Jornal da Praia

PUB

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA

Domingo, 14 de Julho de 2019 em Opinião 1735 visualizações Partilhar

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA

Hoje em dia, num momento em que tudo é fugaz, em que a Internet e as redes sociais permitem que a informação chegue a qualquer parte do Mundo em segundos, não há quase necessidade de explicar o que nos rodeia, a nossa sociedade, o nosso património, porque todos os dias há sempre uma nova notícia para apagar a anterior. A Memória do que fizemos não é alimentada e isso é um grande erro. Um povo sem Memória é um povo sem Cultura. É essencial saber de onde viemos, para compreendermos quem somos e entendermos o que se passa à nossa volta.

Ao longo destes meus anos como Historiador, uma das perguntas que mais me fazem é o porquê de precisarmos de estudar História, de saber sobre o nosso passado. Os jovens são os que mais me questionam sobre a importância da História para a nossa vida. A resposta é simples: muito importante. A História ensina-nos muito. Ao estudarmos as ações dos nossos egrégios avós, conseguimos compreender o porquê do agora, o porquê de estarmos aqui.

Não há um hoje sem um ontem. É impossível tentar estudar um determinado acontecimento, evento ou personalidade, sem saber o seu contexto, o seu passado. O entender o percurso de vida de uma pessoa, o desenrolar de um acontecimento, deixa-nos perceber o porquê das suas ações. Aquele acontecimento não aconteceu sem pelo menos a sua preparação e esta é feita antes. O Agora tem de ser entendido como o efeito, o resultado do Antes.

Desde jovem sempre tive fascínio pelo estudo, a pesquisa, a análise, a investigação de como as coisas se passaram. Enquanto terceirense, açoriano, português, a curiosidade em saber mais do passado do meu país, da minha região, do meu local, foi-se tornando uma necessidade quase essencial à minha vida, Não consigo me entender, sem relacionar a minha vida ao meu amor pela História.

Uma das coisas que oiço de muito jovem é a falta de interesse e de criatividade dos professores, neste caso, os de História em ensinar as matérias. Temos de nos lembrar que existe um programa e este tem de ser cumprido, e esta exigência limita muito a “criatividade” do professor, mas não deve extingui-la. É cada vez mais importante aproximarmos os acontecimentos nacionais da História local. Falar do meio que nos rodeia, dá uma noção de proximidade com os jovens. Ao contar aquele acontecimento que se passou ali ao lado, os jovens ficam mais entusiasmados em saber mais sobre o que se passou na sua terra e que importância teve para o contexto da História regional e da História de Portugal. Um bom equilíbrio entre História nacional e local era, para mim, um ingrediente chave para aproximar mais os jovens da História, do seu passado e na necessidade de preservá-lo.

Outro tema ligado à História que muita gente fala comigo é o Património histórico. A minha resposta é a mesma: salvaguarda das “testemunhas” do passado. O Património histórico faz parte do que nos rodeia e são vestígios da nossa História. Preservar, defender, recuperar, reabilitar monumentos, edifícios, espaços que fizeram parte das estórias da nossa História é algo essencial à perpetuação da nossa Memória. Dar a conhecer, ou seja, divulgar, o nosso Património é manter vivo o legado dos nossos egrégios avós.

A História dos Açores tem de ser bem incluída nos programas das escolas açorianas e tem de haver necessidade de fazer os alunos quererem saber mais sobre o que se passa à sua volta, com mais visitas de estudo, pesquisas para trabalhos, isso é, trazer o passado para o hoje. Já se deu vários passos neste sentido, com o programa a incluir a História e a Geografia do arquipélago, mas ainda há muito mais a fazer. E não devemos de ter medo de contestar e pedir mais apoio para “reavivar” a História, pois é essencial para a criação de cidadãos conscienciosos e preparados para o futuro.

Uma ideia que existe em outros países e que já tive a honra de assistir a verdadeiros e bons trabalhos é a reencenação de acontecimentos da nossa História. Sei que é algo que necessita de investimento, de pessoas, que haja vontade política e financiamento público e privado para se concretizar, contudo era algo que iria abrir os horizontes dos locais ao passado da sua terra e trazer mais turistas às nossas terras. Não seria deveras interessante assistir a uma “Batalha da Salga”? As Sanjoaninas nos últimos anos tem trazido temas históricos ao seu desfile de abertura e isso tem “obrigado” os locais e os visitantes a saber mais sobre a História, o que é ótimo e relevante para se divulgar não só local, mas nacionalmente momentos indeléveis do passado da Terceira. Espero que haja mais ideias neste sentido e que se lute com garra para se divulgar a nossa História e Preservar o nosso Património.

A aposta em centros de interpretação em muitas das nossas localidades, era um caminho para fazer o local e o visitante viajarem pelas estórias da nossa História. Uma ideia que se vai falando em vários pontos da nossa Ilha, mas que espero que ganhe mais força nos próximos tempos. Salientar, realçar a nossa História é muito importante pois como sempre digo um povo sem Memória, é um povo sem Cultura e temos de começar cedo a incutir a vontade de saber mais e querer procurar saber mais das estória da nossa História. Até a divulgação de lendas é uma forma de “acender” a chama do conhecimento e, sobretudo, da curiosidade. Se temos um vestígio da nossa História tão perto de nós, porque não o divulgamos mais?

Eu tenho feito a minha parte e espero contribuir com mais trabalho e mais projetos, desde que haja financiamento e apoios neste sentido. Espero que surgem mais oportunidades para fazermos “realçar” a nossa grandeza, o nosso ADN terceirense, trazendo o ontem para hoje.

A pesquisa, a investigação e a divulgação do nosso passado, assim como a preservação do nosso Património são lemas da minha vida.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 548, de 05 de julho de 2019.