Amigos dos Açores”, como já referi, assumimos o compromisso de realizar uma grande concentração motard na ilha Terceira. Foi uma decisão ambiciosa e muito corajosa porque efetivamente são enormes os riscos que envolvem a realização de um evento desta natureza. Felizmente, depois de muito trabalho é certo, a concentração realizou-se na freguesia dos biscoitos contanto com mais de centena e meia de motards oriundos das mais diversas ilhas. Este foi sem dúvida o primeiro grande marco do grupo.

Também em 2012, iniciamos uma estreita amizade com a Associação de Pais e Amigos da Criança Deficiente da Praia da Vitória, que muito nos honra, visitando as crianças regularmente e também trazendo-as à nossa sede, onde organizamos um conjunto de atividades especificamente para elas, centrada sobretudo em jogos tradicionais. No início as crianças estranhavam um pouco a nossa presença, manifestando-se um pouco assustadas, porventura devido aos ruídos dos motores e à nossa indumentária predominantemente negra, mas aos poucos foram aproximando-se de nós e fortaleceu-se uma tal amizade, que hoje ao cruzarem-se connosco são os primeiros a acenar com verdadeiro entusiasmo e alegria. Além disso, nos eventos que levamos a efeito procuramos sempre ter uma componente solidária, que nos permita dentro das nossas possibilidades, facilitar um pouco a vida daqueles que a têm difícil. No último RockFest por exemplo, oferecemos em parceria com outras entidades uma cadeira de rodas a uma senhora com mobilidade reduzida e neste que se inicia hoje iremos continuar com esta aposta solidária.

Obviamente que outro dos grandes marcos deste grupo é a realização em 2015 do primeiro festival RockFest…

JP – Indiscutivelmente! Como surgiu a ideia de o criar?

DS – Nascemos exatamente da necessidade de sermos diferentes em relação aos demais – digo isso sem qualquer sentido pejorativo – e na senda desta diferença surgiu a ideia de realizar um festival de rock até porque o rock é algo muito característico da mística motard e se olharmos bem, nos Açores não existem assim tantos festivais de rock. Em 2015, resolvemos então assinalar o nosso aniversário com um evento alargado a toda a comunidade e que fosse gratuito – o que desde logo dificulta exponencialmente a sua realização – para dar a conhecer, aproximar e de certo modo contrariar aquela ideia pré-concebida na sociedade em geral de que os motoqueiros são todos uns arruaceiros. Portanto, foi neste enquadramento que surgiu o festival RockFest.

JP – Como é realizar anualmente um festival desta envergadura?

DS – A maior dificuldade como é natural num evento desta envergadura é angariar as verbas que permitam fazer face às várias despesas inerentes à sua realização, como cachês, deslocações, estadias, etc. Graças ao trabalho que realizamos literalmente durante todo o ano, ou seja, uma edição ainda nem terminou e já estamos a trabalhar na seguinte e, também, às muitas parcerias que têm sido possível fazer, temos conseguido reunir os montantes necessários…

JP – E apoios oficiais. Quais são?

DS – Temos uma excelente parceria com a Câmara Municipal da Praia Vitória, que têm vindo a revelar-se um parceiro absolutamente indispensável na organização do evento, funcionando como um coorganizador do mesmo. Sem esta prestimosa ajuda a realização do festival era de todo impossível, não tanto pela ajuda financeira, mas sobretudo pelo grande apoio logístico que tem sido decisivo. Desde há 2 anos a esta parte, temos também contado com o apoio financeiro da Direção Regional do Turismo e da Direção Regional de Juventude, que não nos dando verbas significativas acabam por ser importantes, já que partimos a cada edição do zero.

JP – Qual o balanço que faz das últimas 3 edições? O objetivo de envolver a comunidade foi conseguido?

DS – O grupo sente-se perfeitamente satisfeito com as três edições até hoje realizadas, quanto mais não seja por termos conseguido responder financeiramente à sua realização. Com esta 4.ª edição atuaram no RockFest um total de 126 pessoas, é muita gente e envolve muito dinheiro. Acrescente-se que o festival é totalmente gratuito, logo chegar ao fim e saldar todas as contas, como temos feito até agora, já é uma grande vitória e motivo de grande satisfação.

Relativamente à aderência da comunidade, considerando as múltiplas ofertas existentes nos fins de semana em que realizamos as edições anteriores, embora não tivéssemos uma adesão maciça acabamos por ter uma boa participação. Este ano, fruto de termos constatado que naquelas datas haviam muitos eventos concorrentes, entre festividades tradicionais e outros novos que ocorreram naquele fim de semana, resolvemos realizar o festival duas semanas mais tarde.

JP – Ao longo destas 3 últimas edições foram muitas as bandas que passaram pelo festival. Existe alguma que queira destacar?

DS – Para nós todas as bandas que passaram pelo RockFest merecem o nosso destaque e reconhecimento, no entanto, pelas circunstâncias, gostaria de relembrar a primeira edição [2015] que contou apenas com artistas locais, a banda RIP [Rest In Peace] que abriu o festival e correspondeu ao último concerto ao vivo do saudoso Kit, na altura já debilitado de saúde, mas que não deixou de estar presente. Na edição do ano passado, pela importância da banda e pelo contributo do Kit, nós reservamos o domingo exatamente para fazer um tributo à banda e ao Kit, que pessoalmente me diz muito e penso que a todos da minha geração.

JP – O RockFest têm-se realizado na zona da marina da Praia da Vitória, mas este ano, vai até à Praia da Riviera. É um reviver do Musical Açores, que lá se realizou em 1976 e 1977?

DS – Começo por dizer que quando o projeto do festival foi pensado e depois apresentado à Câmara da Praia, a localização propostas foi exatamente a Praia da Riviera, mas na altura por razões diversas a oportunidade não se proporcionou e como a Câmara disponha do palco na zona da marina já montado, que vem sendo utilizado aquando das Festas da Praia optou-se por realizar o festival aí. Este ano, à partida haverá algumas alterações na disposição dos palcos das festas e surgiu a oportunidade de fazermos o festival na Praia da Riviera, o que para nós é fantástico por tratar-se do espaço originalmente idealizado.

Quanto ao reviver o Musical Açores, salvaguardando tratar-se de outros tempos e de outro tipo de festival, considero que o RockFest tem todas as condições para se vir a afirmar como um dos festivais de referência no panorama de festivais de verão nos Açores. Na verdade a Praia da Vitória tem sido pioneira em grandes festivais de música, dos Blues ao Jazz passando pelo Rock N’ Roll e hoje não têm um único festival musical que se apresente com identidade própria. Entendo portanto, que o RockFest que já vai na 4.ª edição, o que significa que já emadureceu e solidificou raízes tem tudo para singrar e posicionar-se como festival de referência no panorama de festivais musicais colmatando esta lacuna. Digo isto com a plena consciência que precisamos crescer mais, melhorar, ultrapassar algumas barreiras e simultaneamente estar com os pés bem assentos no chão, para irmos dando os passos à medida das pernas.

JP – Quais são as perspetivas para mais um RockFest que abre portas logo mais pelas 22:00?

DS – Sinceramente as perspetivas são as melhores. Pensamos que conseguimos arranjar um cartaz [ver notícia] excelente tendo em conta os recursos disponíveis, embora, esta consideração seja muito subjetiva já que fomos nós que alinhamos o cartaz. Este ano para além das bandas, 4 locais e uma de fora, iremos implementar um novo figurino, promovendo uma “Sunset Party”, com 3 Dj(s) consagrados da nossa praça e destinada a um público mais jovem.

Por fim e tendo em conta que a Praia da Riviera está classificado como reserva ecológica pelas suas dunas e para além disso ostentar como zona de veraneio a bandeira azul da Europa, apelamos ao civismo, compreensão e colaboração de todos no sentido de colocarem o lixo nos respetivos contentores e não o jogarem indiscriminadamente para o chão. Com este comportamento as pessoas estarão a contribuir para que o RockFest possa vir a singrar no futuro.

JP/Foto: Rui Sousa